Confira nosso guia (com gifs) de arremessos no beisebol: todos os tipos, os mais rápidos e os principais lançamentos dos pitchers

Os arremessos no beisebol são os momentos do jogo onde há a maior reunião de técnicas, de história, de possibilidades de debate. Talvez seja o mais rico aspecto do esporte.

Existem diferentes tipos de lançamentos, e cada um possui uma diversidade própria de modalidades — sem falar nas assinaturas pessoais dos arremessadores para cada bola, com posições específicas de dedos, de movimentos do braço, do punho, do corpo…

O texto a seguir não conseguiria dissecar todas a complexidade do assunto. Mas consegue reunir, listar e explicar todos os tipos de arremessos no beisebol, dos principais aos mais raros. Então vamos nessa, com olho na bola e cuidado com o strike!

Tipos de arremessos no beisebol

Existem treze diferentes arremessos no beisebol. Alguns são bastante diferenciados, outros bem similares entre si, mas com sutilezas na trajetória da bola que tornam o desafio da rebatida completamente distinto de um para o outro.

Esses treze lançamentos estão divididos em três categorias, em três tipos de arremessos, separados principalmente pela posição de mão e dedos na bola e pelo tipo de viagem que esta faz até chegar no home plate. São eles:

  • Bolas rápidas (Reta ou Fastball)
  • Offspeed
  • Bolas de efeito (Breaking ball)

A bola rápida é a que, como diz o nome, aposta na velocidade. Tem uma trajetória mais regular (por isso chamada também de “bola reta” no Brasil) e a sua mudança de direção é geralmente mais brusca.

Os arremessos Offspeed também são precisamente definidos pelo nome. São bolas que perdem  a velocidade (“Off”=fora; “speed”= velocidade) ao final da viagem, feitos de maneira a confundir o batedor .

Já as bolas de efeito são as que, além de ter variações na sua trajetória, giram e rodam durante a viagem. A ideia desse tipo de lançamento é não só atrapalhar a visão do rebatedor mas dificultar a precisão da rebatida.

A seguir, mergulharemos dentro de cada lançamento, com imagens e uma explicação objetiva dos movimentos e trajetórias que os caracterizam.

Arremessos de bola rápida

  • Bola rápida de 4 costuras
  • Bola rápida de 2 costuras
  • Cutter
  • Sinker
  • Splitter

Bola rápida de 4 costuras

https://lh3.googleusercontent.com/proxy/WD9EXcsldUKMuXomopCyEl9MVSjm2pZmBHAiXCePhbX0gcgVYxG92M90sL1iNHEA_2P0LjgHWs1bq1usx8bWBqAOIne9l_Uoo8nPl6b--1t_HFC39RHGkRFPN-AP50hQPvb9vA

A fastball de quatro costuras é o arremesso mais rápido do beisebol, podendo ir além de 160 km/h. É assim chamado pela maneira em que se segura a bola, com os dedos apoiados em quatro pontos da sua costura.

Neste arremesso, a bola parece se “esticar”, com uma leve subida ao final, para dar um último obstáculo ao rebatedor

Bola rápida de 2 costuras

https://i.imgur.com/p6JtUqi.gif

A fastball de duas costuras é um dos principais arremessos no beisebol. É um pouco mais lento que a de quatro costuras, mas conta com um espaço para, digamos, a personalização do pitcher, que pode fazer a bola variar um pouco mais em sua viagem.

O nome, como você deve imaginar, também se dá pela maneira em que a bola é segurada, com apenas dois pontos da costura tocados pelos dedos.

Cutter

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/PalatableDisfiguredElkhound.gif

cutter, ou cut fastball, é um dos mais enganadores arremessos no beisebol. O nome descreve bem a armadilha que ela arma para o rebatedor, fazendo um “corte” na trajetória e guinando a bola para outra direção bem perto do final da viagem.

Mariano Rivera, lendário pitcher do New York Yankees, era um especialista nesse tipo de lançamento. Era de longe o seu preferido, e todo mundo sabia disso. Difícil era saber quando e para onde a bola ia cortar.

Sinker

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/ChillyMistyArthropods.gif

O sinker é um dos mais famosos arremessos no beisebol. Sua lógica é similar ao do cutter. A diferença é que, ao invés da guinada para os lados, a bola afunda no fim da trajetória, dificultando bastante a rebatida.

Splitter

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/UnequaledNimbleKoalabear.gif

Dá para dizer que a splitter é uma variação da sinker. A diferença técnica está no maior afeito aplicado na bola, que gira muito mais. A diferença visual está na “agressividade” da queda, que acontece de maneira mais rápida e muitas faz a bola tocar o chão.

Este arremesso, portanto, é mais arriscado. Se cai muito antes, pode ser contado um wild pitch; se ele não sai corretamente, pode dar uma bola facilmente convertida num home run.

Arremessos de offspeed

  • Changeup
  • Circle change

Changeup

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/ImperfectDismalKingbird.gif

O changeup é uma bola cheia de artimanhas, que busca enganar o rebatedor em duas oportunidades diferentes.

Primeiro, é um arremesso que se assemelha na saída a uma fastball de 4 costuras, mas que perde a velocidade e cai um pouco para o lado. Se o rebatedor se adianta no movimento para equiparar a rapidez de uma bola rápida, acaba com um strike fácil.

Depois, a trajetória da bola em si já é confusa, com um giro muito rápido que a faz variar sutilmente.

Circle change

https://i.imgur.com/nHkpGpi.gif

A circle change não deixa de ser um variação da change up. Se esta ludibria um rebatedor que se preparara para uma bola reta de 4 costuras, aquela se passa por uma de duas costuras.

Para isso, a flutuação de sua trajetória deve ser lateral. É comum inclusive que a bola caia para o lado da mão do arremessador — fazendo dela ideal para pitchers com a mão dominante oposta ao do rebatedor.

O giro empregado na bola faz deste um do mais bonitos arremessos no beisebol.

Arremessos de bola de efeito

  • Bola de Curva
  • 12-6 Curve
  • Slider
  • Slurve
  • Knuckleball
  • Eephus

Bola de Curva

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/ElaborateDeliciousBufeo.gif

A bola de curva, ou curveball, é outro dos mais populares arremessos no beisebol. Quando arremessada, a bola não sai tão veloz, e vai perdendo velocidade e altura quase que simultaneamente, além de ter uma trajetória praticamente lateral.

Trata-se de um lançamento estratégico. Num primeiro momento, parece buscar um strike, mas o seu desenvolvimento busca mais um erro do rebatedor. Um bom artifício para as batalhas mentais que acontecem entre entre o pitcher's plate e o home plate.

12-6 Curve

https://lh3.googleusercontent.com/proxy/SKsQqe82Mj77OaWrDJF0dz9_uGXZ4xTkddZyq_z9UWAdP6HBrzqN8CYPpc3dUsEfaFHTolEORDaZ82ppHsyHLk9d1ADgWFqSfFSYsTqKfL_GPMKwdILEcdXihFNsTXc

A 12-6 curve é uma variação um pouco mais ousada da curveball, com uma trajetória mais vertical. O nome, inclusive, se refere ao caminho que a bola faz até o home plate, como se alcançasse as 12 horas (ponto mais alto) e as 6 horas (ponto mais baixo) de um relógio.

Como é comum em bolas de efeito, é um lançamento para ser usado estrategicamente, de forma a tirar o rebatedor de sua zona conforto.

Slider

http://www.baseball-pitching-tips.com/images/JealousDistantCicada.gif

O slider é outro dos arremessos no beisebol que são muito legais de se assistir. E um baita complicador de rebatedores.

No slider, a bola traça uma trajetória curvilínea desde o começo, mas com uma aceleração no final que costuma dificultar bastante as rebatidas. A ideia por trás dele é induzir o rebatedor a se preparar para a bola de um lado e ela “escapar” para o outro.

Slurve

https://blogs.fangraphs.com/wp-content/uploads/2014/07/AndersonCurve11.gif

O slurve é um arremesso que combina as bolas de slide com as curveballs.

A sua trajetória é mais similar ao da slide, sem muitas variações na direção, mas traçando uma curva clara. A sua queda que é mais parecida com as curveballs, mais acentuada e acelerada.

É outro dos arremessos usados para quebrar o ritmo do rebatedor, se necessário.

Knuckleball

https://www.jotdown.es/wp-content/uploads/2013/01/R.A.-Dickey-knuckle.gif

A knuckleball é a bola de um arremesso raríssimo, até porque é de uma execução bem difícil — e completamente imprevisível.

Nela os dedos indicador e médio são fincados no topo da bola e a empurram depois que a base, formada pelos dedos anelar e polegar, a liberam. A força, portanto, do lançamento está nos knuckles, nas juntas dos dedos.

Este arremesso tem o objetivo de confundir completamente o rebatedor, já que não tem uma trajetória nem velocidade características.

Eephus

https://miro.medium.com/max/945/1*6Q6DDWXPPdyXjaE2425uTA.gif

Outros dos mais raros arremessos no beisebol, o eephus é o correspondente do saque “jornada das estrelas no vôlei”. A bola, assim, é jogada para o alto, lenta, e cai de maneira veloz e de difícil cálculo para o rebatedor.

Mal executado, este lançamento é uma bola perfeita para um home run. Mas quando bem feito, gera lances curiosos. Dá quase um nervoso de ver a trajetória da bola, de tão devagar que é.

https://miro.medium.com/max/636/1*1rv1_pjcDtHcRyODQMLAYw.gif

Agora que você conhece todos os tipos de arremesso do beisebol, aproveite para conferir outros conteúdos Esportelândia para se aprofundar no esporte:

*Última atualização em 29 de janeiro de 2021

Salvar