Saiba TUDO da história do Campeonato Argentino, como funciona a Superliga Argentina, vencedores, goleadores e resultados históricos!

Boca Juniors ou River Plate, quem tem mais títulos do Campeonato Argentino? Quem é o maior artilheiro da Superliga Argentina? Quantas vezes Maradona foi goleador da liga nacional em seu país?

Não se preocupe se você não souber as respostas para todas essas perguntas. Estamos aqui para te ajudar!

Nós vamos te contar todos os detalhes da história do Campeonato Argentino, quem é o maior vencedor, o maior goleador da história e todos os artilheiros, ano a ano, mais curiosidades e recordes.

Venha com a gente!

O que você vai conferir neste post:

Tabela de classificação do Campeonato Argentino 2019/2020

Classificações Sofascore Resultados

Quando e como surgiu o Campeonato Argentino?

O primeiro Campeonato Argentino foi disputado em 1891, mas de forma amadora. Somente em 1934, com a fusão entre as ligas amadoras e a Associação do Futebol Argentino (AFA), o Campeonato Argentino passou a ser disputado de forma profissional — entre 1931 e 1934, houve disputas de ligas nacionais tanto amadoras quanto profissionais.

Ao longo da história, o Campeonato Argentino foi disputado em diversos formatos, havendo, inclusive, temporadas com mais de uma de edição.

Boca Juniors campeão argentino
Boca Juniors é único time a ter disputado todas as edições do Argentino na era profissional

Campeonatos Metropolitanos

Entre 1931 e 1966, a AFA organizava apenas uma edição do Campeonato Argentino por ano. Já a partir de 1967, foi criado também o Campeonato Metropolitano, que, mais tarde, passou a ser reconhecido também como um Campeonato Argentino.

Adoção do calendário europeu

Os Campeonatos Metropolitanos foram extintos somente em 1985, quando a AFA passou a adotar um calendário similar ao utilizado no futebol europeu. 

Assim, o campeonato nacional da Argentina se iniciava no segundo semestre de um ano e era concluído no primeiro semestre do ano seguinte.

Duas edições do Campeonato Argentino por ano

Já no início da década de 1990, a Argentina voltou a ter dois campeões nacionais por ano, com a criação de dois torneios, o Torneio Clausura e o Torneio Apertura. 

Esse formato durou até 2012, quando houve uma mudança de nomenclatura e as disputas passaram a envolver o Torneio Inicial e Torneio Final, com a criação de um duelo entre os dois campeões.

Campeonato de transição e liga com 30 times

No segundo semestre de 2014, foi realizada uma edição de transição do Campeonato Argentino, pois a AFA se preparava para a a criação de uma competição com 30 equipes em 2015.

Porém, o Comitê Executivo da AFA decidiu que o formato do Campeonato Argentino com 30 times não seria definitivo e estabeleceu, a partir da temporada 2016-17, um novo formato de disputa, para reduzir o número de times participantes progressivamente até a liga contar com 22 equipes.

Antes de o calendário europeu ser novamente adotado, houve a disputa de outra edição de transição no Campeonato Argentino em 2016. O torneio de curta duração foi disputado com dois grupos, sendo que os vencedores de cada um deles (San Lorenzo e Lanús) avançaram para jogar a final que consagrou o campeão (o Lanús). 

Criação da Superliga Argentina

A Superliga Argentina foi criada em 2016. Em movimento similar ao que já acontece no futebol europeu, os clubes passaram a organizar o próprio Campeonato Argentino, visando melhores acordos comerciais, especialmente na venda de direitos de TV — no momento da criação da Superliga, o torneio nacional argentino valia metade do Campeonato Brasileiro

Ainda que seja comandada pelos clubes, a Superliga Argentina está sob chancela da AFA, mas tem independência dela para gerir a primeira e a segunda divisões do país. À AFA cabe administrar as divisões inferiores, da terceira em diante (com divisões já regionalizadas), além da Seleção Argentina.

Inicialmente, a Superliga Argentina foi disputada por 30 clubes. O número de times será reduzido de forma gradativa até o chegar a 20 clubes na primeira divisão.

Entenda, a seguir, como funciona o sistema de disputa da Superliga Argentina!

Regras do Campeonato Argentino

Desde que passou a ser comandado pelos próprios clubes, o Campeonato Argentino passou a ser chamado de Superliga Argentina. A competição segue o calendário europeu e começa no segundo semestre de um ano e é encerrada no primeiro semestre do ano seguinte.

A edição 2019-2020 é disputada por 24 equipes e o número de participantes será reduzido gradualmente, até chegar a 20 times, em 2023.

Todos os times da Superliga Argentina jogam entre si uma única vez, num total de 23 rodadas. O campeão argentino é o time que obtiver o maior número de pontos ao final do turno único. Caso haja empate em número de pontos, o primeiro critério de desempate é o saldo de gols. 

Rebaixamento no Campeonato Argentino

River Plate rebaixado no Campeonato Argentino
River Plate foi rebaixado no Campeonato Argentino em 2011

No Campeonato Argentino, o rebaixamento leva em consideração uma média de pontos das últimas três temporadas, incluindo a atual. Também é considerada a pontuação da edição atual da Copa da Superliga Argentina, exceto a final. Esse sistema de rebaixamento argentino é chamado de promedio.

Desde a temporada 2019/2020, são rebaixados os 3 times com a pior média de pontos. Em contrapartida, sobem duas equipes para a Primeira Divisão.

Assim, o número de equipes da Superliga Argentina é reduzido edição a edição, até que, em 2023, permaneçam 20 times na elite do futebol argentino.

Classificação de times argentinos para Libertadores e Sul-Americana

Os quatro primeiros colocados do Campeonato Argentino se classificam para a Copa Libertadores do ano seguinte, enquanto os cinco clubes subsequentes (5º a 9º) garantem vaga na Copa Sul-Americana.

Uma quinta vaga para a Libertadores é dada ao campeão da Copa da Superliga Argentina, torneio que é disputado somente pelos clubes da primeira divisão em formato mata-mata.

Já o vice-campeão da Copa da Superliga se classifica para a Copa Sul-Americana.

Você ama outros esportes além do Futebol? Aqui na Esportelândia também falamos sobre:

Quem é o maior campeão do Campeonato Argentino?

River Plate maior campeão da história do Campeonato Argentino
River Plate é o maior campeão da história do Campeonato Argentino

O maior vencedor da história do Campeonato Argentino é o River Plate. Considerados os torneios amadores e profissionais organizados pela AFA, os Millonarios têm 36 títulos argentinos.

O River é seguido pelo seu arquirrival Boca Juniors, campeão argentino 34 vezes, contando também a era amadora do futebol da Argentina.

Na lista de maiores vencedores do Campeonato Argentino, o Racing vem em terceiro, com 18 títulos, dois a mais que seu rival Independiente.

Também considerados entre os maiores clubes da Argentina, San Lorenzo e Vélez Sarsfield vêm na sequência, com 15 e 10 títulos, respectivamente.

Já extinto, o Alumni Athletic Club foi decacampeão do Campeonato Argentino na era amadora, conquistando todos os seus 10 títulos até 1911.

Confira, a seguir, quem são os maiores campeões da história do Campeonato Argentino, consideradas as eras amadora e profissional!

Maiores campeões do Campeonato Argentino

  • River Plate: 36 títulos
  • Boca Juniors: 34 títulos
  • Racing Club: 18 títulos
  • Independiente: 16 títulos
  • San Lorenzo: 15 títulos
  • Vélez Sarsfield: 10 títulos
  • Alumni: 10 títulos
  • Estudiantes de La Plata: 6 títulos
  • Newell’s Old Boys: 6 títulos
  • Huracán: 5 títulos
  • Lomas Athletic: 5 títulos
  • Rosario Central: 4 títulos
  • Belgrano Athletic: 3 títulos
  • Argentinos Juniors: 3 títulos
  • Lanús: 2 títulos
  • Ferro Carril Oeste: 2 títulos
  • Porteño: 2 títulos
  • Quilmes: 2 títulos
  • Estudiantil Porteño: 2 títulos
  • Gimnasia y Esgrima La Plata: 1 título
  • Banfield: 1 título
  • Lomas Academy​: 1 título
  • Arsenal: 1 título
  • Chacarita Juniors: 1 título
  • Sportivo Barracas: 1 título
  • Sportivo Dock Sud: 1 título
  • Old Caledonians: 1 título
  • Saint Andrew’s: 1 título

Todos os campeões do Campeonato Argentino na era profissional, ano a ano

Racing campeão argentino
Racing levou o título de campeão argentino em 2018-2019
  • 1931 – Boca Juniors
  • 1932 – River Plate
  • 1933 – San Lorenzo
  • 1934 – Boca Juniors
  • 1935 – Boca Juniors
  • 1936 – San Lorenzo
  • 1936 – River Plate
  • 1936 – River Plate
  • 1937 – River Plate
  • 1938 – Independiente
  • 1939 – Independiente
  • 1940 – Boca Juniors
  • 1941 – River Plate
  • 1942 – River Plate
  • 1943 – Boca Juniors
  • 1944 – Boca Juniors
  • 1945 – River Plate
  • 1946 – San Lorenzo
  • 1947 – River Plate
  • 1948 – Independiente
  • 1949 – Racing
  • 1950 – Racing
  • 1951 – Racing
  • 1952 – River Plate
  • 1953 – River Plate
  • 1954 – Boca Juniors
  • 1955 – River Plate
  • 1956 – River Plate
  • 1957 – River Plate
  • 1958 – Racing
  • 1959 – San Lorenzo
  • 1960 – Independiente
  • 1961 – Racing
  • 1962 – Boca Juniors
  • 1963 – Independiente
  • 1964 – Boca Juniors
  • 1965 – Boca Juniors
  • 1966 – Racing
  • 1967 – Estudiantes
  • 1967 – Independiente
  • 1968 – San Lorenzo
  • 1968 – Vélez Sarsfield
  • 1969 – Chacarita Juniors
  • 1969 – Boca Juniors
  • 1970 – Independiente
  • 1970 – Boca Juniors
  • 1971 – Independiente
  • 1971 – Rosario Central
  • 1972 – San Lorenzo
  • 1972 – San Lorenzo
  • 1973 – Huracán
  • 1973 – Rosario Central
  • 1974 – Newell’s Old Boys
  • 1974 – San Lorenzo
  • 1975 – River Plate
  • 1975 – River Plate
  • 1976 – Boca Juniors
  • 1976 – Boca Juniors
  • 1977 – River Plate
  • 1977 – Independiente
  • 1978 – Quilmes
  • 1978 – Independiente
  • 1979 – River Plate
  • 1979 – River Plate
  • 1980 – River Plate
  • 1980 – Rosario Central
  • 1981 – Boca Juniors
  • 1981 – River Plate
  • 1982 – Ferro Carril Oeste
  • 1982 – Estudiantes
  • 1983 – Estudiantes
  • 1983 – Independiente
  • 1984 – Argentinos Juniors
  • 1984 – Ferro Carril Oeste
  • 1985 – Argentinos Juniors
  • 1985–86 – River Plate
  • 1986–87 – Rosario Central
  • 1987–88 – Newell’s Old Boys
  • 1988–89 – Independiente
  • 1989–90 – River Plate
  • 1990–91 – Newell’s Old Boys
  • 1991–92 – River Plate
  • 1991–92 – Newell’s Old Boys
  • 1992–93 – Boca Juniors
  • 1992–93 – Vélez Sársfield
  • 1993–94 – River Plate
  • 1993–94 – Independiente
  • 1994–95 – River Plate
  • 1994–95 – San Lorenzo
  • 1995–96 – Vélez Sársfield
  • 1995–96 – Vélez Sársfield
  • 1996–97 – River Plate
  • 1996–97 – River Plate
  • 1997–98 – River Plate
  • 1997–98 – Vélez Sarsfield
  • 1998–99 – Boca Juniors
  • 1998–99 – Boca Juniors
  • 1999–00 – River Plate
  • 1999–00 – River Plate
  • 2000–01 – Boca Juniors
  • 2000–01 – San Lorenzo
  • 2001–02 – Racing
  • 2001–02 – River Plate
  • 2002–03 – Independiente
  • 2002–03 – River Plate
  • 2003–04 – Boca Juniors
  • 2003–04 – River Plate
  • 2004–05 – Newell’s Old Boys
  • 2004–05 – Vélez Sársfield
  • 2005–06 – Boca Juniors
  • 2005–06 – Boca Juniors
  • 2006–07 – Estudiantes
  • 2006–07 – San Lorenzo
  • 2007–08 – Lanús
  • 2007–08 – River Plate
  • 2008–09 – Boca Juniors
  • 2008–09 – Vélez Sársfield
  • 2009–10 – Banfield
  • 2009–10 – Argentinos Juniors
  • 2010–11 – Estudiantes
  • 2010–11 – Vélez Sársfield
  • 2011–12 – Boca Juniors
  • 2011–12 – Arsenal de Sarandí
  • 2012–13 – Vélez Sársfield
  • 2012–13 – Newell’s Old Boys
  • 2012–13 – Vélez Sársfield
  • 2013–14 – San Lorenzo
  • 2013–14 – River Plate
  • 2014 – Racing
  • 2015 – Boca Juniors
  • 2016 – Lanús
  • 2016-17 – Boca Juniors
  • 2017-18 – Boca Juniors
  • 2018-19 – Racing
  • 2019-20 – Boca Juniors

Em toda a história do futebol profissional na Argentina, o Campeonato Argentino teve diversos formatos de disputa. 

Houve períodos em que mais de uma edição foi realizada no mesmo ano e também períodos em que foi seguido o calendário europeu. Por sinal, atualmente, a Superliga Argentina começa no segundo semestre de um ano e é encerrada no primeiro do ano seguinte.

Para que você entenda melhor quem foi campeão de qual competição, listamos abaixo todos os vencedores do Campeonato Argentino ano a ano, nos diferentes formatos de disputa utilizados na era profissional. Confira!

Campeões da Primeira Divisão Argentina

Entre 1931 e 1966, o Campeonato Argentino foi disputado em apenas uma edição anual, com sistema de pontos corridos. 

Uma exceção aconteceu em 1936, quando houve três disputas: 

  • a Taça de Honra foi dada ao campeão do primeiro turno (San Lorenzo); 
  • a Taça do Campeonato ficou com o campeão do segundo turno (River Plate); 
  • e a Taça de Ouro ficou com o vencedor do duelo entre os campeões dois turnos (o River derrotou o San Lorenzo).
Temporada Campeão Vice-campeão
1931 Boca Juniors San Lorenzo
1932 River Plate Independiente
1933 San Lorenzo Boca Juniors
1934 Boca Juniors Independiente
1935 Boca Juniors Independiente
1936 San Lorenzo Huracán
1936 River Plate San Lorenzo
1936 River Plate San Lorenzo
1937 River Plate Independiente
1938 Independiente River Plate
1939 Independiente River Plate
1940 Boca Juniors Independiente
1941 River Plate San Lorenzo
1942 River Plate San Lorenzo
1943 Boca Juniors River Plate
1944 Boca Juniors River Plate
1945 River Plate Boca Juniors
1946 San Lorenzo Boca Juniors
1947 River Plate Boca Juniors
1948 Independiente River Plate
1949 Racing River Plate
1950 Racing Boca Juniors
1951 Racing Banfield
1952 River Plate Racing
1953 River Plate Vélez Sársfield
1954 Boca Juniors Independiente
1955 River Plate Racing
1956 River Plate Lanús
1957 River Plate San Lorenzo
1958 Racing Boca Juniors
1959 San Lorenzo Racing
1960 Independiente River Plate
1961 Racing San Lorenzo
1962 Boca Juniors River Plate
1963 Independiente River Plate
1964 Boca Juniors Independiente
1965 Boca Juniors River Plate
1966 Racing River Plate

Campeões dos Torneios Metropolitanos e Nacionais 

Entre 1967 e 1985, o sistema de campeonatos foi alterado, sendo disputados dois torneios por temporada. 

Um deles foi o Metropolitano, que mais tarde foi reconhecido como Campeonato Argentino. O outro era o Nacional, em que também participavam os clubes do interior, classificados por meio do Torneio Regional ou por vagas cedidas às respectivas ligas locais.

Temporada Campeão Vice-campeão
1967 Metropolitano Estudiantes Racing
Nacional Independiente Estudiantes
1968 Metropolitano San Lorenzo Estudiantes
Nacional Vélez Sarsfield River Plate
1969 Metropolitano Chacarita Juniors River Plate
Nacional Boca Juniors River Plate
1970 Metropolitano Independiente River Plate
Nacional Boca Juniors Rosario Central
1971 Metropolitano Independiente Vélez Sársfield
Nacional Rosario Central San Lorenzo
1972 Metropolitano San Lorenzo Racing
Nacional San Lorenzo River Plate
1973 Metropolitano Huracán Boca Juniors
Nacional Rosario Central River Plate
1974 Metropolitano Newell’s Old Boys Rosario Central
Nacional San Lorenzo Rosario Central
1975 Metropolitano River Plate Huracán
Nacional River Plate Estudiantes
1976 Metropolitano Boca Juniors Huracán
Nacional Boca Juniors River Plate
1977 Metropolitano River Plate Independiente
Nacional Independiente Talleres
1978 Metropolitano Quilmes Boca Juniors
Nacional Independiente River Plate
1979 Metropolitano River Plate Vélez Sársfield
Nacional River Plate Unión
1980 Metropolitano River Plate Argentinos Juniors
Nacional Rosario Central Racing de Córdoba
1981 Metropolitano Boca Juniors Ferro Carril Oeste
Nacional River Plate Ferro Carril Oeste
1982 Nacional Ferro Carril Oeste Quilmes
Metropolitano Estudiantes Independiente
1983 Nacional Estudiantes Independiente
Metropolitano Independiente San Lorenzo
1984 Nacional Argentinos Juniors Ferro Carril Oeste
Metropolitano Ferro Carril Oeste River Plate
1985 Metropolitano Argentinos Juniors Vélez Sársfield

Campeões da Primeira Divisão em período seguindo o calendário europeu

A partir da temporada 1985-86, o sistema de disputa do Campeonato Argentino passou a seguir o calendário europeu. 

As equipes do interior, indiretamente filiadas à AFA, começaram a disputar regularmente os campeonatos da elite com sistema de promoção e rebaixamento.

Temporada Campeão Vice-campeão
1985–86 River Plate Newell’s Old Boys
1986–87 Rosario Central Newell’s Old Boys
1987–88 Newell’s Old Boys San Lorenzo
1988–89 Independiente Boca Juniors
1989–90 River Plate Independiente
1990–91 Newell’s Old Boys Boca Juniors

Campeões dos Torneios Apertura e Clausura

A partir da temporada 1990-91, o Campeonato Argentino seguiu de acordo com o calendário europeu, mas com duas edições, uma a cada semestre.

Assim, o Torneio Apertura era disputado no segundo semestre de um ano, enquanto o Torneio Clausura acontecia no primeiro semestre do ano seguinte. 

Temporada Campeão Vice-campeão
1991–92 Apertura River Plate Boca Juniors
Clausura Newell’s Old Boys Vélez Sársfield
1992–93 Apertura Boca Juniors River Plate
Clausura Vélez Sársfield Independiente
1993–94 Apertura River Plate Vélez Sársfield
Clausura Independiente Huracán
1994–95 Apertura River Plate San Lorenzo
Clausura San Lorenzo Gimnasia y Esgrima La Plata
1995–96 Apertura Vélez Sársfield Racing
Clausura Vélez Sársfield Gimnasia y Esgrima La Plata
1996–97 Apertura River Plate Independiente
Clausura River Plate Colón
1997–98 Apertura River Plate Boca Juniors
Clausura Vélez Sarsfield Lanús
1998–99 Apertura Boca Juniors Gimnasia y Esgrima La Plata
Clausura Boca Juniors River Plate
1999–00 Apertura River Plate Rosario Central
Clausura River Plate Independiente
2000–01 Apertura Boca Juniors River Plate
Clausura San Lorenzo River Plate
2001–02 Apertura Racing River Plate
Clausura River Plate Gimnasia y Esgrima La Plata
2002–03 Apertura Independiente Boca Juniors
Clausura River Plate Boca Juniors
2003–04 Apertura Boca Juniors San Lorenzo
Clausura River Plate Boca Juniors
2004–05 Apertura Newell’s Old Boys Vélez Sársfield
Clausura Vélez Sársfield Banfield
2005–06 Apertura Boca Juniors Gimnasia y Esgrima La Plata
Clausura Boca Juniors Lanús
2006–07 Apertura Estudiantes Boca Juniors
Clausura San Lorenzo Boca Juniors
2007–08 Apertura Lanús Tigre
Clausura River Plate Boca Juniors
2008–09 Apertura Boca Juniors Tigre
Clausura Vélez Sársfield Huracán
2009–10 Apertura Banfield Newell’s Old Boys
Clausura Argentinos Juniors Estudiantes
2010–11 Apertura Estudiantes Vélez Sársfield
Clausura Vélez Sársfield Lanús
2011–12 Apertura Boca Juniors Racing Club
Clausura Arsenal de Sarandí Tigre

Campeões dos Torneios Inicial e Final

A partir da temporada 2012-13, os antigos Torneios Apertura e Clausura foram renomeados: o primeiro foi chamado de Torneio Inicial e o segundo recebeu o nome de Torneio Final.

Em 2012-2013, os vencedores dos dois torneios se enfrentaram e foi definido também o campeão da Primeira Divisão.

Temporada Campeão Vice-campeão
2012–13 Inicial Vélez Sársfield Newell’s Old Boys
Final Newell’s Old Boys River Plate
Primera División Vélez Sársfield Newell’s Old Boys
2013–14 Inicial San Lorenzo Lanús
Final River Plate Boca Juniors

Campeão do Torneio de Transição

No segundo semestre de 2014, foi realizado um torneio de transição, mais curto, vencido pelo Racing. Isso aconteceu porque a AFA planejava a mudança no formato de disputa do Campeonato Argentino em 2015, com a participação de 30 equipes.

Temporada Campeão Vice-campeão
2014 Racing River Plate

Campeão da Primeira Divisão Argentina

Na temporada de 2015, apenas um torneio foi disputado e contou com a participação de 30 times. 

Temporada Campeão Vice-campeão
2015 Boca Juniors San Lorenzo

Campeão do Torneio de Transição

A iniciativa da AFA em organizar uma competição nacional por ano com 30 times durou pouco. Com a intenção de voltar a seguir o calendário europeu, na primeira parte de 2016 foi realizado um novo torneio de curta duração.

Os times foram divididos em dois grupos e os vencedores se enfrentaram para a definição do campeão argentino.

Temporada Campeão Vice-campeão
2016 Lanús San Lorenzo

Campeão da Primeira Divisão Argentina com volta ao calendário europeu

Na temporada 2016/17, a Argentina voltou a seguir o calendário europeu. Assim, o Campeonato Argentino começava no segundo semestre de um ano e era encerrado no primeiro semestre do ano seguinte.

Temporada Campeão Vice-campeão
2016–17 Boca Juniors River Plate

Campeões da Superliga Argentina

Na temporada 2017/18, foi disputado o primeiro torneio organizado pela Superliga Argentina, organização comandada pelas próprias equipes. A competição seguiu o mesmo formato adotado na edição anterior.

Há a programação de redução gradual do número de participantes, chegando a 20 equipes em 2023.

Temporada Campeão Vice-campeão
2017–18 Boca Juniors Godoy Cruz
2018–19 Racing Defensa y Justicia
2019-20 Boca Juniors River Plate

Quem é o maior artilheiro da história do Campeonato Argentino?

Arsenio Erico maior artilheiro da história do Campeonato Argentino
O paraguaio Arsenio Erico é o maior artilheiro da história do Campeonato Argentino

Curiosamente, o maior artilheiro da história do Campeonato Argentino é um paraguaio, o ex-jogador Arsenio Erico, que defendeu Independiente e Huracán. Entre as décadas de 1930 e 1940, ele marcou 295 gols na Primeira Divisão do futebol argentino.

Arsenio Erico marcou dois gols a mais que Ángel Labruna, atacante do River Plate entre 1939 e 1959.

O pódio de maiores artilheiros da história do Campeonato Argentino é completado por Herminio Masantonio, que defendeu Huracán e Banfield, e marcou 256 gols, entre as décadas de 1930 e 1940.

Maior ídolo da história do futebol argentino, Diego Armando Maradona marcou 151 gols em 241 partidas disputadas no Campeonato Argentino. Pelo Argentinos Juniors, clube que o revelou, foram 116 gols. Os outros 35 foram marcados em sua passagem pelo Boca Juniors.

Maiores artilheiros da história do Campeonato Argentino na era profissional

  1. Arsenio Erico (Independiente e Huracán): 295​ gols
  2. Ángel Labruna (River Plate): 293 gols
  3. Herminio Masantonio (Huracán e Banfield): 256 gols
  4. Manuel Pelegrina (Estudiantes de La Plata e Huracán): 245 gols
  5. Martín Palermo (Estudiantes de La Plata e Boca Juniors): 236
  6. José Sanfilippo (San Lorenzo, Boca Juniors e Banfield): 226 gols
  7. Ricardo Infante (Estudiantes de La Plata, Huracán e Gimnasia y Esgrima): 217 gols
  8. Oscar Más (River Plate, Quilmes, Sarmiento, Mariano Moreno e Huracán Las Heras): 215 gols
  9. Bernabé Ferreyra (Tigre e River Plate): 206 gols
  10. Carlos Bianchi (Vélez Sarsfield): 206 gols

Quem é o maior artilheiro de uma edição do Campeonato Argentino?

Maior goleador da história do Campeonato Argentino, o paraguaio Arsenio Erico é também o recordista de gols em uma única edição na era profissional. Em 1937, ele marcou 47 gols jogando pelo Independiente.

Na era amadora, Manuel Seoane, também do Independiente, fez 55 gols em uma das edições disputadas em 1922.

Já Maradona é o quem mais vezes foi artilheiro do Campeonato Argentino. O ídolo máximo da Seleção Argentina foi o maior goleador do torneio nacional de seu país em 5 edições, todas jogando pelo Argentinos Juniors: Metropolitano 1978, Metropolitano 1979, Nacional 1979, Metropolitano 1980 e Nacional 1980.

Walter Machado da Silva único brasileiro artilheiro do Campeonato Argentino
Único brasileiro artilheiro do Argentino, Silva foi homenageado pelo Racing

Outra curiosidade é que apenas uma vez na história do Campeonato Argentino o artilheiro foi um jogador brasileiro. Walter Machado da Silva jogava pelo Racing, quando, no Torneio Metropolitano de 1969, marcou 14 gols e liderou a artilharia da competição. 

Walter Machado da Silva era conhecido como Silva Batuta e iniciou sua carreira no São Paulo. Ele ainda defendeu Botafogo, Corinthians e Flamengo antes de ser contratado pelo Barcelona. Porém, por conta do limite de estrangeiros, ele acabou não jogando uma partida sequer no Campeonato Espanhol e retornou ao Brasil para defender o Santos.

A passagem de Walter Machado da Silva pelo Racing em 1969 foi sucedida por uma transferência para o Vasco e o encerramento da carreira no futebol colombiano, onde defendeu Junior Barranquilla e Tiquire.

Silva também defendeu a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1966, convocado pelo técnico Vicente Feola.

Todos os artilheiros do Campeonato Argentino na era profissional

  • 1931 – Alberto Zozaya (Estudiantes de La Plata): 33 gols
  • 1932 – Bernabé Ferreyra (River Plate): 43 gols
  • 1933 – Francisco Varallo (Boca Juniors): 34 gols
  • 1934 – Evaristo Barrera (Racing Club): 34 gols
  • 1935 – Agustín Cosso (Vélez Sarsfield): 33 gols
  • 1936 Copa de Honor – Alberto Zozaya (Estudiantes de La Plata): 16 gols
  • 1936 Copa Campeonato – Evaristo Barrera (Racing Club): 19 gols
  • 1937 – Arsenio Erico (Independiente): 47 gols
  • 1938 – Arsenio Erico (Independiente): 43 gols
  • 1939 – Arsenio Erico (Independiente): 40 gols
  • 1940 – Delfín Benítez Cáceres (Racing Club) e Isidro Lángara (San Lorenzo): 33
  • 1941 – José Canteli (Newell’s Old Boys): 30 gols
  • 1942 – Rinaldo Martino (San Lorenzo): 25 gols
  • 1943 – Luis Arrieta (Lanús), Raúl Frutos (Platense) e Ángel Labruna (River Plate): 23 gols
  • 1944 – Atilio Mellone (Huracán): 26 gols
  • 1945 – Ángel Labruna (River Plate): 24 gols
  • 1946 – Mario Boyé (Boca Juniors): 24 gols
  • 1947 – Alfredo Di Stéfano (River Plate): 27 gols
  • 1948 – Benjamín Santos (Rosario Central): 21 gols
  • 1949 – Llamil Simes (Racing Club) e Juan José Pizzuti (Banfield): 26 gols 
  • 1950 – Mario Papa (San Lorenzo): 24 gols
  • 1951 – Santiago Vernazza (River Plate): 22 gols
  • 1952 – Eduardo Ricagni (Huracán): 28 gols
  • 1953 – Juan José Pizzuti (Racing Club) e Juan Armando Benavídez (San Lorenzo): 22 gols 
  • 1954 – Ángel Berni (San Lorenzo), José Borello (Boca Juniors) e Norberto Conde (Vélez Sarsfield): 19 gols
  • 1955 – Oscar Massei (Rosario Central): 21 gols
  • 1956 – Juan Alberto Castro (Rosario Central) e Ernesto Grillo (Independiente): 17 gols 
  • 1957 – Roberto Zárate (River Plate): 22 gols
  • 1958 – José Sanfilippo (San Lorenzo): 28 gols
  • 1959 – José Sanfilippo (San Lorenzo): 31 gols
  • 1960 – José Sanfilippo (San Lorenzo): 34 gols
  • 1961 – José Sanfilippo (San Lorenzo): 26 gols
  • 1962 – Luis Artime (River Plate): 25 gols
  • 1963 – Luis Artime (River Plate): 25 gols
  • 1964 – Héctor Veira (San Lorenzo): 17 gols
  • 1965 – Juan Carlos Carone (Vélez Sarsfield): 19 gols
  • 1966 – Luis Artime (Independiente): 23 gols
  • 1967 Metropolitano – Bernardo Acosta (Lanús): 18 gols
  • 1967 Nacional – Luis Artime (Independiente): 11 gols
  • 1968 Metropolitano – Alfredo Obberti (Los Andes): 13 gols
  • 1968 Nacional – Omar Wehbe (Vélez Sarsfield): 13 gols
  • 1969 Metropolitano – Wálter Machado da Silva (Racing Club): 14 gols
  • 1969 Nacional – Rodolfo Fischer (San Lorenzo) e Carlos Bulla (Platense): 14 gols
  • 1970 Metropolitano – Oscar Más (River Plate): 16 gols
  • 1970 Nacional – Carlos Bianchi (Vélez Sarsfield): 18 gols
  • 1971 Metropolitano – Carlos Bianchi (Vélez Sarsfield): 36 gols
  • 1971 Nacional – Alfredo Obberti (Newell’s Old Boys) e José Luñiz (Juventud Antoniana): 10 gols 
  • 1972 Metropolitano – Miguel Ángel Brindisi (Huracán): 21 gols
  • 1972 Nacional – Carlos Morete (River Plate): 14 gols
  • 1973 Metropolitano – Oscar Más (River Plate), Hugo Curioni (Boca Juniors) e Ignacio Peña; (Estudiantes de La Plata): 17 gols 
  • 1973 Nacional – Juan Gómez Voglino (Atlanta): 18 gols
  • 1974 Metropolitano – Carlos Morete (River Plate): 18 gols
  • 1974 Nacional – Mario Alberto Kempes (Rosario Central): 25 gols
  • 1975 Metropolitano – Héctor Scotta (San Lorenzo): 32 gols
  • 1975 Nacional – Héctor Scotta (San Lorenzo): 28 gols
  • 1976 Metropolitano – Mario Alberto Kempes (Rosario Central): 21 gols
  • 1976 Nacional – Norberto Eresuma (San Lorenzo), Luis Ludueña (Talleres) e Víctor Marchetti (Unión): 12 gols 
  • 1977 Metropolitano – Carlos Álvarez (Argentinos Juniors): 27 gols
  • 1977 Nacional – Alfredo Letanu (Estudiantes de La Plata): 13 gols
  • 1978 Metropolitano – Diego Maradona (Argentinos Juniors) e Luis Andreuchi (Quilmes): 22 gols 
  • 1978 Nacional – José Reinaldi (Talleres): 18 gols
  • 1979 Metropolitano – Diego Maradona (Argentinos Juniors) e Sergio Fortunato (Estudiantes de La Plata): 14 gols
  • 1979 Nacional – Diego Maradona (Argentinos Juniors): 12 gols
  • 1980 Metropolitano – Diego Maradona (Argentinos Juniors): 25 gols
  • 1980 Nacional – Diego Maradona (Argentinos Juniors): 17 gols
  • 1981 Metropolitano – Raúl de La Cruz Chaparro (Instituto): 20 gols
  • 1981 Nacional – Carlos Bianchi (Vélez Sarsfield): 15 gols
  • 1982 Nacional – Miguel Ángel Juárez (Ferro Carril Oeste): 22 gols
  • 1982 Metropolitano – Carlos Morete (Independiente): 20 gols
  • 1983 Nacional – Armando Husillos (Loma Negra): 11 gols
  • 1983 Metropolitano – Víctor Ramos (Newell’s Old Boys): 30 gols
  • 1984 Nacional – Pedro Pasculli (Argentinos Juniors): 9 gols
  • 1984 Metropolitano – Enzo Francescoli (River Plate): 24 gols
  • 1985 Nacional – Jorge Comas (Vélez Sarsfield): 12 gols
  • 1985-86 – Enzo Francescoli (River Plate): 25 gols
  • 1986-87 – Omar Arnaldo Palma (Rosario Central): 20 gols
  • 1987-88 – José Luis Rodríguez (Deportivo Español): 18 gols
  • 1988-89 – Oscar Dertycia (Argentinos Juniors) e Néstor Gorosito (San Lorenzo): 20 gols 
  • 1989-90 – Ariel Cozzoni (Newell’s Old Boys): 23 gols
  • 1990-91 – Esteban González (Vélez Sarsfield): 18 gols
  • 1991 Apertura – Ramón Ángel Díaz (River Plate): 14 gols
  • 1992 Clausura – Diego Latorre (Boca Juniors) e Darío Scotto (Platense): 9 gols 
  • 1992 Apertura – Alberto Acosta (San Lorenzo): 12 gols
  • 1993 Clausura – Rubén Da Silva (River Plate): 13 gols
  • 1993 Apertura – Sergio Martínez (Boca Juniors): 12 gols
  • 1994 Clausura – Hernán Crespo (River Plate) e Marcelo Espina (Platense): 11 gols 
  • 1994 Apertura – Enzo Francescoli (River Plate): 12 gols
  • 1995 Clausura – José Oscar Flores (Vélez Sarsfield): 14 gols
  • 1995 Apertura – José Luis Calderón (Estudiantes de La Plata): 13 gols
  • 1996 Clausura – Ariel López (Lanús): 12 gols
  • 1996 Apertura – Gustavo Reggi (Ferro Carril Oeste): 11 gols
  • 1997 Clausura – Sergio Martínez (Boca Juniors): 15 gols
  • 1997 Apertura – Rubén Da Silva (Rosario Central): 15 gols
  • 1998 Clausura – Roberto Sosa (Gimnasia y Esgrima): 16 gols
  • 1998 Apertura – Martín Palermo (Boca Juniors): 20 gols
  • 1999 Clausura – José Luis Calderón (Independiente): 17 gols
  • 1999 Apertura – Javier Saviola (River Plate): 15 gols
  • 2000 Clausura – Esteban Fuertes (Colón): 17 gols
  • 2000 Apertura – Juan Pablo Ángel (River Plate): 13 gols
  • 2001 Clausura – Bernardo Romeo (San Lorenzo): 15 gols
  • 2001 Apertura – Martín Cardetti (River Plate): 17 gols
  • 2002 Clausura – Fernando Cavenaghi (River Plate): 15 gols
  • 2002 Apertura – Andrés Silvera (Independiente): 16 gols
  • 2003 Clausura – Luciano Figueroa (Rosario Central): 17 gols
  • 2003 Apertura – Ernesto Farías (Estudiantes de La Plata): 12 gols
  • 2004 Clausura – Rolando Zárate (Vélez Sarsfield): 13 gols
  • 2004 Apertura – Lisandro López (Racing Club): 12 gols
  • 2005 Clausura – Mariano Pavone (Estudiantes de La Plata): 16 gols
  • 2005 Apertura – Javier Cámpora (Tiro Federal): 13 gols
  • 2006 Clausura – Gonzalo Vargas (Gimnasia y Esgrima): 12 gols
  • 2006 Apertura – Rodrigo Palacio (Boca Juniors) e Mauro Zárate (Vélez Sarsfield): 12 gols 
  • 2007 Clausura – Martín Palermo (Boca Juniors): 11 gols
  • 2007 Apertura – Germán Denis (Independiente): 18 gols
  • 2008 Clausura – Darío Cvitanich (Banfield): 13 gols
  • 2008 Apertura – José Sand (Lanús): 15 gols
  • 2009 Clausura – José Sand (Lanús): 13 gols
  • 2009 Apertura – Santiago Silva (Banfield): 14 gols
  • 2010 Clausura –  Mauro Boselli (Estudiantes de La Plata): 13 gols 
  • 2010 Apertura – Denis Stracqualursi (Tigre) e Santiago Silva (Vélez Sarsfield): 12 gols
  • 2011 Clausura – Javier Cámpora (Huracán) e Teófilo Gutiérrez (Racing Club): 11 gols 
  • 2011 Apertura – Rubén Ramírez (Godoy Cruz): 12 gols
  • 2012 Clausura – Carlos Luna (Tigre): 12 gols
  • 2012 Inicial – Facundo Ferreyra (Vélez Sarsfield) e Ignacio Scocco (Newell’s Old Boys): 13 gols
  • 2013 Final – Emmanuel Gigliotti (Colón) e Ignacio Scocco (Newell’s Old Boys): 11 gols 
  • 2013 Inicial – César Pereyra (Belgrano): 10 gols
  • 2014 Final – Mauro Zárate (Vélez Sarsfield): 13 gols
  • 2014 – Lucas Pratto (Vélez Sarsfield, Maximiliano Rodríguez (Newell’s Old Boys) e Silvio Romero (Lanús): 11 gols
  • 2015 – Marco Rubén (Rosario Central): 21 gols
  • 2016 – José Sand (Lanús): 14 gols
  • 2016-17 – Darío Benedetto (Boca Juniors) 21 gols
  • 2017-18 – Santiago García (Godoy Cruz): 17 gols
  • 2018-19 – Lisandro López (Racing Club): 17 gols
  • 2019-20 – Santos Borré (River Plate): 12 gols

Vá além do mundo do Futebol! Confira também nossos outros conteúdos:

Qual jogador tem mais títulos do Campeonato Argentino?

Leonardo Astrada maior campeão da história do Campeonato Argentino
Leonardo Astrada é o maior campeão do Campeonato Argentino, com 10 títulos pelo River Plate

O jogador que detém o recorde de maior campeão da história do Campeonato Argentino é Leonardo Astrada, que defendeu o River Plate e teve rápida passagem pelo Grêmio em 2000.

Astrada se tornou o jogador com mais títulos na história do Campeonato Argentino ao ajudar o River Plate a ser campeão 10 vezes:

  • Primeira Divisão 1989/90; 
  • Torneio Apertura 1991; 
  • Torneio Apertura 1993; 
  • Torneio Apertura 1994; 
  • Torneio Apertura 1996; 
  • Torneio Clausura 1997; 
  • Torneio Apertura 1997; 
  • Torneio Apertura 1999; 
  • Torneio Clausura 2002; 
  • Torneo Clausura 2003.

Qual é o treinador mais vezes campeão argentino?

Carlos Bianchi treinador argentino
Carlos Bianchi é um dos três treinadores com 7 títulos do Campeonato Argentino

Ángel Amadeo Labruna, Carlos Bianchi e Ramón Díaz sãos treinadores com mais títulos na história do Campeonato Argentino. Cada um deles venceu o torneio nacional 7 vezes. 

Labruna conquistou 6 títulos com o River Plate e um com o Rosario Central. Bianchi foi campeão argentino 4 vezes com o Boca Juniors e 3 com o Vélez Sarsfield. Já Díaz venceu 6 com o River Plate e um com o San Lorenzo.

Confira, a seguir, outros títulos do Campeonato Argentino!

Recordes e curiosidades do Campeonato Argentino

Maradona pelo Argentinos Juniors
Maradona foi artilheiro do Campeonato Argentino em 5 edições jogando pelo Argentinos Juniors
  • Jogador com mais partidas disputadas: Hugo Gatti (Atlanta, River Plate, Gimnasia y Esgrima, Unión Santa Fe e Boca Juniors), com 757 jogos
  • Jogador com mais partidas pela mesma equipe: Ricardo Bochini, com 638 jogos pelo Independiente 
  • Jogador estrangeiro com mais partidas disputadas: José Jorge González, uruguaio, com 565 jogos (487 pelo Rosario Central e 78 pelo Vélez Sarsfield)
  • Maior artilheiro da história: Arsenio Erico, com 295 gols
  • Maior média de gols da história: Bernabé Ferreyra, com 1,04 gol por partida (204 gols em 195 partidas)
  • Jogador que mais vezes foi artilheiro: Maradona, em 5 edições
  • Goleiro com mais gols marcados: Jose Luis Chilavert, com 36 gols
  • Jogador com mais gols em uma partida: Juan Taverna, com 7 gols, na vitória do Banfield por 13 a 1 sobre o Puerto Comercial
  • Jogador mais jovem a disputar uma partida: Kun Agüero, com 15 anos, 1 mês e 5 dias
  • Jogador com mais títulos: Leonardo Astrada, com 10 
  • Maior goleada: Banfield 13 x 1 Puerto Comercial 
  • Maior invencibilidade na era profissional: Boca Juniors, com 40 jogos (29 vitórias e 11 empates), entre o Clausura de 1998 e o Clausura de 1999
  • O Boca Juniors é o único clube a ter disputado todas as edições do Campeonato Argentino na era profissional
  • Estudiantes de La Plata é o único vice-campeão invicto, no Torneio Nacional de 1967

Times que disputaram o Campeonato Argentino (Superliga Argentina) na temporada 2019/2020

  • Aldosivi
  • Argentinos Juniors
  • Arsenal
  • Atlético Tucumán
  • Banfield
  • Boca Juniors
  • Central Córdoba
  • Cólon
  • Defensa y Justicia
  • Estudiantes
  • Gimnasia y Esgrima
  • Godoy Cruz
  • Huracán
  • Independiente
  • Lanús
  • Newell’s Old Boys
  • Patronato
  • Racing
  • River Plate
  • Rosario Central
  • San Lorenzo
  • Talleres
  • Unión
  • Vélez Sarsfield

Agora que você já sabe tudo do Campeonato Argentino e pode se considerar expert em Superliga Argentina, aproveite para conhecer também todos os detalhes de outros dos principais torneios de futebol do mundo:

* Última atualização em 7 de março de 2020

Comentários

Salvar
29 Compart.
Compartilhar18
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin11