Você sabia que a partir da Olimpíada de Tóquio, em 2020, o skate virou esporte olímpico?

Pois é… Muito popular no Brasil, o skate, enfim, agora tem espaço no maior evento esportivo do planeta.

Será a vez de torcermos pelos skatistas brasileiros nas disputas com os grandes astros do resto do mundo.

Mas antes de prepararmos nossa torcida, é hora de ficar por dentro de tudo sobre o skate.

Fique com a gente e conheça todos os detalhes da história do skate!

Como surgiu o skate

O skate surgiu na década de 1950, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos. 

Os inventores foram surfistas, que, em período de maré baixa, colocaram rodinhas de patins junto a uma prancha. Assim, eles criaram o “surfe do asfalto” ou “sidewalk surf”.

A partir dos anos 1960, o skate se tornou mais popular e os equipamentos evoluíram e passaram a ser comercializados. 

Inicialmente, as pranchas eram retangulares. Foi Larry Stevenson, criador da Makaha, quem passou a fabricar skates com pranchas em formato similar às usadas no surfe.

Larry Stevenson desenvolvedor do skate
Larry Stevenson foi responsável por aprimorar os skates e ampliar sua produção

Com mais skates sendo fabricados e desenvolvidos, na década de 1960, também foram disputados os primeiros campeonatos na Califórnia.

Na década seguinte, os skatistas californianos passaram a utilizar piscinas vazias, com o fundo arredondado, como pistas de skate. 

Naquele período, as rodinhas de ferro passaram a ser substituídas por poliuterano, o que ajudou a difundir ainda mais a prática.

Nos anos 80, a modalidade de street foi desenvolvida com o uso de rampas de madeira em locais onde até então não era comum que o skate fosse praticado.

Com a popularização do esporte, o skate se tornou um estilo de vida. Afinal, os skatistas têm uma cultura própria, gírias e roupas características.

Crescimento mundial do skate

Tony Hawk
Tony Hawk ajudou a popularizar o skate e inspirou a criação de jogo eletrônico do esporte

Foi na década de 1990 que o skate ganhou projeção mundial. O grande líder desse movimento foi o skatista norte-americano Tony Hawk.

Considerado o maior skatista de todos os tempos, Tony Hawk estrelou o jogo eletrônico Tony Hawk's Pro Skater, lançado em 1999 para as principais plataformas de videogame.

O jogo e as transmissões de campeonatos tornaram o esporte ainda mais popular e incentivaram a chegada de mais praticantes.

Desde 1995, a ESPN transmite os X Games, que ajudaram a difundir ainda mais os esportes radicais.

Os X Games e as turnês mundiais foram determinantes para o crescimento do skate no Brasil.

Você ama outros esportes além do SK8? Aqui na Esportelândia também falamos sobre:

História do skate no Brasil

No Brasil, o skate passou a ser praticado na década de 1960, sob influência de surfistas norte-americanos. Porém, foi a partir dos anos 1970 que o esporte ganhou mais projeção. 

Em 1974, foi inaugurada em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, a primeira pista da América Latina.

Nos anos seguintes, foram disputadas as primeiras competições, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

A Confederação Brasileira de Skate foi fundada somente em 2000 (CBSk), mas, naquela época, alguns skatistas brasileiros já haviam conquistado projeção mundial.

Bob Burnquist
Multicampeão Bob Burnquist ajudou na popularização do skate no Brasil

Um dos principais atletas brasileiros de todos os tempos, Bob Burnquist foi eleito o melhor skatistas do mundo em 1997. 

O bom desempenho de Burnquist, maior medalhista da história do X Games com um total de 30 medalhas, e outros atletas brasileiros ajudou a atrair mais praticantes para o esporte.

Crescimento do skate no Brasil

O esporte segue crescendo rapidamente no Brasil.

Segundo pesquisa do Datafolha, em 2009, havia aproximadamente 4 milhões de praticantes de skate no país. Seis anos depois, esse número já havia saltado para 8,5 milhões.

Dos aproximadamente 8,5 milhões de skatistas no Brasil, 81% são homens e 19% mulheres.

A maioria dos praticantes (36%) tem idade entre 11 a 15 anos, crianças até 10 anos são 26%, adolescentes entre 16 e 20 anos somam mais 21%. Enquanto 17% têm 21 ou mais.

Diante de todos esses números, concluí-se que a idade média dos praticantes é de 15 anos.

Regras do skate

Não há uma regra que estabeleça uma “receita” do que deve ser feito para vencer.

O ganhador será aquele skatista que demonstrar o melhor desempenho em suas manobras, avaliadas por juízes de acordo com critérios de precisão e dificuldade.

Na competição de Street dos X Games, os skatistas são avaliados em dificuldade, originalidade, manobras realizadas, ligação fluida de truques e o uso de obstáculos.

Letícia Bufoni campeã de Street nos X Games
Brasileira Letícia Bufoni foi campeã de Street nos X Games

Já no Vertical e no Big Air ou Mega Rampa, o skatista campeão será aquele que alcançar a maior nota depois de um número predeterminado de descidas.

Os competidores são julgados com base na execução de manobras, grau de dificuldade, variedade, continuidade de corrida, originalidade e estilo, amplitude e uso da rampa.

No Brasil, a Confederação Brasileira de Skate (CBSk) estabelece as regras para as diferentes modalidades do esporte.

Confira, a seguir, quais são essas modalidades.

Modalidades de skate

  • Freestyle
  • Downhill Speed
  • Downhill Slide
  • Slalom
  • Vertical
  • Street
  • Park
  • Mini-rampa
  • Mega Rampa ou Big Air
  • Skate de dedo

Freestyle

Skate Freestyle

Modalidade mais antiga do skate, freestyle tem manobras feitas em sequência, no chão. O maior responsável por inventar manobras foi Rodney Mullen. 

Nas competições de freestyle regulamentadas pela Confederação Brasileira de Skate, os skatistas são avaliados em quatro quesitos:

  • Técnica
  • Consistência
  • Aspecto Artístico
  • Variedade

Downhill Speed

Skate Downhill

No downhill, é feita a descida de ladeiras na maior velocidade possível. O tempo gasto é cronometrado.

Downhill Slide

Skate Downhill slide

No downhill slide, há a descida de ladeiras em alta velocidade, realizando manobras de derrapagem, que recebem o nome de slides.

Podem ser realizadas manobras tanto de pé no skate como se apoiando no chão.

Slalom

Skate Slalom

O slalom é uma forma de corrida de downhill que ganhou popularidade nos anos 2000. Os skatistas percorrem um percurso normalmente marcado por cones de plástico.

O skatista passa no circuito, alternado entre os cones da esquerda e da direita.

O tempo de descida é cronometrado e penalidades são adotadas se o competidor falhar para completar o circuito ou deslocar cones.

Vertical

Sandro Dias skate vertical

O vertical é a modalidade de skate praticada em uma pista no formato de U, chamada de halfpipe.

As condições da pista podem ser variadas, com a inclusão de rollins, canyons, extensões, trilhos, paredes e até corrimão. 

As manobras podem ser aéreas ou deslizando pela borda metálica da pista.

Street

Skate street

Street é a modalidade mais praticada em todo o mundo. Os bancos, corrimões e escadas são usados como obstáculos para o esporte.

O street é uma das duas modalidades de SK8 que serão disputadas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Park

Skate park

O park é uma das mais novas modalidades do SK8. Trata-se de um bowl com complexidade: transições acima de três metros, banks e alguns elementos de street. 

Os obstáculos “interagem” entre si, ou seja, o skatista consegue completar uma manobra e entrar em outra transição para emendar outras.

Junto com o street, o park é uma das duas modalidades que serão disputadas na Olimpíada de Tóquio.

Mini-rampa

Skate mini rampa

É a modalidade praticada em rampa que mistura os estilo Street e Vertical, com paredes pouco inclinadas.

Mega Rampa

Skate mega rampa

Criada pelo norte-americano Danny Way e aperfeiçoada pelo brasileiro Bob Burnquist, é a modalidade mais radical. 

O skatista desce por uma rampa de quase 30 metros de altura, podendo atingir até 80 km/h.

Em seguida, passa voando por um vão de 20 metros de distância, aterrissando em outra pista.

Por fim, encara um “quarter pipe” de 8 metros de altura, podendo atingir uma altura de 8 metros de aéreo com manobras.

Skate de dedo profissional

Com regras simples, como utilizar apenas os dedos médios e indicadores e não tocar com o polegar, os campeonatos profissionais de skate de dedo são uma febre.

Manejar os mini skates com os dedos deixou de ser brincadeira de criança e, hoje, já conta com campeonatos e atletas disputando títulos ao redor do mundo.

Em 26 de fevereiro de 2000 ocorreu o Primeiro Campeonato Brasileiro de Fingerboard. Ou seja, a brincadeira é tratada com seriedade há mais de 20 anos.

Vá além do mundo do SK8! Confira também nossos outros conteúdos:

Principais campeonatos de skate

Quais são os principais campeonatos de SK8 do mundo?

Para responder essa pergunta, certamente os X Games devem ser citados, mas há outras competições que merecem destaque.

Street League Skateboarding (SLS)

A Street League Skateboarding é  a primeira liga profissional. Criada em 2010, reúne os amantes da modalidade mais praticada do mundo, o street.

Nessa competição, cada manobra é avaliada individualmente e não o conjunto todo, como é feito na maioria dos campeonatos de skate. 

A SLS oferece a maior premiação em dinheiro entre todas as competições do mundo e cada etapa é disputada em uma cidade e/ou país diferente.

X Games

Transmitido pela ESPN desde a década de 1990, o X Games é o mais conhecido entre todos os campeonatos de esportes radicais.

O skatista brasileiro Bob Burnquist é o maior medalhista da história dos X Games. 

Tampa Pro

Disputado em Tampa, na Flórida, o Tampa Pro é um campeonato profissional da modalidade de street.

A cada ano, uma nova pista é projetada para a disputa, que é reconhecida por dar notoriedade a skatistas até então pouco conhecidos.

Você já conhece os principais campeonatos do esporte no mundo, mas sabia que há diferentes tipos de skate? Confira quais são eles logo abaixo!

Tipos de skate

  • Skateboard
  • Longboard
  • Cruiser

Os praticantes do esporte podem encontrar diferentes tipos de skate, utilizados para diferentes finalidades.

Os principais modelos são divididos entre tradicional skateboard, longboard e o cruiser.

Skateboard

Skateboard

Modelo mais tradicional, o skateboard é o mais versátil de todos os tipos.

Pode ser utilizado tanto para locomoção quanto em diversas modalidades, de street, banks e bowls, além de rampas verticais de diferentes tamanhos, incluindo megarrampas. 

O skateboard é mais leve e resistente, e uma ótima opção para executar manobras.

Longboard

Skate longboard

O longboard é o tipo de skate com shapes (pranchas) mais longas do que os outros modelos.

Esse modelo é desenvolvido para melhor rolagem em velocidade, longas distâncias e períodos mais extensos.

Entre os tipos de skate, o longboard é o mais recomendado para quem deseja andar em áreas de asfalto e descidas, como downhill.

Cruiser

Skate cruiser

O modelo cruiser é destinado para locomoção, por possui uma plataforma maior e, consequentemente, mais estável.

Suas rodas são maiores e mais macias que os skateboards tradicionais, possibilitando mais controle em pisos duros e desnivelados.

Benefícios do skate

Os skatistas têm uma cultura própria e fazem questão de mostrar que o skate é mais do que um esporte. 

E isso não acontece pelo simples fato de terem uma paixão em comum no âmbtio esportivo.

Eles desfrutam de uma série de benefícios proporcionados pelo skate, desde preparação física até saúde mental.

Confira alguns benefícios do esporte para seus praticantes:

  • Melhora da coordenação motora e equilíbrio;
  • Ganho de condicionamento físico e aeróbico;
  • Desenvolvimento da flexibilidade e aumento de força;
  • Queima de calorias e emagrecimento;
  • Melhora do sistema cardiovascular;
  • Aumento da concentração;
  • Alívio de estresse, ansiedade e depressão;
  • Adoção de estilo de vida mais saudável;
  • Promoção da socialização.

Para usufruir de todos esses benefícios é fundamental contar com alguns equipamentos, principalmente os de segurança. Saiba mais sobre eles logo abaixo!

Equipamentos de skate

  • Capacete
  • Cotoveleira
  • Joelheira
  • Luvas

Capacete

Capacete de skate

O capacete é o principal equipamento de segurança e é obrigatório em competições do esporte.

Ele protege os skatistas contra possíveis lesões cranianas que podem ser causadas em quedas.

Cotoveleira

Cotoveleira skate

Além de proteger a cabeça, os skatistas devem ter atenção especial aos cotovelos. Afinal, eles são uma das articulações que mais sofrem com as quedas.

Para se proteger e evitar até possíveis fraturas, o skatista deve sempre usar cotoveleiras.

Joelheira

Joelheira skate

Assim como a cotoveleira, a joelheira protege uma das articulações que costumam sofrer ralados e cortes em quedas.

A joelheira também é muito importante na prática em rampas, pois os skatistas podem deslizar de joelhos quando se desequilibram.

Luvas

Luvas skate

Nem todos os skatistas usam luvas, mas, em algumas modalidades, como downhill, elas são fundamentais para evitar machucados e escoriações no contato com o chão. 

Lembre-se que além dos equipamentos de proteção, as roupas podem influenciar no desempenho dos skatistas.

Agora que você sabe tudo sobre skate, já pode ficar de olho na estreia do esporte nos Jogos Olímpicos de Tóquio!

Aproveite para conhecer também sobre a história de outros esportes nas Olimpíadas: