fbpx
Conheça a história da Superliga Masculina de Vôlei, como surgiu o campeonato nacional e quem são os maiores vencedores!

A história do voleibol no Brasil ganhou um de seus mais importantes capítulos em 1994. Naquele ano, foi criada a Superliga!

Em 25 anos de existência, o campeonato nacional de vôlei reuniu grandes equipes e alguns dos maiores jogadores da história do voleibol brasileiro. Também passaram por aqui alguns craques estrangeiros.

Quer entender melhor a história da Superliga Masculina de vôlei? Venha com a gente que te contamos como surgiu a competição, quais são os vencedores e os maiores campeões!

O que você vai conferir neste post:

Infográfico: detalhes da história da Superliga Masculina

Infográfico da Superliga Masculina de Vôlei

A partir da temporada 2011/2012, a Superliga Masculina passou a ter duas divisões, as séries A e B. Já em 2018, foi criada a Série C.

Atualmente, 12 equipes disputam a Primeira Divisão, enquanto a Série B conta com 8 times. Já a primeira edição da Série C teve 7 equipes.

Assim como na Superliga Feminina, o campeão da Superliga Masculina se classifica para o Campeonato Sul-Americano de vôlei, enquanto os dois últimos colocados são rebaixados para a Série B.

Como surgiu a Superliga Masculina de vôlei?

A primeira edição da Superliga Masculina de vôlei foi disputada na temporada 1994/1995. Mas isso não quer dizer que não havia uma competição nacional de voleibol antes disso.

Em 1976, 1978 e 1980, foi disputada uma primeira versão do Campeonato Brasileiro de vôlei, aberta a equipes amadoras de todo o país, enquanto, a partir de 1981, o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado anualmente, com a presença de times profissionais.

Já desde a temporada 1988/1989, a Liga Nacional passou a ser iniciada no segundo semestre de um ano e encerrada no primeiro semestre do ano seguinte. A mudança foi adotada para seguir as principais competições do calendário do voleibol mundial.

História da Superliga Masculina de volei

Em 1992, a Seleção Brasileira de vôlei masculino foi campeã dos Jogos Olímpicos de Barcelona. Aquela conquista teve grande influência para o surgimento da Superliga.

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) vislumbrou a criação da Superliga para reunir os jogadores da Seleção Brasileira em um campeonato nacional. Foi feito, portanto, um projeto para repatriar esses atletas, que, na grande maioria, atuavam fora do país, principalmente na Itália.

Os craques da Seleção foram colocados cada um em uma equipe e, assim, nasceu a Superliga Masculina de vôlei.

Superliga Masculina 1994/1995

Carlão e Frangosul primeiro campeão da Superliga Masculina de Vôlei

A primeira edição, na temporada 1994/1995, ficou marcada pela presença do capitão da Seleção Brasileira, Carlão, na final mesmo com um osso do pé quebrado. O central, então jogador do Frangosul/Ginástica, de Novo Hamburgo-RS, acabou campeão no duelo com o Suzano.

Superliga Masculina 1995/1996

A segunda edição da Superliga Masculina foi a vez de coroar a recém-formada equipe Olympikus/Telesp (SP), comandada pelo técnico Bebeto de Freitas e liderada pelo levantador Maurício e o atacante Marcelo Negrão. O time paulista venceu na decisão o Papel Report/Suzano por 3 jogos a 1.

Superliga Masculina 1996/1997

Vice-campeão na edição anterior, o Papel Report/Suzano (SP) faturou seu primeiro título da Superliga masculina ao derrotar, na final, o Banespa (SP) comandado pelo técnico José Roberto Guimarães.

22bet

Superliga Masculina 1997/1998

A Ulbra/Diadora (RS) superou a favorito Olympikus (RJ) no quinto jogo, após uma grande atuação do atacante Gilson, e levou seu primeiro título na temporada 1997/1998.

Superliga Masculina 1998/1999

Ulbra/Pepsi campeão da Superliga Masculina de vôlei

Com um novo nome, a Ulbra/Pepsi (RS) conquistou o título da Superliga ao superar o Papel Report/Nipomed de Suzano (SP) por 3 jogos a 1.

Superliga Masculina 1999/2000

Na temporada 99/00, o Telemig Celular/Minas começou seu caminho rumo à hegemonia, que durou três temporadas. Na final, fora de casa, a equipe mineira levou a melhor sobre a Unisul (SC).

Superliga Masculina 2000/2001

O Telemig Celular/Minas faturou o bicampeonato ao vencer a Ulbra (RS) na decisão, em pleno Gigantinho, em Porto Alegre (RS).

Superliga Masculina 2001/2002

O tricampeonato do Telemig Celular/Minas veio com vitória sobre o Banespa (SP), de Giovane, Rodrigão e Serginho, em uma melhor de três partidas.

Superliga Masculina 2002/2003

O público do masculino acompanhou na decisão um duelo entre universidades do Sul: a Ulbra (RS), contando com a revelação Roberto Minuzzi, venceu a Unisul (SC) por 3 partidas a 0.

Superliga Masculina 2003/2004

A Unisul (SC) derrotou a Ulbra/São Paulo (RS) por 3 jogos a 0 e sem perder nenhum set na série decisiva.

Superliga Masculina 2004/2005

Banespa campeão da Superliga Masculina

Campeão olímpico, o ponta Nalbert se despediu das quadras em grande estilo: ajudou o Banespa/Mastercard (SP) a conquistar o título contra o Telemig Celular/Minas, no quinto jogo, no Mineirinho.

Superliga Masculina 2005/2006

A estreante Cimed (SC), que se classificou para a Superliga ao conquistar o título da Liga Nacional, derrotou o Telemig Celular/Minas na decisão de 2005/2006.

Superliga Masculina 2006/2007

Minas campeão da Superliga Masculina em 2006-2007

Telemig Celular/Minas e Cimed (SC) chegaram à decisão novamente. Os mineiros saíram na frente no playoff final e abriram 2 jogos a 0, mas o título foi decidido apenas no quarto jogo. No ginásio Divino Braga, em Betim (MG), o Telemig Celular/Minas fez a alegria da torcida e venceu a última partida por 3 sets a 0.

Superliga Masculina 2007/2008

Na decisão do título, Telemig Celular/Minas e Cimed fizeram a terceira final consecutiva da Superliga, e o título ficou com o time catarinense pela segunda vez, em sua terceira participação na competição.

Superliga Masculina 2008/2009

Cimed tricampeão da Superliga Masculina

A disputa ficou polarizada entre Cimed/Brasil Telecom e Vivo/Minas durante toda a competição. As equipes disputaram três das quatro finais dos turnos. Cimed/Brasil Telecom e Vivo/Minas voltaram a se encontrar na disputa pelo título da Superliga pela quarta vez consecutiva. Na decisão, o time de Florianópolis teve dificuldades no primeiro set, mas venceu por 3 a 0, conquistando o tricampeonato.

Superliga Masculina 2009/2010

Na quinta final seguida, em cinco anos de existência, a Cimed/Malwee (SC) sagrou-se tetracampeã da Superliga masculina. A equipe catarinense venceu o Bonsucesso/Montes Claros por 3 sets a 0 (25/22, 25/20 e 31/29) e, com o resultado, igualou o recorde de quatro conquistas do Vivo/Minas (MG). Além disso, a Cimed/Malwee também repetiu o feito até então inédito do time mineiro, com o tricampeonato consecutivo.

Superliga Masculina 2010/2011

Sesi campeão da Superliga Masculina 2010-2011

Depois da Cimed (SC), então atual tricampeã da Superliga, ser eliminada nas quartas de final, a 17ª edição do torneio masculino teve um novo campeão.

Na segunda participação, o Sesi-SP, liderado pelo bicampeão olímpico Giovane e pelos selecionáveis Murilo, Serginho e Sidão, sagrou-se campeão brasileiro ao derrotar o Sada Cruzeiro (MG) dentro do ginásio Mineirinho, em Belo Horizonte.

Na decisão, o time paulista fez 3 sets a 1 (25/19, 19/25, 27/25 e 25/17).

Superliga Masculina 2011/2012

O Sada Cruzeiro (MG), vice-campeão da edição anterior, desta vez não deixou escapar o título e superou, de virada, o Vôlei Futuro (SP) por 3 sets a 1. A partida foi disputada em São Bernardo do Campo (SP) e teve o ponteiro Maurício, da equipe mineira, como o maior pontuador, com 20 acertos.

Superliga Masculina 2012/2013

RJX campeão da Superliga Masculina de vôlei

O RJX (RJ), em sua segunda participação, chegou à final contra o atual campeão Sada Cruzeiro (MG). Com o ginásio do Maracanãzinho lotado, os mineiros saíram na frente. Mas, o time carioca virou o placar e levou o título, vencendo por 3 sets a 1. O grande destaque da partida foi o ponteiro Thiago Alves, recebendo o Troféu VivaVôlei.

Superliga Masculina 2013/2014

Na final entre Sada Cruzeiro (MG) e Sesi-SP, o título ficou com o time mineiro, que jogou em casa, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte (MG). A equipe comandada pelo técnico Marcelo Mendez assegurou o segundo título de Superliga e teve brilhante atuação na final, especialmente do levantador William Arjona, considerado o melhor jogador em quadra.

Superliga Masculina 2014/2015

O Sada Cruzeiro (MG) repetiu o feito e, assim como na temporada anterior, jogou em casa, no Mineirinho, em Belo Horizonte (MG), levando a melhor sobre o Sesi-SP. Também com o apoio da torcida mineira, a equipe do técnico Mar­celo Mendez brilhou e comemorou o título.

Superliga Masculina 2015/2016

Sada Cruzeiro tetracampeão da Superliga

Finalista inédito, o Brasil Kirin Vôlei (SP) teve pela frente o Sada Cruzeiro (MG). O time mineiro, em sua sexta final, conseguiu dominar o adversário paulista e conquistou o quarto título.

Superliga Masculina 2016/2017

Uma final inédita marcou a edição 2016/2017 da Superliga masculina. De um lado, o já tradicional e super campeão, Sada Cruzeiro (MG). Porém, do outro, o estreante Funvic Taubaté (SP) chegou com nomes conhecidos e consagrados do vôlei brasileiro, como Wallace, Lucarelli, Éder e Raphael. No final, diante de um Mineirinho lotado, a equipe cruzeirense garantiu seu quinto título.

Superliga Masculina 2017/2018

Depois de uma temporada bastante equilibrada, o Sada Cruzeiro (MG) enfrentou o Sesi-SP na grande decisão. No primeiro jogo, em São Paulo (SP), e no segundo, em Belo Horizonte (MG), vitórias do time mineiro.

Superliga Masculina 2018/2019

Taubaté campeão da Superliga Masculina 2018/2019

Após cinco títulos consecutivos, o Sada Cruzeiro parou nas semifinais em 2018/2019. O algoz do time mineiro foi o Taubaté, que venceu as 3 primeiras partidas da série e avançou para enfrentar o Sesi-SP na decisão.

Sob o comando de Renan Dal Zotto, contratado perto do início dos playoffs, o Taubaté foi campeão da Superliga Masculina pela primeira vez. Com Lucarelli como MVP, a equipe do interior paulista superou o time da capital no quinto jogo da série final, fazendo 3 a 2 no confronto.

O levantador Rapha, de Taubaté, recebeu o prêmio de Craque da Galera, embora William, do Sesi, tenha sido escolhido o melhor levantador.

Os melhores ponteiros foram Lucarelli (Taubaté) e Lucas Loh (Sesi), os melhores centrais foram Lucão (Taubaté) e Éder (Sesi), o melhor oposto foi Alan (Sesi) e o melhor líbero foi Thales (Taubaté). Vice-campeão, Rubinho, do Sesi-SP, foi escolhido o melhor treinador.

Como funciona a Superliga Masculina de vôlei?

Atualmente, são disputadas três divisões da Superliga Masculina de vôlei.

A Primeira Divisão é disputada por 12 equipes, em um sistema com 4 fases: classificatória, quartas de final, semifinal e final.

A fase classificatória é disputada no sistema de ida e volta (turno e returno), com todos os times se enfrentando duas vezes. As 8 melhores equipes se classificam para os playoffs.

Nas quartas de final, as 8 equipes de melhor índice técnico na soma dos pontos do turno e do returno se cruzam, obedecendo-se a seguinte ordem: 1º x 8º, 2º x 7º, 3º x 6º e 4º x 5º. Os duelos são disputados no sistema de playoff melhor de três jogos. Ou seja, quem vencer duas partidas avança às semifinais.

As equipes de melhor campanha na fase classificatória têm o direito de escolher a ordem dos mandos de campo e definir se preferem jogar o primeiro ou o segundo jogo em casa. Caso seja necessária a terceira partida, esses times também terão o mando.

Nas semifinais, o vencedor do confronto entre 1º e 8º enfrenta a equipe classificada do duelo entre 4º e 5º. Já o outro duelo reúne os ganhadores dos confrontos entre 2º x 7º contra 3º x 6º.

Nas semifinais, os playoffs são disputados em cinco partidas.

Na final, o campeão da Superliga Masculina de vôlei também é decidido em uma série de cinco jogos.

Superliga B

Botafogo Superliga B
Botafogo fez a melhor campanha da primeira fase da Superliga B de 2019

Na temporada 2018/2019, a Superliga Masculina B foi disputada por 8 times.

Na fase classificatória, todas as equipes se enfrentam em turno único. A classificação final é determinante para a definição dos cruzamentos das quartas de final, quando os confrontos seguem a ordem: 1º x 8º, 2º x 7º, 3º x 6º e 4º x 5º.

As quartas de final são disputadas em playoffs de três jogos. O primeiro jogo é realizado na casa do pior colocado e o segundo e terceiro jogo (se necessário) na casa do melhor colocado da fase classificatória.

Assim como na Primeira Divisão, nas semifinais da Superliga B, o vencedor do confronto entre 1º e 8º enfrenta a equipe classificada do duelo entre 4º e 5º. Já o outro duelo reúne os ganhadores dos confrontos entre 2º x 7º contra 3º x 6º.

A final da Superliga B, por sua vez, é disputada em jogo único, na casa da equipe melhor classificada na fase classificatória.

Campeão e vice da Superliga B têm acesso à Superliga do ano seguinte, enquanto 11º e 12º colocados da Superliga caem para a Segunda Divisão.

Superliga Masculina Série C

Em novembro de 2018, foi disputada a primeira edição da Série C da Superliga Masculina de Vôlei.

A competição reuniu 7 equipes e foi disputada ao longo de 4 dias, em duas sedes: São José dos Campos-SP e Lavras-MG.

Na sede no interior paulista, ficaram 4 times. Já em Minas Gerais, se enfrentaram as outras 3 equipes.

O primeiro colocado de cada sede teve garantido o direito de disputar a edição seguinte da Superliga Masculina Série B.

Quais são os maiores campeões da Superliga Masculina de vôlei?

Sada Cruzeiro é hexacampeão da Superliga Masculina
Sada Cruzeiro é hexacampeão da Superliga Masculina de Vôlei

Desde que a Superliga Masculina de vôlei foi criada, na temporada 1994/1995, o Sada/Cruzeiro é o maior campeão, com 6 títulos. A equipe que disputa seus jogos em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, ganhou seu primeiro título em 2011/2012 e todas as edições entre 2013/2014 e 2017/2018.

Porém, se for considerada toda a história do Campeonato Brasileiro de vôlei, desde 1976, o maior campeão nacional de voleibol masculino é outro representante de Minas Gerais. O Minas Tênis Clube é heptacampeão brasileiro.

Os 7 títulos do Minas foram conquistados em 1984, 1985, 1986, 1999/2000, 2000/2001, 2001/2002 e 2006/2007 — os 4 últimos troféus foram erguidos já na “era Superliga”.

Em toda a história do Campeonato Brasileiro de vôlei masculino, 16 times foram campeões. Já desde a criação da Superliga, são 12 vencedores.

Para você entender melhor, relacionamos todos esses campeões logo abaixo.

Maiores campeões brasileiros de vôlei masculino

EquipeTítulos
Minas Tênis Clube (MG)7
Sada Cruzeiro (MG)6
V.B. Kirin (antigo Banespa)5
Pirelli (SP)4
Cimed (SC)4
Suzano (SP)3
Ulbra (RS)3
Atlântica (RJ)1
Sesi (SP)1
Unisul (SC)1
Frangosul/Ginástica (RS)1
Paulistano (SP)1
Olympikus/Telesp (SP)1
Botafogo (RJ)1
RJX (RJ)1
Taubaté (SP)1

Lista de campeões do Campeonato Brasileiro de vôlei masculino

AnoCampeãoVice-campeão
1976BotafogoPaulistano
1978PaulistanoFlamengo
1980PirelliFluminense
1981Atlântica BoavistaPirelli
1982PirelliAtlântica Boavista
1983PirelliBradesco/Atlântica
1984MinasBradesco/Atlântica
1985MinasBradesco/Atlântica
1986Fiat/MinasBradesco/Atlântica
1987BanespaPirelli

Lista de campeões da Liga Nacional de vôlei masculino

AnoCampeãoVice-campeão
1988/1989PirelliFiat/Minas
1989/1990BanespaPirelli
1990/1991BanespaFrangosul/RS
1991/1992BanespaPirelli
1992/1993Hoechst/SuzanoRhodia/Pirelli
1993/1994Nossa Caixa/SuzanoPalmeiras/Parmalat

Lista de campeões da Superliga Masculina de vôlei

AnoCampeãoVice-campeãoTerceiro lugar
1994/1995Frangosul/GinásticaNossa Caixa/SuzanoPalmeiras/Parmalat
1995/1996Olympikus/TelespReport/SuzanoFrangosul/Ginástica
1996/1997Report/SuzanoBanespaOlympikus/Telesp
1997/1998Ulbra/DiadoraOlympikusReport/Suzano
1998/1999Ulbra/PepsiReport/Nipomed/SuzanoOlympikus
1999/2000Telemig Celular/MinasUnisulBanespa
2000/2001Telemig Celular/MinasUlbraUnisul
2001/2002Telemig Celular/MinasBanespaLupo/Náutico
2002/2003UlbraUnisulBanespa
2003/2004UnisulUlbra/SPFCTelemig Celular/Minas
2004/2005Banespa/MastercardTelemig Celular/MinasOn Line/Herval
2005/2006CimedTelemig Celular/MinasBanespa/Mastercard
2006/2007Telemig Celular/MinasCimedBanespa/Mastercard
2007/2008CimedVivo/MinasUlbra/Suzano/Uptime
2008/2009CimedVivo/MinasSada Cruzeiro Vôlei
2009/2010CimedBonsucesso/Montes ClarosPinheiros/Sky
2010/2011Sesi-SPSada CruzeiroVôlei Futuro
2011/2012Sada Cruzeiro Vôlei FuturoVivo/Minas
2012/2013RJXSada CruzeiroSesi-SP
2013/2014Sada CruzeiroSesi-SPVôlei Brasil Kirin
2014/2015Sada CruzeiroSesi-SPFunvic/Taubaté
2015/2016Sada CruzeiroVôlei Brasil KirinFunvic/Taubaté
2016/2017Sada CruzeiroFunvic/TaubatéSesi-SP
2017/2018Sada CruzeiroSesi-SPSESC-RJ
2018/2019TaubatéSesi-SPSada Cruzeiro

Maiores campeões da Superliga

  • Sada Cruzeiro: 6 títulos
  • Minas: 4 títulos
  • Cimed: 4 títulos
  • Ulbra: 3 títulos
  • Sesi-SP: 1 título
  • Unisul: 1 título
  • RJX: 1 título
  • Banespa: 1 título
  • Olympikus/Telesp: 1 título
  • Suzano: 1 título
  • Frangosul/Ginástica: 1 título
  • Taubaté: 1 título

A temporada 2018/2019 coroou o Taubaté como campeão inédito da Superliga Masculina.

Com o título da Superliga, o time paulista está classificado para o Campeonato Sul-Americano, uma das principais competições de vôlei do mundo!

*Última atualização em 12 de maio de 2019.

Ficha Técnica
Título
Superliga Masculina de Vôlei: a história e os campeões
Resumo
Criada em 1994, a Superliga é o campeonato brasileiro de vôlei. A competição ajudou a impulsionar o voleibol no Brasil, elevando o nível do esporte no país e sendo um respaldo para grandes campanhas das Seleções Brasileiras masculina e feminina no cenário internacional.
Autor

Comentários

Salvar