Zico, Juninho Pernambucano, Maradona e mais: confira a lista dos 10 maiores batedores de falta do mundo na história do futebol

O grupo dos maiores batedores de falta do mundo de todos os tempos é especial.

Tamanha é a técnica necessária para uma boa cobrança de bola parada que seus especialistas invariavelmente são grandes jogadores. Mas nem todo bom jogador é um grande cobrador de falta.

Por isso é tão necessária uma lista dos maiores batedores de falta da história. O que não a torna fácil de se fazer. Usamos, portanto, alguns critérios claros — e uma boa dose de bom senso — para elencar os jogadores abaixo.

Para começar, mais de cinquenta gols, porque é preciso começar em algum lugar. Depois, técnica de batida e versatilidade ganham maior peso. No final, como você verá, vale até o legado do cobrador para desempatar.

Então ajeite a bola, conte seus passos e vamos nessa!

Maiores batedores de falta da história

  1. Juninho Pernambucano
  2. Zico
  3. David Beckham
  4. Pelé
  5. Marcos Assunção
  6. Ronaldinho Gaúcho
  7. Diego Maradona
  8. Marcelinho Carioca
  9. Victor Legrottaglie
  10. Didi, Roberto Dinamite, Pepe

Didi, Roberto Dinamite, Pepe (10º)

Didi durante treinamento
(Acervo/Gazeta Press)

Ok, admitimos nossa malandragem nessa décima posição. É que não tem jeito, precisamos fazer o reconhecimento histórico dos craques que não tiveram a facilidade de ter seus gols contados e detalhadamente registrados.

Roberto Dinamite, por exemplo, tem um número não confirmado de 80 gols de falta na carreira. Artilheiro como era, o vascaíno assumia a maioria das faltas próximas da área e pegava na bola com enorme facilidade. Sabia até o momento para pegar o goleiro de surpresa.

Pepe, por sua vez, aplicava o seu canhão de sempre nas batidas. E tinha um alto aproveitamento, segundo constam os registros orais. É preciso uma técnica apurada para ser eficiente enfiando o pé nas faltas. Roberto Carlos que o diga.

Por fim, a maior injustiça dos critérios estabelecidos: Didi. O meia era um virtuoso da cobrança de falta com seu ardiloso e infalível chute folha-seca. Só não tem números fiéis para apoiar o seu aproveitamento na carreira.

A projeção, no entanto, é absurda. Na Seleção Brasileira, Didi fez 12 de seus 24 gols em cobranças diretas. Aplicando o número para seus mais de 200 gols como profissional, seriam cerca de 100 gols em bolas paradas.

Victor Legrottaglie (9º)

Victor Legrotaglie

Victor Legrottaglie é um caso curioso, o inverso dos craques anteriores. Seus 66 gols em cobranças de falta são bastante consolidados, mas há poucos registros de como foram ou de sua técnica nas cobranças.

Ídolo do Gimnasia La Plata entre os anos 1930 e 1950 — status que rendeu a fiel documentação da carreira —, Victor é descrito como um meia muito habilidoso e dono de uma batida leve e precisa na bola.

Foi um dos jogadores que recusaram as glórias internacionais de Real Madrid e Barcelona. Optou por fazer toda a carreira na Argentina, para a sorte dos goleiros espanhóis.

Marcelinho Carioca (8º)

Marcelinho Carioca, ex-jogador do Corinthians

Marcelinho Carioca não era o “Pé de Anjo” por acaso. Dono de uma precisão incomum para as diferentes distâncias e ângulos que batia, Marcelinho tem 59 gols confirmados e mais cerca de 20 em sua contagem pessoal.

Só não dá para encher a boca e dizer que foi o maior batedor de faltas da história do Corinthians. Antes dele, afinal, houve o Craque Neto. A menção honrosa ao camisa 10 de 1990 é justa.

O hoje apresentador disse ter feito cerca de 60 gols em cobranças diretas na carreira. Não há registros confiáveis para comprovar a contagem do ex-jogador, mas a projeção do seu aproveitamento a ratifica: dos seus 80 gols pelo Timão, 24 foram de falta. Na teoria, por volta de 60 de seus 220 gols na carreira foram dessa maneira.

Diego Maradona

Diego Maradona na Copa do Mundo de 1982

Diego Maradona, além de tudo, era um exímio batedor de faltas. Do tipo que pegava a bola no braço em onde quer que ela parasse. Cobrando direto ou alçando-a na área, não importava, Dieguito a colocava onde queria.

Nas cobranças diretas, tinha uma faixa específica — a próxima à meia lua — e uma predileção por bolas pela direita. Ainda assim, era grande seu arsenal de chutes. Bolas leves, rápidas, de surpresa, no contrapé do goleiro, enfim, com a naturalidade que só ele tinha com a redonda.

Anotou 62 gols de falta na carreira e ainda literalmente ensinou Lionel Messi suas técnicas. O pupilo é hoje um dos principais batedores de falta da atualidade.

Ronaldinho Gaúcho (6º)

Ronaldinho Gaúcho, ex-jogador de futebol
Ronaldinho foi decisivo na conquista do penta do Brasil em 2002

Seguimos a nossa lista com, ora, um seguidor de Maradona. Ronaldinho Gaúcho foi outro showman com a bola nos pés. E um criador com a bola parada.

As características do brasileiro nas faltas são muito similares as dos argentino. Versatilidade entre bolas alçadas e diretas, predição por uma posição para fazer gols — máximo de cinco passos da área, pela esquerda — e um infinito arsenal de chutes.

O “Bruxo” também foi a inspiração de outro craque atual: Neymar. E sai na frente por ter mais gols (66) e um leque um pouco maior de distâncias. Vide o antológico gol contra a Inglaterra, na Copa do Mundo de 2002.

Vá além do futebol:

Marcos Assunção (5º)

Marcos Assunção se prepara para bater falta pelo Palmeiras
(Fernando Donasci/UOL)

De distância, esse rapaz aqui entende. É seguro estimar que Marcos Assunção seja quem mais fez gols em faltas de longa distância, apesar de não termos os números para confirmar.

Esses, aliás, são um problema: sua assessoria conta 124 gols de falta (em todas as distâncias) enquanto os registros totais de seus gols mau chegam em 120.

Outro número oficial encontrado foi o de 72 gols em cobranças diretas. O que já o coloca como o único desta lista com mais tentos de bolas paradas do que com ela rolando.

Assunção só não está mais a frente na lista por curiosamente não ter grande eficiência nas bolas curtas. O resto ela fazia com uma precisão quase robótica.

Pelé (4º)

Pelé em atuação na escócia
(Reprodução/Daily Record)

Chega até ser engraçado como, numa rápida pesquisa pelos conteúdos futebolísticos, a presença de Pelé entre os maiores batedores de falta do mundo não seja unânime.

O Rei tem nada menos que 70 gols em cobranças diretas. Está no Top 5 da artilharia mundial no quesito.

Pelé de fato não era uma especialista, pelo menos não no sentido tradicional da coisa. Não se preparava de maneira especial nem direcionava a estratégia do time para suas temidas cobranças. Também não era daqueles que pegava todas as bolas para bater.

Ai que está. Apesar de tudo isso, fez essa enormidade de gols de falta. Quase todas mais perto da área, mas em ângulos e maneiras diversas. Um Rei que ditou as próprias regras nas bolas paradas.

David Beckham (3º)

melhores meias da inglaterra david beckham

No auge dos Galáticos do Real Madrid, David Beckham era um dos mais discutidos jogadores. Seu enorme engajamento midiático gerava discussões sobre sua qualidade em meio à craques como Ronaldo e Zidane. Só um aspecto não era debatido: sua bola parada.

Um doutor nas cobranças de falta, o inglês conseguia executar sua plástica batida independente de distância, posição ou ângulo. As curvas que faziam suas bolas inspiraram até um filme hollywoodiano.

Cobrando faltas, Beckham fez 65 gols na carreira, além de uma enormidade de assistências. Tem uma coleção de batidas antológicas por Real Manchester United e Seleção Inglesa. E a terceira posição na nossa lista dos maiores batedores de falta do mundo.

Zico (2º)

Zico maiores artilheiros da história da seleção brasileira
Zico é o terceiro maior artilheiro da história da Seleção Brasileira

Os mais antigos e, bom, basicamente todos os flamenguistas ficarão surpresos em ver Zico “tão cedo” nessa lista. Largamente considerado o melhor batedor de falta da história, o Camisa 10 da Gávea inspirou músicas e medo nos goleiros.

O senso comum nos seus anos de Fla era que falta na entrada da área era mais certeza de gol do que um pênalti. Dali, anotou simplesmente 101 gols na carreira, mais de 60 pelo rubro-negro carioca.

Só restou ao pobre redator deste texto usar o argumento de uma suposta falta de versatilidade na distâncias de suas batidas para deixá-lo em segundo. Até porque o Galinho era nota 10 em técnica e variedade de batidas.

Juninho Pernambucano (1º)

Juninho Pernambucano durante cobrança de falta

Ao mesmo tempo que é dificílimo deixar Zico com segundo colocado, é fácil considerar Juninho Pernambucano como o melhor batedor de falta do mundo.

Versatilidade de ângulos e distâncias, variedade de batidas, bolas decisivas — como o “Monumental” gol contra o River Plate, em 1998 — legado histórico, o Reizinho da Colina era o pacote completo nas bolas paradas.

Ainda que Juninho fosse um craque com a bola rolando, com ela parada foi capaz de impactar na história do futebol europeu. Liderou, afinal de contas o heptacampeonato do Lyon e revolucionou o que se entende de cobrança de falta.

Sua técnica — que tinha um quê de talento, outro de treino e mais outro de conhecimento teórico — gerou 77 gols e incontáveis assistências. E criou um legado que deve perdurar no futebol mundial.

As batidas de Juninho Pernambucano inspiraram direta e indiretamente uma série de bons batedores de falta, como Pirlo, Pjanic, Gareth Bale, Griezmann. Ainda que tenha se aposentado faz um certo tempo, deveremos ver os reflexos de seus chutes secos, retos e precisos por um bom tempo.

Se você lembra de alguém ou discorda da nossa lista, aproveite o espaço dos comentários para deixar sua opinião!

Aproveite também para conferir outras listas do esporte mais popular do mundo:

*Última atualização em 13 de dezembro de 2020

Salvar