Entenda, com imagens, as principais ações e como funciona a pontuação do beisebol: o que é home run, a contagem de strikes e mais

Para os fãs da MLB de primeira viagem, a pontuação do beisebol pode ser algo confuso. O que é perfeitamente normal.

Chega a ser engraçado como um esporte tão sutil e pausado pode ter tantas ações acontecendo simultaneamente, e todas elas com nomes e variações.

Mas antes de desistir, confira o texto que produzimos abaixo. Com um pouquinho de paciência e uma boa dose de vídeos e imagens, você verá que não é difícil de entender como funciona a pontuação do beisebol.

Se rolar alguma dúvida, não esqueça de conferir os nossos conteúdos explicativos sobre as regras do esporte e sobre o funcionamento da MLB, a principal liga do mundo.

Como se pontua no beisebol?

Foto de estadio da MLB
(Joshua Peacock/ Unsplash)

O beisebol é um esporte que tem tantos termos quanto anos em sua quase bicentenária história. E todos em inglês, claro.

É pitcher para cá, hit para lá, runs, strikes, balls, uma infinidade de palavras. Tudo perfeitamente tranquilo de se entender, mas que pode confundir a compreensão da pontuação. E esta é, na na verdade, muito simples.

Só há uma maneira de se pontuar no beisebol. Como explicamos no texto das regras, faz um ponto um jogador que, depois de rebater a bola, conseguir percorrer as quatro bases do campo sem ser eliminado.

Sim, há uma infinidade de situações que acontecem entre a rebatida e a chegada à última base. São elas que dão o tom da complexidade e da sofisticação do jogo (e que iremos explicar no decorrer do texto).

Mas, para creditar um pontinho, as equipes não têm outro jeito senão ter jogadores pisando, livres, na última base. É como o futebol e aquela música do Skank: “bola na trave não altera o placar”.

Como funciona a pontuação no beisebol?

Jogador de beisebol atingindo uma base
(Brandon Mowinkel/Unsplash)

Estabelecido o objetivo básico do beisebol, fica mais fácil de entendê-lo, assim como suas pontuações. O jogo, afinal, se desenrola na dinâmica entre os ataques tentando passar o máximo de jogadores pela última base e as defesas tentando impedi-los.

A partida, então, acontece a partir da alternâncias dos times entre se defender e atacar. É como no futebol americano, em que cada um tem a sua vez. A diferença é que os mesmo nove jogadores atacam e defendem.

Quando cada um dos times tem a oportunidade de atacar, fecha-se um inning (ou uma entrada). O jogo dura nove destes, ou seja, após cada time ter atacado nove vezes alternadamente.

Assim, ganha o jogo quem, ao final dessas nove entradas, ter somado mais pontos, isto é, ter conseguido passar com mais jogadores pela última base.

O ataque, por sua vez, é definido pela chance de cada um dos nove jogadores rebater a bola e consequentemente tentar percorrer as quatro bases.

Encerradas essa nove chances, os times trocam sua designação: quem estava atacando passa a defender e vice-versa.

Como eliminar um jogador no beisebol?

Há, porém, outra maneira de se encerrar um ataque. Antes dos nove jogadores passarem pelo taco, a defesa pode eliminar três jogadores — no linguajar, conseguir três outs — e forçar a troca de designação.

Podem ser os três primeiros rebatedores, ou o 1º, depois o 3º, depois o 5º, não importa. Three outs, como falam na MLB, e encerra-se o ataque do time naquele inning.

E como eliminar um jogador no beisebol? São três maneiras:

Fly Out

Chama-se fly out quando o atacante tem a sua bola rebatida agarrada pela defesa antes dessa cair no chão.

flyout beisebol

Tag Out

Se a bola rebatida cair no chão, a corrida do atacante é válida. A partir daí é só com o tag out para eliminá-lo.

Chama-se tag out quando um atacante que está na corrida entre bases é eliminado por um defensor que segura bola. Esse defensor pode tocá-lo durante a corrida ou encostar na base para qual o atacante obrigatoriamente se dirige antes dele.

tag out

Strike out

Antes de tudo isso, o arremessador pode eliminar o atacante se conseguir lançar três bolas que este não consiga rebater. Mas as dinâmicas do arremesso explicaremos melhor mais à frente.

Vá além do mundo do Beisebol! Confira também nossos outros conteúdos:

Como funcionam as bases no beisebol?

Como deu para ver acima, não basta ao atacante rebater e correr. É preciso saber para onde mandar a bola e para onde ir — e quando.

Até porque um batter não tem só a opção de cruzar as quatro bases. Ele pode parar em cada uma das outras três bases do campo.

Ele está salvo de qualquer eliminação no momento em que ele pisa numa base antes de a bola chegar até ali. Se ele consegue esse feito, é comum o árbitro — que é quem fica de olho em quem chegou antes de quem — gritar “safe!” (“seguro”).

safe

As corridas e a roubada de base

Na segunda e terceira bases, aliás, é possível ficar por mais de uma rodada, caso o corredor não sinta a situação favorável para progredir. Mas só um jogador pode ficar por base. Na primeira base, que é a qual o rebatedor corre primeiro, isso não é possível.

No momento em que o próximo atacante rebate, o “homem da primeira” precisa começar a correr para a segunda base. É nesse momento que mais acontecem os tag outs relacionados à base, já que não há como voltar atrás nem como ficar parado.

Por isso mesmo, acontece muito a roubada de base. Essa é basicamente a corrida que um atacante que não é o rebatedor faz para a sua próxima base enquanto a bola é lançada. Geralmente, é feita pelo homem preso na primeira base.

roubada de base

Percebeu o que falamos lá no começo? Só há um jeito de pontuar, mas toda uma dinâmica até isso acontecer. É possível, por exemplo, ter quatro corredores em um só lance. E é possível eliminá-los todos também, caso aconteça um flyout com todos fora de suas bases.

Existe, porém, uma maneira do ataque evitar todo esse jogo de gato e rato…

O que é um home run no beisebol?

O home run é a mais famosa pontuação do beisebol. Ele se dá quando um rebatedor acerta a bola para fora dos limites do campo, seja na arquibancada ou fora do estádio, contanto que faça essa viagem dentro espaço válido do campo (que explicamos aqui).

Quando um home run é feito, todos os jogadores de ataque no campo naquele momento automaticamente completam suas corridas à quarta base. Pontuam, portanto. O home run, assim, pode render até quatro pontos de uma vez para a equipe que o fizer.

A lógica por trás é simples. Com a bola fora do limite do campo, o rebatedor certamente teria o tempo de percorrer as quatro bases enquanto a defesa fosse buscá-la. Para poupar o tempo e a energia de todo mundo, as corridas já são instituídas automaticamente.

home run

Como funciona a contagem no beisebol?

Já falamos da pontuação do beisebol, dos ataques, das defesas, das bases e das eliminações. Resta agora falar do que antecede isso tudo, o arremesso. É um duelo pessoal entre o pitcher e o rebatedor, mas não por isso menos interessante. Muito pelo contrário.

Este acontece enquanto uma dessas três coisas não acontecerem:

  • A rebatida, claro
  • O strikeout, que elimina o rebatedor
  • Quatro balls (ou bolas), que dão ao rebatedor a corrida livre até a primeira base

Strike

Não basta ao pitcher simplesmente lançar a bola. Ele precisa acertar uma área demarcada entre o joelho e o peito de rebatedor e com a largura do home plate. Esse retângulo imaginário tem o nome de zona de strike.

Quando o arremessador acerta a bola dentro dessa zona e o atacante não consegue rebatê-la, é contabilizado um strike. Ele é eliminado após três strikes.

Ball ou bola

Agora, quando o pitcher não acerta a zona do strike, o rebatedor tem a opção de não tentar acertar a bola. Quando isso acontece, e o juiz atrás do catcher entende que de fato o arremesso foi fora do retângulo, é contabilizado uma ball ou bola.

Se antes de uma rebatida válida ou três strikes o juiz fizer a contagem de quatro balls, o atacante ganha automaticamente a primeira base e passa o taco para o próximo rebatedor.

Há a possibilidade do rebatedor tentar acertar a bola mesmo com ela lançada fora da zona de strike. Se der certo, o jogo segue; se ele errar, conta-se um strike.

O placar do beisebol

Com todas essas informações em mãos, é ridiculamente fácil ler o placar de uma partida de beisebol, seja na televisão, seja in loco.

O desenho do placar é como se fosse uma tabela. No eixo vertical, são identificados os innings (entradas) e no eixo horizontal os times. O time visitante, que sempre ataca primeiro nas entradas, é sempre o de cima.

A intersecção é, obviamente, a quantidade de pontos que o time fez na entrada. Para saber que momento o jogo está, basta procurar a primeira intersecção vazia, sempre considerando de cima para baixo (e obviamente, da esquerda para a direita).

O ponto anterior é o que está acontecendo naquele instante.

Placar com a pontuação do beisebol
(Clayton Cardinalli/Unsplash)

Na imagem acima, o primeiro ponto vazio é o do visitante na quarta entrada. A partida, portanto, está se desenrolando no ataque dos donos da casa na terceira entrada.

É possível observar vários outros quadradinhos na tabela. Estes também são fáceis de entender. Aqueles que estão logo ao lado do placar, são as indicações das ações totais da partida, também divididas entre times.

São três as ações indicadas:

  • Runs (ou só “R”): todas as corridas à quarta base completas. A pontuação total.
  • Hits (ou só “H”): todas as rebatidas válidas.
  • Errors (ou só “E”): os erros totais do time.

Acima (em muitos placares podem também estar abaixo) do placar estão outras quatro principais indicações:

  • Attacking Batter (“AT BAT”): mostra o número do atacante que está rebatendo/rebateu naquele momento.
  • Strike (“S”): o número de strikes do rebatedor da vez.
  • Ball (“B”): o número de balls ou bolas contabilizados para o pitcher contra o rebatedor da vez.
  • Outs (“O”):  o número de jogadores do time que ataca no inning indicado.

Em outros placares há estatísticas mais avançadas como a velocidade do último arremesso ou o número de rebatidas/erros, entre outros. As indicações acima, porém, são as padronizadas, pensadas para situar o jogo para quem quer que o olhe.

E aí, ficou fácil de entender as ações e a pontuação do beisebol? Então aproveite para conhecer melhor o esporte e a MLB:

* Última atualização em 15 de dezembro de 2020

Salvar