Conhecer sobre a categoria bodybuilder pode ser a chave de entrada para muitos nesse universo do fisiculturismo.

Desde os primórdios do esporte, os atletas já disputaram nesta categoria, que traduzindo, seria o real significado do culturismo: “Construção de corpos”.

Sendo assim a mais antiga, porém a mais chamativa até hoje, é nesta classe que podemos separar os “homens dos meninos”.

Pois a mesma exigirá físicos que combinam extremamente os três pilares do fisiculturismo: volume muscular, condicionamento e simetria/proporção.

Por outro lado, para explicar melhor seus detalhes e introduzi-la com eficácia para quem ainda não a conhece, preparamos este artigo no qual definirá o que é a categoria Bodybuilder.

Big Ramy, atual campeão da categoria. Reprodução/W.Wittmann

O que é a categoria Bodybuilder?

A Bodybuilder é a principal categoria do culturismo como um esporte em geral.

Além disso, pelo simples fato de ser a mais antiga, ela mostra o real significado do que é ser fisiculturista.

Tendo em vista o fato de ter revelado os nomes mais importantes da história do fisiculturismo, sua história pode ser contada com a saga que envolve o esporte.

A Bodybuilder na história

Desde a criação de uma cultura de apreciação de corpos, ainda na Grécia, muitos já levantavam as questões sobre até onde o corpo humano consegue chegar.

Sendo assim, no início do Séc.XX, iniciou-se a configuração do culturismo como conhecemos atualmente, com um homem mostrando seus músculos sobre um palco.

Assim, o termo de “bodybuilding” foi designado para tais atletas que tinham como objetivo transformar sua estrutura muscular utilizando apenas, na época, dieta e treino.

Com isso, após algumas dezenas de anos, entusiastas do fisiculturismo começaram a utilizar maneiras de melhorar o físico a uma configuração sobre-humana (sim, estou falando de esteroides anabolizantes).

Desta maneira, os olhos do público mundial se voltaram ao esporte de apreciação de corpos, pois não era comum olhar para músculos tão grandes e perfeitos.

Logo, no início desta popularização (que durou até o final do Séc. XX), o mais fisiculturismo só tinha uma categoria: a Bodybuilding.

Por fim, a bodybuilding, além de ser a classe mais antiga, é a que acompanha o esporte com todas suas lendas: Ronnie Coleman, Phil Heath, Arnold Schwarzenegger, Jay Cutler e muitos outros.

Como é um físico de um Bodybuilder?

Phil Heath, uma das lendas do esporte. Reprodução/Texas_Bodybuilding

Agora que você já tem uma noção maior, porém não tão detalhada, de como surgiu o fisiculturismo e a importância da categoria Bodybuilder no esporte, separamos abaixo algumas indicações que podem servir como configurações prévias de um físico desta classe.

Desta maneira, o que define o campeão é o corpo mais próximo extremo do que um humano pode alcançar:

  • Máximo volume muscular.
  • Máximo condicionamento;
  • Simetria e proporções adequadas.

Além disso, uma maneira simples que pode fazer com que o público leigo diferencia um Bodybuilder de um Classic Physique, por exemplo, são suas sungas.

Para ter maior evidência de grupos como glúteo e reto femoral, a sunga usada por atletas desta classe são bem menores.

Por fim, vale dizer também que além do tamanho diferente, o atleta pode personalizá-la conforme quiser, podendo escolher a cor do acessório.

Quais são as poses da categoria Bodybuilder?

Top 4 da Open no Arnold Classic Ohio 2021. Reprodução/ W.Wittmann

Assim como na categoria Classic Physique, a Bodybuilder também possui um quarto de voltas, onde o atleta precisa apresentar seu corpo dos dois lados, de frente e de costas.

Desta maneira, ainda na mesma base de comparação, esta classe também possui o peitoral melhor lado, duplo bíceps de frente e de costas e a pose de abdominais e coxa.

Além disso, a Bodybuilder possui o tríceps melhor lado, em que o objetivo é mostrar tanto as pernas quanto o tríceps do atleta.

Por fim, enquanto na Classic temos a “pose clássica favorita”, na Body temos a “mais musculoso”, onde o objetivo é mostrar o máximo de músculos em apenas uma só pose.

 

A divisão da categoria

Diferentes de outras classes, a categoria Bodybuilder apresenta uma divisão de atletas, sendo que só é possível realizar a escolha após conquistar o cartão profissional.

Assim, quando o atleta ainda é amador, ele disputa o mesmo palco contra todos os outros competidores. Não importando o tamanho nem o peso de cada bodybuilder.

Por outro lado, quando os mesmos se tornam profissionais, há uma decisão a ser tomada: ir para a 212 ou ir para a open.

Vale dizer que não há diferenças entre as duas em questões de poses, coreografias ou até mesmo no shape. O que muda entre essas alternativas é o peso e a altura.

Assim, enquanto na 212 o atleta tem que bater peso (212 pounds ou 96 kg), na open é todo mundo contra todo mundo, sem peso para ser batido.

Desta maneira, a 212 acabou sendo destinada somente para competidores com estaturas mais baixas, já que quanto menor o tamanho, mais fácil é atingir um volume muscular alto dentro de um peso pré-estabelecido.

Principais nomes da open/212

A open possui muitos atletas históricos, que vão desde a década de 1940 até os dias atuais. 

Com isso, nomes como Franco Columbu, Arnold Schwarzenegger e Frank Zane são alguns dos atletas da famosa Golden Era do fisiculturismo (de 1960 até 1990).

Por outro lado, nos anos que permeiam entre o fim do século passado e o começo do atual, outros famosos nomes ganharam destaque, como:

  • Ronnie Coleman;
  • Jay Cutler;
  • Markus Ruhl.

Atualmente, o com maior destaque é o iraniano Big Ramy, bicampeão da categoria no Mr. Olympia.

Além dele, é possível citar nomes presentes como na open, como Phil Heath, Brandon Curry, Hadi Choopan e os dois jovens atletas Hunter Labrada e Nick Walker.

Categoria Bodybuilder
A jovem sensação Nick Walker sendo campeão do Arnold Classic Ohio em 2021. Reprodução/W.Wittmann3

Nomes na 212

Por outro lado, quando se trata da categoria 212, outros nomes ganham bastante destaque nos últimos anos, como Shaul Clarida, Flex Lewis e Eduardo Correa.

Este último, inclusive, colocou o Brasil na história da 212 quando disputou durante os anos de 2010 a 2020 o título de Mr. Olympia com o americano Flex Lewis.

Dentro disso, infelizmente ele nunca teve a oportunidade de levantar o tão sonhado troféu. Sendo que sua melhor posição foi um contestado (pois merecia o 1°) 2º lugar em 2014.

Da mesma forma, Rafael Brandão, uma das jovens promessas nacionais da categoria open, estreará no campeonato mundial em 2022 com grandes olhares voltados para ele.

Categoria Bodybuilder
Reprodução/Sytnick.photo

Com isso, é possível citar outros brasileiros com grandes potenciais, como William Martins, Felipe Moraes e Lucas Coelho.

Por fim, vale dizer que este último nome foi o primeiro a pisar nos palcos da 212 dentro do Mr.O. após uma série de lesões que impediram uma nova participação de Corrêa no campeonato.

Lucas
Lucas Coelho em uma atualização no seu Instagram pessoal.

Imagem destacada: reprodução/Chriss Nicoll.