Entenda a trajetória de Duzão e Cairo Santos na NFL: os times, as posições e as trajetórias até a grande liga de futebol americano

Não estamos muito acostumados a ver brasileiros na NFL, mas que eles estão lá, estão.

São poucos, claro. Natural para um país em que a popularidade do futebol americano só não é mais recente que sua prática competitiva. Mas são esses casos, essas histórias que deixam a liga e o esporte todo ainda mais divertidos de se acompanhar e se torcer.

Entre os brasileiros na NFL, há um judoca que saiu da fazenda para proteger uma das melhores personalidades do campeonato e um boleiro que fez história em sua temporada como jogador universitário.

As trajetórias, as carreiras e os desempenhos dos nossos representantes na mais rentável liga esportiva do mundo você confere no texto abaixo.

Cairo Santos: o primeiro brasileiro na NFL

O primeiro brasileiro a jogar na NFL foi Cairo Santos. O kicker estreou em 2014 no Kansas City Chiefs, franquia pela qual atuou até 2017.

Nesse período, participou de 51 jogos da temporada regular. Seus percentuais de aproveitamento de field goals sempre ficaram acima dos 80% e nos extra points no mínimo 92%. Esteve também em três partidas de pós-temporada entre 2015 e 2016 e acertou absolutamente todos seus chutes de pontuação.

De 2017 em diante conviveu com lesões e problemas extra campo. Pulou entre Chicago Bears, Los Angeles Rams, Tampa Bay Buccaneers e Tenessee Titans e não chegou a fazer vinte jogos. Sua média de FG caiu bastante, só chutando acima dos 80% nas duas partidas que atuou pelo Rams.

Em 2020, foi contratado mais uma vez pelo Chicago Bears, numa muito bem-vinda segunda chance na carreira e no time.

Cairo Santos no Kansas City Chiefs
O Kansas City Chiefs foi a franquia pela qual Cairo mais jogou

A temporada perfeita de Cairo Santos no College

A trajetória de Cairo Santos até a NFL não é lá muito diferente de um jogador profissional estadunidense. O brasileiro jogou pelo time da Universidade de Tulane, no estado de Nova Orleans, mas não foi draftado.

A sua ausência nas listas de escolha das franquias foi um tanto surpreendente. Dois anos antes do draft de 2014, Cairo fez uma temporada perfeita. O brasileiro acertou todos os 24 field goals, um deles, de 57 jardas, bateu o recorde de distância da sua Universidade.

O ótimo ano de 2012 rendeu o Lou Grouza Award, que premia o melhor kicker da temporada da NCAA. De qualquer maneira, em 2014 Cairo Assinou com o Kansas City Chiefs. Lá, bateu o recorde da franquia de aproveitamento de chutes e de field goals feitos numa única partida.

Duzão, o judoca brasileiro na NFL

Durval Queiroz Neto alcançou outra marca histórica. Foi o primeiro jogador brasileiro de linha a estar num time da NFL. Duzão, como é chamado por aqui — nos EUA sua camisa é estampada com o sobrenome Queiroz —, foi contratado pelo Miami Dolphins em 2019.

Originalmente um Defensive Tackle, o brasileiro alterou sua posição para um Guard após alguns meses de treinos no Dolphins. Se antes seu objetivo era derrubar os quarterbacks adversários, sua missão agora é proteger o lançador do seu próprio time.

Na franquia de Miami, as jogadas são armadas pelo jovem Tua Tagovailoa, quinta escolha do Draft de 2020, e pelo veterano Ryan Fitzpatrick, eleito a quarta melhor personalidade da NFL em 2020.

Duzão ainda não entrou em campo em partidas oficiais. Na metade de 2019, foi realocado para a Practice Squad do Dolphins, uma espécie de equipe B para os atletas se desenvolverem enquanto esperam uma oportunidade. Ainda assim, as perspectivas são boas: em 2020, o jogador teve seu contrato renovado.

Brasileiro Duzão durante treino do Miami Dolphins
Duzão assinou contrato de três anos com o Dolphins (Divulgação/NFL)

A descoberta de Duzão no NFL Undiscovered

O caminho de Duzão para a NFL foi um pouco mais longo. Lutador de judô na juventude, tendo vencido algumas edições do Campeonato Brasileiro de Juniores, o atleta se aproximou do futebol americano um pouco antes de começar a cursar engenharia agrônoma.

Não só seu porte físico era vantajoso como ele parecia ter jeito para a coisa. Em 2011, chegou a receber uma proposta para cursar o último ano do colegial nos EUA e tentar o caminho da NFL via NCAA.

Duzão fez a faculdade por aqui mesmo. Só que o sonho de cuidar da fazenda do pai acabou substituído por tornar-se jogador profissional de futebol americano. A rota foi um tanto tortuosa, mas bem-sucedida.

Em 2017, atuou pela Seleção Brasileira; em 2018, começou a receber seu primeiro salário, cerca de 65 vezes menor do que o recebido semanalmente na NFL. Em 2019, o sonho: por meio do NFL Undiscovered, programa de garimpo de talentos internacionais para a Liga, foi selecionado e contratado pelo Miami Dolphins.

Vá além do Futebol Americano:

Os brasileiros que bateram na trave

Os caminhos de Duzão e Cairo Santos são bastante diferentes mas há uma coisa em comum: a raridade. A concorrência para uma vaga na NFL é enorme já entre estadunidenses. Para atletas de lugares de pouca tradição no futebol americano, maior ainda.

Que o diga o Offensive Lineman Otávio Amorim, que passou pelo mesmo processo de Duzão no NFL Undiscovered 2020, mas não conseguiu um contrato na Liga. O ex-jogador do Timbó Rex, chegou a passar pelo combine, série de rigorosos testes físicos e psicológicos, mas não bateu a concorrência na fase final.

Mais perto ainda chegou o kicker Maikon Bonani, que em 2013 assinou contrato com o Tenessee Titans, foi dispensado e contratado novamente em 2014. Infelizmente, não chegou a fazer nenhum jogo oficial, atuando somente na pré-temporada.

Bonamini durante treino do Tenesse Titans
Bonani foi outro que chegou na NFL após anos no futebol americano universitário. (Reprodução/Tenessee Titans)

Giacomini, Blankeship e os filhos de brasileiros na NFL

O maior sucesso do Brasil na NFL é de Breno Giacomini. Filho de mineiros de Governador Valadares mas nascido e criado em Cambridge, Massachusetts, o jogador foi campeão da NFC e do Super Bowl em 2014, jogando pelo Seattle Seahawks.

Transitando entre um Offensive Tackle e um Right Tackle, Breno foi draftado pelo Green Bay Packers em 2008 e teve maior destaque jogando pelo New York Jets, onde foi titular absoluto por duas temporadas.

A última franquia pela qual atuou foi o Houston Texans, em 2017. Chegou a ser contratado pelo Oakland Raiders em 2018, mas ficou somente na Practice Squad.

Quem agora segue seus passos é o kicker Rodrigo Blankeship, filho de uma brasileira. Formado da Universidade de Georgetown, onde também recebeu o troféu Lou Grouza, Rodrigo foi contratado pelo Indianapolis Colts em 2020 após um período no mercado de não-draftados.

Nascido e criado em Marietta, Geórgia, o kicker ficou com a vaga do veterano Adam Vinatieri. Para isso, teve de vencer a concorrência do experiente Chase McLaughlin.

Breno Seahawks comemorando um touchdown do Seattle Seahawks
Breno fez quase 100 jogos de NFL na carreira. (Reprodução/Associated Press)

Depois de conferir os brasileiros da NFL, aproveite agora para ler mais conteúdos sobre futebol americano:

*Última atualização em 8 setembro de 2020

Comentários

Salvar
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin