Maradona, Lionel Messi e mais craques históricos: confira a lista dos 10 melhores jogadores da Argentina de todos os tempos

Nápoles, Barcelona, Milão, Madrid…no mapa do futebol, estas e outras cidades já fizeram parte do território argentino. Os responsáveis por isso, claro, são os maiores jogadores da Argentina.

Com seu talento e carisma inigualáveis, estes craques levaram a essência do futebol portenho por onde passaram. E trouxeram de volta idolatrias sem fronteiras. Dentro de seu país, então, não são ídolos, são divindades — ainda que saibamos que só existe um deus argentino.

No texto a seguir, listamos os maiores entre estes atletas, os melhores jogadores da Argentina em todos os tempos. Buscamos, claro, em referências diversas, revirando os craques do passado e trazendo os ídolos recentes — e traçando um pouco da rica história do futebol argentino no processo.

Maiores jogadores da Argentina em todos os tempos

  1. Diego Maradona
  2. Lionel Messi
  3. Alfredo Di Stéfano
  4. Mario Kempes
  5. Ubaldo Fillol
  6. Daniel Passarella
  7. Gabriel Batistuta
  8. Javier Zanetti
  9. Omar Sívori
  10. Juan Román Riquelme

Juan Román Riquelme (10º)

Juan Román Riquelme, um dos maiores jogadores da Argentina

  • Principais clubes: Boca Juniors, Barcelona, Villareal
  • Período em atividade: 1996-2015
  • Jogos pela seleção: 51
  • Gols pela seleção: 17
  • Posição: Meia

Nada mais poético que a 10ª posição para Juan Román Riquelme. O jogador, afinal, definiu por muitos anos a essência da camisa 10. Era, frio, extremamente habilidoso e com uma personalidade grande o bastante para controlar um jogo inteiro, por mais difícil que fosse.

Essa combinação de talento e força mental o capacitaram para não só substituir Diego Maradona no Boca Juniors como fazê-lo conquistando duas Copas Libertadores e a um Mundial Interclubes em três anos no “cargo” — com direito a atuações magistrais nas três finais vencidas.

Riquelme ainda levou o Villarreal a uma histórica campanha na Liga dos Campeões de 2006 e o Boca a mais outro título da Libertadores, em 2007. Só não teve o mesmo sucesso na Seleção Argentina. Mas quem se importa? Seu legado é gigante, assim como sua sala de troféus.

Omar Sívori (9º)

Omar Sívori, um dos maiores jogadores da Argentina
(Arquivo Juventus/LaPresse)
  • Principais clubes: River Plate, Juventus, Napoli
  • Período em atividade: 1954-1969
  • Jogos pela seleção: 11
  • Gols pela seleção: 9
  • Posição: Meia

Antes de Lionel Messi, antes mesmo de Maradona, outro meia argentino, baixinho e canhoto encantou o futebol: Omar Sívori, o nono lugar da nossa lista.

Tido como o “Maradona dos anos 60” (ou fazendo os mais saudosos apelidarem Dieguito de o “Sívori dos anos 80”), Sívori foi, aos 20 anos, o responsável por segurar a peteca de um River Plate em crise econômica.

Primeiro guiou os Millionários a títulos. Depois, patrocinou as obras do Monumental com sua igualmente Monumental venda para a Juventus de Turim. Na Itália, apresentou ao país o que um jogador de sua estirpe pode fazer a um clube e a uma cidade.

Seu sucesso na Seleção alviceleste foi limitado a sua naturalização italiana, algo comum para a época. E com suas vantagens: Sívori foi, ora, o primeiro vencedor da Bola de Ouro, prêmio inicialmente limitado a europeus. Ainda assim, foi um dos maiores jogadores da história da Argentina.

Javier Zanetti (8º)

Javier Zanetti, um dos maiores jogadores da Argentina

  • Principais clubes: Banfield, Inter de Milão
  • Período em atividade: 1992-2014
  • Jogos pela seleção: 143
  • Gols pela seleção: 5
  • Posição: Lateral-direito

Segue a poesia desta lista com Javier Zanetti na oitava posição. O volante/lateral-direito pode não ter mostrado o talento sobrenatural de alguns desta lista, mas foi um líder confiável e absolutamente regular em toda a sua carreira.

E não é como Zanetti não soubesse se virar com a bola. Longe disso. Caso contrário, não seria um dos três jogadores que mais vestiram a camisa da Seleção Argentina (143 jogos) e o atleta que mais vezes atuou pela Inter de Milão (858 partidas).

Vivendo seu auge justamente no período de seca da equipe alviceleste, o eterno camisa oito não tem grandes títulos para comemorar em seu país. O que não o impediu de ser escolhido para a seleção ideal da AFA, a Confederação Argentina de Futebol.

Gabriel Batistuta (7º)

Gabriel Batistuta, um dos maiores jogadores da Argentina

  • Principais clubes: River Plate, Boca Juniors, Fiorentina, Roma
  • Período em atividade: 1987-2004
  • Jogos pela seleção: 77
  • Gols pela seleção: 54
  • Posição: Centroavante

Gabriel Batistuta foi o mais próximo que a Seleção Argentina chegou de ter um Ronaldo Fenômeno para chamar de seu.

Sim, o brasileiro foi melhor, mas o hermano tinha o mesmo faro de gol e um talento grande o bastante para se virar nas mais diversas situações. Até severos problemas no joelho ele teve.

Mas Batigol tem méritos próprios para estar nesta lista. A rara combinação habilidade com um íntimo relacionamento com o gol o fizeram ser por muitos anos o maior artilheiro da história da alviceleste. Hoje em dia é o segundo, com 53 gols.

Daniel Passarella (6º)

Daniel Passarella
Passarella é o maior defensor da história da Argentina
  • Principais clubes: River Plate, Inter de Milão
  • Período em atividade: 1972-1989
  • Jogos pela seleção: 70
  • Gols pela seleção: 22
  • Posição: Zagueiro

Na sexta posição da lista dos melhores jogadores da Argentina, o único a conquistar um bicampeonato mundial com a Seleção, Daniel Passarella. Considerado o melhor defensor da história do país, foi o capitão da Copa do Mundo de 1978 e um valioso reserva em 1986.

Apesar dos 1,74m Passarella mostrava enorme dominância dentro da própria área. Tudo na base da técnica e de um posicionamento preciso — além de uma impulsão assustadora.

Na área adversária, mostrava uma habilidade fora do comum. Não à toa, é o maior zagueiro artilheiro da história do futebol argentino, com 99 gols. Foram 22 só pela Seleção.

Ubaldo Fillol (5º)

O goleiro Ubaldo Fillol é um dos maiores jogadores da Argentina

  • Principais clubes: River Plate, Flamengo, Racing
  • Período em atividade: 1969-1991
  • Jogos pela seleção: 58
  • Posição: Goleiro

Ubaldo Fillol é o único goleiro da lista dos melhores jogadores da Argentina. Convenhamos, uma tarefa complicada dentro desta seleção em que todos, incluindo os defensores, parecem ser íntimos da arte marcar gols.

Idolatrado pelas grandes atuações na conquista da Copa do Mundo de 1978, Fillol é em si uma escola para a posição, especialmente no que diz respeito a agilidade, o reflexo e o uso dos pés para fazer defesas improváveis.

As habilidades, claro, foram eternizadas em grandes palcos. Além da Seleção de 78, o goleiro fez parte de times memoráveis, como o River Plate dos anos 70 e 80 e o Flamengo dos meados de 1980.

Mario Kempes (4º)

O atacante Mario Kempes é um dos maiores jogadores da Argentina
(Steve Powell/Getty Images)
  • Principais clubes: Rosario Central, Valencia, River Plate
  • Período em atividade: 1972-1996
  • Jogos pela seleção: 43
  • Gols pela seleção: 20
  • Posição: Centroavante

Mario Kempes merecia um lugar nesta lista só por ser capaz de rivalizar com ninguém menos que Diego Maradona dentro da Argentina.

No anos oitenta o Pibe começava a brilhar no Boca Juniors enquanto El Matador dava seus últimos passos no River Plate. Ambos ganharam títulos e esquentaram o futebol nacional. Uma época de ouro para o futebol argentino.

Mas Kempes já era um dos melhores jogadores da Argentina antes mesmo da disputa com baixinho. O atacante foi simplesmente o artilheiro e grande craque alviceleste da Copa do Mundo de 1978, com direito a seis gols nos últimos três jogos — incluindo, claro, a grande final contra a Holanda.

O Mundial de 78 mostrou bem as facetas do atacante, os gols e os títulos. Além de Seleção e River, Kempes levantou canecos e liderou artilharias no Rosario Central, e na Espanha, pelo Valencia.

Alfredo Di Stéfano (3º)

melhores jogadores do campeonato espanhol di stefano

  • Principais clubes: River Plate, Real Madrid
  • Período em atividade: 1943-1966
  • Jogos pela seleção: 6
  • Gols pela seleção: 6
  • Posição: Atacante

Alfredo Di Stéfano é inegavelmente um dos melhores jogadores da história da Argentina. Mas tinha um talento que não podia ser contido numa única nacionalidade.

Ele está, ora, na lista de maiores artilheiros do Real Madrid, da Seleção Espanhola, do Millionários da Colômbia e do Campeonato Espanhol como um todo. Também tem títulos nacionais e artilharias com o River Plate, onde ajudou a manter a “Máquina” dos anos 40.

Nos três lugares em que atuou, fez uma jornada dupla nos selecionados nacionais. Foram inclusive seus jogos “clandestinos” pela seleção colombiana que o fizeram ser punido pela FIFA e perder as Copas do Mundo de 1950 e 1954.

Acabou por se naturalizar espanhol e só não jogou a Copa de 1958 por uma lesão. “Azar da Copa”, diria a máxima popular, de perder um homem como Don Alfredo. Habilidoso e de fino trato com a bola, o meia-atacante lia os espaços de maneira muito inteligente. E ainda participava de todos os momentos do jogo.

Di Stéfano foi realmente muito à frente o seu tempo.  E de sua geografia também; foi eleito, ora, o melhor jogador europeu do século XX. Mesmo nascido em Barracas, Buenos Aires.

Lionel Messi (2º)

Lionel Messi na Seleção Argentina
Lionel Messi é o maior artilheiro da história da Seleção Argentina
  • Principais clubes: Barcelona
  • Período em atividade: 2005-
  • Jogos pela seleção: 142
  • Gols pela seleção: 71
  • Posição: Atacante

Lionel Messi está na segunda colocação desta lista, mas poderia facilmente estar na primeira.

Vencedor de seis prêmios de melhor do mundo, de três títulos da Liga dos Campeões e do Mundial Interclubes, 10 do Campeonato Espanhol, sem contar na infinidade de recordes de artilharia, é o mais bem-sucedido entre todos os jogadores argentinos.

Seu talento, que combina a habilidade sul-americana com a objetividade europeia, criou uma posição própria dentro de campo e literalmente transformou o jogo de futebol que se pratica atualmente no mundo.

Há quem diga que Messi só não é alçado ao posto de melhor pela falta de uma Copa do Mundo; outros, a inexistência de uma carreira na sua terra natal e portanto uma menor conexão com o torcedor argentino.

Ambos, no entanto, ainda podem ser remediados. O que certamente não falta ao craque é a entrega à seleção de seu país. Leo é o maior artilheiro da história da alviceleste e caminha para se tornar o jogar que mais a vestiu em jogos oficiais.

Diego Maradona (1º)

Diego Maradona, ex-jogador de futebol

  • Principais clubes: Boca Juniors, Napoli
  • Período em atividade: 1976-1998
  • Jogos pela seleção: 91
  • Gols pela seleção: 34
  • Posição: Meia-atacante

Nunca houve no mundo alguém como Diego Armando Maradona, um craque escancaradamente humano e de feitos absolutamente divinais. Un Díos, por supuesto.

Maradona foi quem melhor representou as facetas da paixão do povo e do futebol argentino. Foi um ícone que ultrapassou a esfera do esporte com a mesma facilidade com a qual driblava um adversário. E o líder indiscutível da lista dos melhores jogadores da Argentina.

No Argentinos Juniors, onde foi revelado, virou nome de estádio. O mesmo aconteceu em Nápoles, com a diferença da homenagem ter sido póstuma. No Boca Juniors, ganhou um camarote em lugar nobre na Bombonera; no Gimnasia, último lugar em que trabalhou na vida, recebeu um trono.

Não se engane, todo esse reconhecimento, essa devoção, não foi fruto apenas de um personagem carismático e original. Foi construída na base de gols, de títulos, de jogadas geniais. De verdadeiros shows dentro de campo.

Ao Napoli, por exemplo, deu os dois únicos títulos de Campeonato Italiano de sua história; ao Boca e ao Barça, troféus e momentos preciosos de seu auge físico. À Seleção Argentina, bom, a sua vida.

Com a 10 da alviceleste, Dieguito foi campeão da Copa do Mundo de 1986 com atuações absolutamente sensacionais. A partida contra a Inglaterra, da Mano de Díos e do antológico gol em que dribla uma infinidade de ingleses desde o meio campo, talvez seja a sua grande obra prima.

Sem o mesmo brilho mas com a mesma autoridade, Maradona classificou a Seleção e depois a liderou à final da Copa de 1990, perdida para a Alemanha. E vai saber aonde chegaria a equipe de 1994 sem a sua suspensão por doping.

Tudo que Diego Maradona fez em vida seguiu essa dualidade humana/divina, dos seus feitos mais fantásticos ao seus mais catastróficos erros. Por essas, por outras, por tudo, ele é, e muito provavelmente sempre será, o melhor jogador argentino de todos os tempos.

E aí, o que achou da lista dos maiores jogadores da Argentina? Confira outras listas de craques do futebol mundial:

*Última atualização em 26 de janeiro de 2021

Salvar