Relembre a história de Maradona: todos os times e títulos, quantos gols fez, as Copas pela Argentina, prêmios, filmes, séries e livros

Irreverente, craque, polêmico… Maradona certamente tem de tudo isso, um pouco.

Um dos maiores jogadores da história, inclusive considerado por muitos o melhor, Maradona deixou um legado que dificilmente será superado.

O gênio da camisa 10 colocou o Napoli no mapa dos grandes clubes da Itália e ainda liderou a Argentina para a conquista de uma inesperada Copa do Mundo.

Até hoje, o debate permanece: Maradona foi maior do que Pelé?

Bom, pelo menos para os torcedores argentinos, essa resposta é obvia. A idolatria e a identificação de Maradona com os “hermanos” talvez seja inigualável.

Se você quer conhecer como foi a trajetória do maior ídolo argentino, além das principais polêmicas, clubes em que ele atuou e como foi a conquista da Copa de 1986, aqui é o lugar certo! 

O que você vai conferir neste post:

Quem é Maradona?

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Diego Armando Maradona Franco, ou apenas Maradona, foi um dos maiores jogadores da história do futebol sul-americano e mundial.

Nascido em Lanús, uma província de Buenos Aires, na Argentina, em 30 de outubro de 1960, Maradona é reconhecido por muitos, principalmente os argentinos, como o maior jogador de futebol de todos os tempos.

Com uma infância pobre, morando em favelas da Argentina, Diego viu sua vida mudar graças ao seu talento com a bola. 

Mesmo baixinho e, por vezes, acima do peso, Maradona possuía habilidade e controle de bola com sua perna esquerda como nenhum outro jogador.

Com uma carreira cercada de polêmicas extra-campo, principalmente pelo seu envolvimento com as drogas, o craque também foi extremamente vitorioso e individualmente incomparável.

Destacando-se por onde passou, seja no futebol argentino ou no europeu, Maradona viveu momentos que ficaram marcados na história do futebol, principalmente defendendo a camisa da Seleção Argentina.

O craque conduziu os “hermanos” à conquista de uma Copa do Mundo de 1986 e ao vice-campeonato em 1990.

Como Maradona começou no futebol?

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Diego Maradona começou no futebol de forma curiosa e ainda muito jovem. Um amigo foi aprovado em um teste no Argentinos Juniors, clube da cidade de Buenos Aires, e convenceu o técnico do time que conhecia alguém com talento incomparável.

O treinador foi então acompanhar o menino Maradona, com apenas 9 anos de idade, para ver se realmente ele era isso tudo que havia sido apresentado pelo colega, e não se arrependeu.

O garoto se diferenciava de todas as crianças da sua idade. Já com uma canhota impressionante, demonstrava toda sua categoria nos passes, lançamentos, dribles e finalizações.

Ainda com 9 anos, Maradona foi levado para as categorias de base do Argentinos Juniors e não demorou muito para que tivesse sua primeira oportunidade entre os profissionais. 

O craque argentino fez sua estreia no clube da capital com apenas 15 anos, em 1976, e ali começava a carreira de um dos grandes astros da história do futebol.

Início de Maradona no Argentinos Juniors

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Mesmo muito jovem, Maradona se adaptou rapidamente ao ritmo do futebol profissional e destoava completamente de seus companheiros. A qualidade do meia argentino era muito superior à dos outros jogadores do clube, o que atrapalhava o crescimento coletivo do craque.

Ele permaneceu na equipe de Buenos Aires até 1981, quando decidiu procurar um clube de maior expressão, que pudesse dar a ele a oportunidade de conquistar seu primeiro título como jogador.

Com a camisa do Argentinos Juniors, Maradona obteve números impressionantes. Em 166 jogos oficiais, o meia marcou 116 gols. 

O clube, que não vivia seus melhores momentos financeiros, precisou vender o craque. Além disso, Maradona buscava um clube do seu tamanho.

O River Plate surgiu como principal interessado no jogador, em 1981, e tinha quase tudo acertado com o atleta. Mas, o atleta escolheu o principal rival dos “milionários”, o Boca Juniors.

Primeira passagem de Maradona pelo Boca Juniors

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Em 1981, com apenas 20 anos de idade, Maradona foi jogar no Boca Juniors. Três anos antes, o clube havia se sagrado bicampeão da Libertadores, mas também passava por problemas financeiros.

O acordo feito entre Boca Juniors e Argentinos Juniors não foi muito caro para o clube xeneize e, certamente, rendeu frutos não só dentro de campo, mas também fora dele.

A sua estreia oficial com a camisa azul e amarela foi diante do Talleres de Córdoba, pela disputa do Campeonato Metropolitano — o Campeonato Argentino era dividido em Metropolitano e Nacional.

Naquela oportunidade, diante de 65 mil espectadores, em La Bombonera, Maradona marcou duas vezes e comandou a equipe para o triunfo de 4 a 1.

Na temporada de 1981, o craque, que já era uma realidade, foi o grande destaque do time xeneize na conquista do troféu metropolitano. 

As grandes atuações, o estilo inconfundível, o carisma e também as confusões em que Maradona se envolveu dentro de campo começaram a moldar o grande personagem que ele se tornaria. 

Apesar de ficar apenas uma temporada em La Bombonera, Diego Maradona tornou o Boca ainda mais conhecido e grandioso. 

Sua última atuação oficial pelo clube foi diante do Vélez Sarsfield, no primeiro jogo das quartas de final do campeonato nacional.

Em um jogo confuso, em que ambos os times terminaram a partida com 9 jogadores em campo, Maradona foi um dos expulsos e acabou sendo suspenso pela AFA (Associação de Futebol Argentino).

Após a punição, o craque não conseguiu disputar o jogo da volta e o Boca acabou sendo eliminado.

Pouco antes da convocação para a Copa de 1982, Maradona se despedia do seu clube de coração e ia rumo à Espanha, jogar pelo Barcelona. 

Como foi a passagem de Maradona pelo Barcelona

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Foi com a camisa grená do Barcelona que as primeiras polêmicas da carreira de Maradona começaram a surgir.

O craque chegou cercado de expectativas, tido como uma das grandes promessas do futebol mundial. Com apenas 22 anos, Maradona era a principal contratação do clube e a esperança de dias melhores para a agremiação catalã.

Apesar do talento indiscutível e da capacidade de que ele tinha para conduzir o Barcelona para novos caminhos, a passagem de Maradona pela Espanha foi bastante conturbada.

Na sua primeira temporada, acabou sofrendo com problemas de saúde que prejudicaram o seu rendimento. Em dezembro de 1982, o argentino passou a sofrer com a hepatite e teve que ficar fora dos gramados por três meses.

Apesar da demora para voltar a atuar, o talento de Maradona foi o suficiente para conduzir o Barcelona para o título da Copa do Rei da Espanha, vencendo o Real Madrid na final por 2 a 1, dois gols do craque argentino, momento que foi reconhecido pela torcida presente no Santiago Bernabéu, que aplaudiu de pé “Dieguito”. 

A segunda temporada do craque no Barcelona, em 1983, tinha como grande foco a conquista do Campeonato Espanhol, que os catalães não conquistavam desde a temporada 1973-1974.

Porém, as expectativas começaram a ser frustradas logo no início da temporada. Diante do Athletic Bilbao, o meia argentino sofreu uma entrada duríssima e acabou fraturando o tornozelo de sua canhota. Com isso, Maradona teve de ficar de fora por mais de três meses.

Depois de sua volta, o camisa 10 conseguiu conduzir o Barcelona para a disputa do título do Campeonato Espanhol, mas a taça escapou por apenas um ponto, e o próprio Athletic de Bilbao consagrou-se campeão.

O Barcelona ainda disputou a final da Copa do Rei, diante do mesmo Athletic. Após uma derrota por 1 a 0, que dava o título para a equipe basca, Maradona acabou se revoltando e iniciou uma briga generalizada entre os jogadores da equipe.

 

A revolta e, consequentemente, a pancadaria renderam uma punição de três meses para o argentino, que decretou o fim do ciclo de Maradona no Barcelona.

A diretoria, que já tinha uma relação desgastada com o meia, não se esforçou para defendê-lo nos tribunais e facilitou sua saída.

O Napoli surgiu como principal interessado, e Maradona aceitou ser transferido para a Itália. 

Bom, nem precisamos dizer que essa primeira grande polêmica de Maradona acabou sendo histórica, tanto para o craque, como para a equipe de Nápoles. 

O sucesso de Maradona no Napoli 

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Maradona chegou ao Napoli em 1984, de helicóptero, após uma passagem de dois anos conturbados no Barcelona.

Venerado e idolatrado mesmo antes de atuar, o craque era tido como a principal contratação da história do clube, que na época nunca havia conquistado títulos de expressão, como o Campeonato Italiano.

O “baixinho e gordinho” chegou a equipe italiana para mudar os rumos de sua carreira, conseguir quitar algumas de suas dívidas e se consolidar como a estrela que todos apontavam que ele era. 

Muitos não entendiam o porquê da escolha de Maradona em defender o Napoli, que não era um time expressivo, visto que outros grandes clubes tinham interesse no jogador.

Detalhes à parte, Diego Maradona fez sua temporada de estreia já demonstrando que os próximos anos seriam diferentes para a equipe napolitana e que grandes conquistas estavam a caminho.

Apesar da modesta oitava colocação, o Napoli terminou o Campeonato Italiano de 1984-1985 apenas 10 pontos atrás do campeão Verona.

Na segunda temporada, em 1985-1986, o argentino conduziu a equipe para o terceiro lugar da competição, o que demonstrava uma clara evolução do clube com o craque em campo.

Temporada 1986-1987: o primeiro título do Italiano de Maradona

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Foi nos anos de 1986 e 1987 que Maradona virou destaque em todo o mundo, não apenas pelo Napoli e também não somente dentro de campo.

Em 1986, o craque disputou sua segunda Copa do Mundo pela Seleção Argentina, e apresentou uma das maiores atuações individuais de um jogador em toda a história do torneio. Maradona conduziu a Seleção albiceleste para o segundo título da principal competição de seleções do mundo.

Após a conquista com a Seleção, Diego voltou o foco para a temporada 1986-1987, com a camisa do Napoli, o que seria a primeira grande época do argentino na Itália.

Mas, o começo da temporada foi bastante conturbado. Em setembro, logo no início da competição do Campeonato Italiano, a ex-empregada doméstica de Maradona denunciou na mídia italiana que o craque era pai de seu filho, fruto de uma relação extraconjugal dele.

Os jornais estampavam a declaração de Cristina Sinagra, mas, apesar disso, Maradona não admitiu na época que as denúncias eram verídicas. 

O craque assumiu a paternidade do filho, Diego Maradona Jr., apenas quando ele tinha 29 anos, em 2016. Os dois se encontraram e passaram a ter uma relação mais próxima, diminuindo essa polêmica que durou quase metade de sua vida. 

Com Maradona no auge da sua forma, aos 26 anos, o Napoli conseguiu, enfim, conquistar pela primeira vez o Campeonato Italiano, ficando três pontos à frente da poderosa Juventus.

Ainda na mesma temporada, o Napoli conquistou a Copa da Itália, vencendo a Atalanta nos dois confrontos da finalíssima.

Temporada 1987-1988: início da parceria entre Maradona e Careca

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Em 1987, o Napoli contratou Careca, principal atacante do Brasil na época. O craque paulista, que havia sido campeão do Campeonato Brasileiro pelo São Paulo, em 1986, demonstrou explicitamente seu desejo de jogar ao lado de Maradona, e o Napoli encontrou nele uma ótima oportunidade.

A equipe não obteve o mesmo sucesso da temporada anterior, mas a dupla Maradona e Careca se mostrou bastante afiada. 

O título do Campeonato Italiano ficou com o Milan de Van Basten, que terminou a competição três pontos à frente do Napoli. Porém, Maradona se consagrou artilheiro do torneio com 15 gols marcados, enquanto Careca foi o vice-artilheiro com 13 gols.

Na principal competição da Europa, a então Copa dos Campeões da Uefa, a equipe decepcionou e acabou sendo eliminada pelo Real Madrid no começo do torneio. 

Temporada 1988-1989: o título europeu de Maradona

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Com os resultados da temporada anterior, o Napoli de Maradona se classificou para a Copa da Uefa, segundo torneio mais importante da Europa. Era a chance de conquistar um título que o Napoli ainda não tinha em sua galeria.

No Campeonato Italiano, a equipe do argentino perseguiu até o final a Internazionale de Milão, mas acabou terminando na segunda colocação.

O consolo veio justamente na tão sonhada Copa da Uefa. Careca e Maradona comandaram o esquadrão de Nápoles para o título, conquistado em cima do Stuttgart em uma disputa de jogos de ida e volta.

Na ida, ambos os craques deixam sua marca, e o Napoli venceu por 2 a 1. No jogo da volta, bastava apenas o empate, mas o título veio de forma dramática.

 

Após o Napoli estar vencendo por 3 a 1 na casa dos alemães, o Stuttgart de Jurgen Klinsmann buscou o empate, mas não foi o suficiente. O jogo terminou 3 a 3, e o Napoli de Maradona conquistou o primeiro título europeu de sua história.

Temporada 1989-1990: o segundo scudetto de Maradona no Napoli

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Após transformar o Napoli em uma potência do momento, e de ter conquistado também o título da Copa do Mundo de 1986, Maradona vivia seu auge na penúltima temporada com a camisa do time italiano.

As grandes atuações do craque, aliadas novamente ao faro de artilheiro de Careca, foram o suficiente para a conquista de mais um título do Campeonato Italiano, com o Napoli terminando a competição dois pontos à frente do Milan.

Com mais essa conquista, e mais uma temporada em alto nível, Maradona se credenciou para comandar mais uma vez a Argentina na Copa do Mundo de 1990, em busca do bicampeonato consecutivo.

A idolatria de Maradona era tão grande e significativa em Nápoles que o meia chegou a pedir, publicamente, para que os torcedores da cidade torcessem para ele e pela Argentina na Copa que aconteceria no próprio país italiano.

Temporada 1990-1991: o fim da trajetória de Maradona no Napoli

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

A última temporada de Maradona com a camisa do Napoli foi a mais difícil e polêmica.

O craque, que havia conduzido a Argentina para o vice-campeonato da Copa de 90, seguia tentando mostrar o seu talento para todo o mundo.

Porém, os problemas extra-campo falaram mais alto. Dentro das quatro linhas, o craque não conseguiu novamente conduzir o time para a conquista da Copa dos Campeões da Europa, e o Napoli acabou sendo eliminado precocemente pelo Spartak Moscou.

Em março, no meio da temporada, veio o pior baque da carreira de Maradona, e a mais expressiva polêmica que envolvia o argentino. 

No dia 17 daquele mês, Maradona foi sorteado para o exame antidoping, após uma partida contra o Bari pelo Campeonato Italiano. A notícia do resultado comprovou o que muitos já suspeitavam: Maradona testou positivo para cocaína.

Quase um mês depois, mais uma polêmica, e a relação com o Napoli estava praticamente esgotada. A polícia local tinha provas concretas de que Dieguito havia se envolvido com a Camorra, uma das principais máfias italianas. 

Com os exames e as provas obtidas sobre o envolvimento do jogador com a máfia do país, Maradona chegou a ter a prisão pedida pelas autoridades, mas acabou pagando apenas uma multa e evitando o cárcere italiano.

Apesar de não ser preso no país, Maradona acabou recebendo a punição de 15 meses pela FIFA, e não poderia atuar durante esse período. 

Com problemas relacionados à depressão, Maradona voltou para a Argentina e o consumo de cocaína não diminuiu.

Pouco tempo depois de voltar para seu país, Dieguito foi preso com porte excessivo da droga, após uma elaborada operação da polícia local.

O fim melancólico de Maradona no Napoli certamente não apagou tudo o que ele fez pelo clube. O craque transformou a instituição, levando o Napoli para a conquista dos títulos mais importantes de sua história.

Com a camisa napolitana, Maradona disputou 259 jogos e marcou 115 gols, sendo o terceiro maior artilheiro da história do clube italiano. 

Não fique apenas no futebol! Veja grandes histórias de outros esportes:

Como foi o retorno de Maradona após punição por doping

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Impedido de jogar após a punição imposta pela FIFA, e cercado de polêmicas relacionados ao uso de cocaína, Maradona já não tinha mais clima para permanecer na Itália.

Após um longo processo de conversas e tratativas, seguidas de diversas brecadas do presidente, Maradona conseguiu se desligar do Napoli apenas após uma intervenção na FIFA, entidade máxima do futebol. 

Depois de rescindir com a equipe italiana, Maradona acertou seu retorno para a Espanha, dessa vez para atuar pelo Sevilla. 

Sua trajetória no Sevilla, porém, não dura muito, e o meia permaneceu na Espanha apenas para disputar a temporada de 1992-1993.

Brigas com o técnico, problemas com seu peso e polêmicas que envolviam inclusive a suspeita de que o clube teria contratado detetives para seguir o meia argentino, fizeram com que Maradona deixasse o clube ao fim da temporada.

O craque voltou então para a Argentina, para jogar pelo Newell ‘s Old Boys. Uma sequência de lesões e problemas com seu físico fizeram com que a passagem durasse pouco tempo, e o meia atuou apenas 5 jogos com a camisa preta e vermelha do time de Rosario.

Nova punição e volta de Maradona para o Boca Juniors

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Após a passagem pelo Newell’s, muitos davam como encerrada a carreira de Maradona, em 1993. O meia então contratou um fisiculturista para treiná-lo, a ponto de ele conseguir jogar a Copa do Mundo de 1994. 

Maradona conseguiu entrar em forma de maneira milagrosa, perdendo quase 10 kg em pouquíssimo tempo. 

O resultado do “milagre” de Dieguito foi descoberto durante a Copa de 1994, em que Maradona iniciou o torneio com excelentes atuações e com fôlego bastante invejável.

Após mais um exame antidoping, Maradona testou positivo para efedrina, um remédio para emagrecimento, mas que também servia como estimulante.

A substância, que era proibida, determinou o fim da Copa do Mundo para Maradona, que teve que ser desligado para que a Argentina não fosse eliminada.

Muitos, inclusive o próprio craque, suspeitaram e ainda suspeitam de que a utilização da substância e a punição de mais 15 meses recebida pela FIFA foram frutos de uma conspiração contra o meia.

Maradona já afirmou que aquele foi o momento mais triste de sua carreira, pois se sentiu injustiçado. 

Durante o período de punição, Maradona se aventurou em seus primeiros trabalhos como técnico de futebol, comandando inclusive o Racing, tradicional clube argentino.

Após o fim da punição, Maradona acertou sua volta ao Boca Juniors, onde viveria seus últimos momentos como jogador profissional.

Como foi a aposentadoria de Maradona?

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

De volta ao seu clube de coração, Maradona chegou ao Boca Juniors em 1995, juntamente de seu amigo Caniggia, parceiro marcante na Copa do Mundo de 1990.

Já com 35 anos, com o físico bastante “danificado”, tanto pelos problemas com o seu peso, mas principalmente pelo excessivo consumo de drogas ao longo da carreira, Maradona já não conseguia atuar em muitas partidas em sequência.

O meia permaneceu em La Bombonera até 1997, quando decidiu se aposentar. Após rumores que o craque teria testado positivo novamente no exame antidoping, e polêmicas envolvendo notícias falsas do falecimento de seu próprio pai, Maradona decidiu que era hora de parar.

Sua despedida foi justamente diante do maior rival do clube xeneize, o River Plate. Maradona atuou apenas o primeiro tempo, sendo substituído no intervalo, quando o River vencia por 1 a 0

 

Os 45 minutos iniciais do superclássico argentino, no dia 25 de outubro de 1997, foram os últimos momentos de Maradona como jogador oficial.

Após a partida, e os rumores que envolviam o craque e sua família, Maradona anunciou que aquela havia sido sua despedida dos gramados. 

Em quais times Maradona jogou?

Ao todo, Maradona atuou em 6 clubes durante sua carreira. Além de duas passagens pelo Boca Juniors, o craque argentino jogou por Argentinos Juniors, Barcelona, Napoli, Sevilla e Newell’s Old Boys. Foram 588 jogos disputados, entre 1976 e 1997, ao longo de 21 anos de carreira.

Times de Maradona como jogador

Período Times Jogos
1976–1981 Argentinos Juniors 166
1981–1982 Boca Juniors 40
1982–1984 Barcelona 59
1984–1991 Napoli 259
1992–1993 Sevilla 29
1993–1994 Newell’s Old Boys 5
1995–1997 Boca Juniors 31

Quantos títulos Maradona conquistou?

Em toda a sua carreira, Maradona conquistou 12 títulos. O principal deles foi a Copa do Mundo de 1986, pela Argentina.

Ainda com a camisa da seleção de seu país, o craque foi campeão Mundial sub-19, em 1979, e venceu a Copa Artemio Franchi, torneio oficial disputado pelas seleções campeãs da Europa e América, em 1993.

Nos clubes, Maradona só conquistou títulos por Boca Juniors, Barcelona e Napoli. No total, foram 9 campeonatos vencidos, com maior destaque na passagem pelo Napoli, onde foi bicampeão do Campeonato Italiano e vencedor da Copa da Uefa, atual Liga Europa.

Todos os títulos de Maradona como jogador

  • Mundial sub-19 pela Argentina: 1979
  • Campeonato Argentino pelo Boca Juniors: Metropolitano 1981
  • Copa do Rei pelo Barcelona: 1983
  • Copa da Liga Espanhola pelo Barcelona: 1983
  • Supercopa da Espanha pelo Barcelona: 1983
  • Copa do Mundo pela Argentina: 1986
  • Copa da UEFA pelo Napoli: 1989
  • Campeonato Italiano pelo Napoli: 1987, 1990
  • Copa da Itália pelo Napoli: 1987
  • Supercopa da Itália pelo Napoli: 1990
  • Copa Artemio Franchi pela Argentina: 1993

História de Maradona na Seleção Argentina

Diego Maradona, ex-jogador de futebolFoi com a camisa da Seleção Argentina que Maradona viveu seus maiores momentos de glória como jogador de futebol e também o mais triste, segundo ele próprio.

Sua estreia com a camisa da Seleção albiceleste aconteceu em 1977, em um amistoso contra a Seleção da Hungria. Já sua última partida oficial ocorreu durante a Copa do Mundo de 1994.

Pela seleção, disputou 91 jogos oficiais e marcou 34 gols. 

Quantas Copas do Mundo Maradona disputou?

Durante a sua carreira na Seleção, Maradona disputou 4 Copas do Mundo: 1982, 1986, 1990 e 1994.

Até a Copa de 1998, em que o meia não atuou, Maradona era o jogador com maior número de aparições em jogos pela Copa do Mundo, superado naquele torneio pelo alemão Lothar Matthaus.

Quantas Copas do Mundo Maradona conquistou?

Maradona foi campeão da Copa do Mundo apenas uma vez, em 1986. O título conquistado naquele torneio foi o segundo da história da Argentina, sendo que o primeiro havia sido ganho em 1978, Mundial para o qual Maradona não foi convocado.

Primeira Copa do Mundo de Maradona, em 1982

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

A estreia de Maradona em Copas do Mundo foi em 1982. Os atuais campeões contavam com o time base de 1978, com craques como Mario Kempes e Daniel Passarela, além do acréscimo do talento de Maradona.

O bicampeonato, porém, não foi conquistado. Maradona sofreu ao longo do torneio com as fortes marcações individuais e as excessivas pancadas que ele recebia.

No último jogo da Seleção Argentina na Copa, diante do Brasil, Maradona acabou sendo inclusive expulso, se despedindo do torneio já nos vestiários.

Conquista de Maradona na Copa do Mundo de 1986

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Um dos anos mais marcantes da carreira de Maradona dentro de campo foi, certamente, em 1986. O craque, que buscava a consolidação com a camisa do Napoli, foi convocado para a disputa da Copa do Mundo que aconteceria no México.

A seleção, que já não contava com os grandes campeões de 1978, chegava desacreditada, e muitos, inclusive, questionavam a convocação de Maradona por Bilardo, ainda mais com o camisa 10 usando a faixa de capitão. 

O craque tinha 26 anos e buscava mostrar que seu talento também poderia ser decisivo. Inspirado e com atuações espetaculares, Maradona não decepcionou.

Foi o grande responsável por levar a Argentina até as quartas de finais, principalmente após uma grande atuação diante do Uruguai, nas oitavas.

Nas quartas, protagonizou um dos maiores momentos de toda a história da Copa do Mundo. Em um lance desordenado, após um bicão do defensor, a bola acabou pingando na área, e se oferecendo para disputa entre Maradona e o goleiro inglês Peter Shilton.

Maradona, com toda a sua malandragem e sem nenhuma vergonha, pulou para disputar a bola, e com um leve “soquinho” com a mão, venceu o arqueiro da Inglaterra. 

O lance, que inaugurou o marcador da partida, ficou marcado na história, e Maradona será sempre lembrado por esse momento como “La mano de Dios”.

 

O confronto ainda seria marcado por mais um lance envolvendo Dieguito. E que lance! 

Quando a Argentina vencia por 1 a 0, Maradona recebeu a bola ainda antes da linha do do meio de campo, e arrancou até a área de Peter Shilton, passando por todos que estivessem em seu caminho, até balançar as redes.

O gol, que decretou a classificação da Seleção Argentina, foi considerado como o “gol do século”, e é até os dias atuais considerado o gol mais bonito de todas as Copas. 

 

Na semifinal, diante da Bélgica, mais uma atuação primorosa de Maradona. Com lances geniais, e dois golaços anotados, o camisa 10 argentino comandou a seleção rumo à final da Copa, vencendo os belgas pelo placar de 2 a 0.

Na final, confronto contra a Seleção da Alemanha Ocidental. Comandados pelo camisa 8, Lothar Matthaus, um dos maiores meias da história alemã, a Alemanha se destacava pelo forte conjunto, mas não tinha o talento individual de um craque como Maradona.

O confronto foi bastante equilibrado. A Argentina chegou a abrir 2 a 0 no placar, mas cedeu o empate.

Foi então que, quase no fim do jogo, aos 84 minutos, Maradona desferiu um de seus passes geniais, encontrando livre o atacante Burruchaga, que só teve o trabalho de tirar do goleiro alemão.

 

Com o gol marcado já no finalzinho do jogo, a Argentina conquistou seu bicampeonato.

A atuação de Maradona naquela Copa, conduzindo basicamente sozinho a equipe ao título, é tida como um dos maiores desempenhos individuais de um jogador em toda a história das Copas do Mundo. 

Vice-campeonato da Argentina na Copa de 1990

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

Convocado novamente para a Copa do Mundo, agora em 1990 na Itália, Maradona vivia um momento excepcional no Napoli e era o principal nome do futebol mundial no momento, consequentemente o grande jogador da Argentina na competição.

Mesmo com problemas físicos desde o início da Copa, mas com uma grande parceria com Caniggia, Maradona conseguiu conduzir novamente a Seleção Albiceleste para a final do torneio.

No último jogo, novamente diante da Alemanha, a Argentina não conseguiu o mesmo feito de quatro anos antes, e perdeu por 1 a 0. 

Apesar das boas atuações individuais de Maradona e Caniggia, a Argentina chegou até a final com uma campanha fraquíssima, vencendo apenas 2 vezes e marcando 5 gols, pior ataque da história de uma seleção que disputou a finalíssima. 

O doping de Maradona na Copa de 1994

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

A Copa do Mundo de 1994 marcou os últimos momentos de Maradona com a camisa da Seleção Argentina.

Maradona, que vinha de temporadas problemáticas fisicamente e se apresentando acima do peso, fez um enorme esforço para entrar em forma a tempo da disputa da copa.

O esforço, porém, foi em vão. Logo no início da competição, Maradona foi pego no exame antidoping pela segunda vez na sua carreira, dessa vez pelo uso de efedrina, substância que ajuda no emagrecimento, mas atua também como estimulante.

O exame foi determinante para que Maradona fosse obrigado a abandonar a Copa, evitando assim que a Seleção fosse desclassificada.

A Argentina havia renovado seus jogadores e contava com a presença de grandes estrelas como Batistuta, Redondo, Ruggeri e Simeoni. Mas, com o abatimento devido ao exame de Maradona, a seleção acabou sendo eliminada nas oitavas de final, diante da Romênia, com o placar de 3 a 2.

Quantos gols Maradona fez na carreira?

Maradona marcou 346 gols em 680 jogos como jogador profissional de futebol. Pela Seleção Argentina, o camisa 10 balançou as redes 34 vezes em 94 partidas. Por clubes, foram mais 312 gols, sendo o Argentinos Juniors o time pelo qual ele fez mais gols, com 116, um a mais que no Napoli.

Gols de Maradona por clubes e pela Seleção

  • Argentinos Juniors: 116 gols em 166 jogos
  • Boca Juniors: 35 gols em 71 jogos (em duas passagens)
  • Barcelona: 38 gols em 59 jogos
  • Napoli: 115 gols em 259 jogos
  • Sevilla: 8 gols em 29 jogos
  • Newell’s Old Boys: nenhum gol em 5 jogos
  • Seleção Argentina: 34 gols em 90 jogos

Times que Maradona treinou

Ainda enquanto era jogador profissional, Maradona deus seus primeiros comandos como técnico de futebol. Enquanto esperava o fim de sua punição, em 1994, Maradona se arriscou na área técnica, passando por dois clubes durante esse período.

Quando se aposentou, Maradona voltou a tentar a sorte como treinador, e segue continua atuando na área.

Confira os clubes que Maradona já treinou em sua carreira:

  • Textil Mandiyú, 1994
  • Racing, 1995
  • Seleção Argentina, 2008-2010
  • Al Wasl, 2011-2012
  • Al-Fujairah, 2017-2018
  • Dorados de Sinaloa, 2018-2019
  • Gimnasia y Esgrima, 2019-

Premiações individuais mais relevantes de Maradona

  • FIFA 100: 2004
  • Bola de Ouro da Copa do Mundo da FIFA: 1986
  • All-Star Team da Copa do Mundo da FIFA: 1986, 1990
  • Melhor Jogador do Mundo eleito pela World Soccer: 1986
  • Onze d’Or: 1986, 1987
  • Guerin d’Oro: 1985
  • Melhor Jogador Sulamericano do ano eleito pelo jornal El Mundo: 1979, 1980
  • Melhor Jogador do Mundial Sub-20: 1979
  • Melhor Jogador Argentino do Ano pela Associação de Jornalistas da Argentina: 1979, 1980, 1981, 1986
  • Melhor Jogador do Século XX da FIFA (votos de internautas): 2000
  • 2º Maior jogador Sulamericano do século XX pela IFFHS: 1999
  • 2º Maior jogador do século XX pela revista – France football: 1999
  • Time dos Sonhos da FIFA: 2002
  • The Times – maior jogador da história das Copas do Mundo: 2010
  • La Gazzetta dello Sport – Melhor Jogador de Todos os Tempos: 2012
  • Corriere dello Sport – Melhor Desportista da História: 2012
  • Melhor Jogador da História pela revista “Four Four Two”: 2017 
  • Melhor jogador das Copas do Mundo pela revista “Four Four Two”: 2018

Biografia do Maradona

  • Nome completo: Diego Armando Maradona
  • Data de nascimento: 30 de outubro de 1960
  • Local de nascimento: Lanús, Província de Buenos Aires, Argentina
  • Altura: 1,65 m
  • Pé: canhoto

Principais filmes e documentários sobre Maradona

  • Amando a Maradona
  • Maradona, la mano di Dio
  • Maradona by Kusturica
  • Diego Maradona

Amando a Maradona

Lançado em 2005, o filme “Amando a Maradona” foi criado para tentar explicar a paixão dos torcedores em relação ao craque. Mostrando momentos dos torcedores idolatrando Dieguito, o documentário também traz relatos do próprio jogador, que avalia essa paixão incontrolável dos torcedores em relação a ele mesmo. 

 

Maradona, la mano di Dio

Lançado em 2007, o filme que referencia em seu nome o lance icônico na copa de 1986, é uma cinebiografia. Maradona é interpretado pelo ator italiano Marco Leonardi, e durante o filme, as histórias que cercam a vida do craque até meados de 2000, são exploradas em torno de 113 minutos.

 

Maradona by Kusturica

Não importa se você acha que Maradona foi melhor do que Pelé ou se prefere o brasileiro, este documentário é imperdível para qualquer fã de futebol!

Emir Kusturica teve acesso ilimitado à vida de Diego Armando Maradona. O documentário conta sua história desde a infância pobre na Argentina até o estrelado no futebol, sem deixar de lado a dependência de drogas do gênio argentino.

 

Diego Maradona

No mesmo estilo que relata a vida de Ayrton Senna e Amy Winehouse, o diretor Asif Kapadia lançou em 2019, com parceria da HBO, um documentário que conta a vida do craque argentino, baseado em mais de 500 horas de gravações do arquivo do próprio jogador.

 

Livros de Maradona

  • “A mão de Deus”
  • “Yo soy el diego”

“A mão de Deus”

Livro sobre Maradona

  • Autor: Diego Armando Maradona
  • Editora: Vogais

“A mão de Deus, a minha verdade, é um livro autobiográfico, escrito pelo próprio jogador com o auxilio da editora Vogais. Lançado em 2016, o livro traz relatos históricos da trajetória do camisa 10, seus desafetos, Copas do Mundo, técnicos importantes e muito mais.

“Yo soy el Diego”

Livro Yo Soy El Diego

  • Autor: Catherine McCafferty
  • Editora: Planeta

O livro, “Yo Soy el Diego”, lançado em 2006, conta mais uma vez as grandes histórias do ídolo argentino, Diego Maradona.

Narrado em primeira pessoa, a obra passa por momentos importantes da vida de Maradona, da sua carreira como atleta, as polêmicas que envolveram o meia e possui relatos importantes do ponto de vista de Maradona a cerca de assuntos diversos.

Série sobre Maradona

Maradona no México (2019)

 

  • Lançamento: 2019
  • Criador: Richard Folley
  • Temporadas: 1
  • Episódios: 7
  • Onde assistir: Netflix

Essa é uma das melhores séries de futebol que você pode ver! Lançada no finzinho de 2019, Maradona no México é uma série documental de sete episódios que ilustra a passagem de Dieguito como treinador de futebol do Dorados de Sinaloa.

O clube mexicano fica localizado em Culiacán, cidade conhecida por abrigar um cartel de drogas, e luta por uma vaga na primeira divisão. Maradona consegue levar o time da última posição da tabela para as primeiras colocações do campeonato. Imperdível!

Agora que você conhece toda a trajetória de Diego Maradona, que tal ficar por dentro da história de outros grandes jogadores? Confira!

*Última atualização em 4 de novembro de 2020

Comentários

Salvar
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin