Caio Oliveira de Sena Bonfim, natural de Sobradinho e nascido em 19 de março de 1991, é um atleta brasileiro especializado nas modalidades de marcha atlética de 20 km e 35 km.

Destaca-se especialmente na marcha de 20 km, onde conquistou a medalha de bronze nos Campeonatos Mundiais de Atletismo de Londres 2017 e Budapeste 2023, além de ter alcançado o 4° lugar nos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Também conquistou a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de 2019 e 2023. Caio Bonfim é reconhecido como o recordista brasileiro em ambas as distâncias.

Início da carreira de Caio Bonfim

A decisão de se dedicar à marcha atlética foi tomada ainda na adolescência, um momento crucial de escolhas e crescimento pessoal. Consciente das dificuldades que poderiam surgir, Caio optou por trilhar esse caminho, mesmo ciente dos obstáculos que encontraria.

Um dos principais desafios enfrentados por Caio Bonfim foi o apoio financeiro, algo fundamental para qualquer atleta de alto rendimento. No Brasil, onde a cultura esportiva ainda não é tão consolidada, encontrar esse suporte pode ser uma tarefa árdua.

Apesar de ter recebido o apoio inicial da família, Caio também enfrentou desafios morais, enfrentando o incompreendimento e o preconceito de algumas pessoas ao seu redor.

Mesmo com o incentivo dos pais, não foi fácil lidar com a incompreensão dos colegas de escola e até mesmo dos professores, que não entendiam a intensa rotina de treinos e competições de Caio Bonfim.

O atleta acredita que, embora a luta por uma medalha olímpica seja árdua, superar as barreiras diárias impostas pela falta de apoio e o preconceito pode ser ainda mais desafiador.

Treinar nas ruas, enfrentando olhares de desdém e comentários jocosos, exigia não apenas preparo físico, mas também força mental. Caio descreve a sensação de treinar como se estivesse “jogando fora de casa todos os dias”, sempre enfrentando uma atmosfera hostil.

Mesmo após ingressar na universidade, Caio continuou a enfrentar as mesmas dificuldades. Ele escolheu cursar educação física, uma decisão que, para ele, aproximava-o mais do esporte que tanto amava.

No entanto, mesmo nesse ambiente acadêmico, o apoio financeiro continuava escasso, o preconceito persistia e as piadas depreciativas eram constantes.

Apesar de todas as adversidades, Caio Bonfim persistiu e se tornou um dos grandes nomes da marcha atlética nacional e internacional.

Sua história é um exemplo de determinação, superação e resiliência, inspirando não apenas outros atletas, mas a todos que enfrentam desafios em busca de seus sonhos.

Olimpíadas

Caio Bonfim foi qualificado para competir em sua estreia olímpica nos Jogos de Londres 2012, após assegurar o índice e conquistar a medalha de ouro no Campeonato Sul-americano de Marcha Atlética.

Mas não teve um desempenho satisfatório, encerrando a prova em 39° lugar entre os 48 atletas que a completaram, registrando o tempo de 1:24:45.

Nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, obteve o melhor resultado da história do Brasil na marcha atlética, finalizando a competição de 20 quilômetros, sua especialidade, na quarta posição com o tempo de 1:19:42.

Assim, estabelecendo um novo recorde brasileiro e ficando a apenas cinco segundos do medalhista de bronze, o australiano Dane Bird-Smith.

Na prova de 50 km, terminou em 9º lugar, mais uma vez superando o recorde nacional, com o tempo de 3:47:02.

Em sua terceira participação olímpica, Caio Bonfim, natural de Sobradinho (DF), concluiu os 20 km da marcha atlética nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 na 13ª colocação, com 1:23:21.

O atleta foi o melhor brasileiro na competição, realizada na cidade de Sapporo, no norte do Japão. Contudo, não alcançou o resultado almejado, não repetindo o feito da quarta colocação nas Olimpíadas do Rio-2016, seu melhor desempenho olímpico até então.

Recentemente, o marchador brasiliense Caio Bonfim garantiu o índice olímpico para os Jogos de Paris 2024.

Em Varsóvia, na Polônia, venceu a prova de 20 km do circuito mundial com o tempo de 1:19:43, 27 segundos abaixo do exigido pela World Athletics. Será a quarta participação olímpica de Caio.

Jogos Pan-Americanos

Aos 20 anos, Caio Bonfim representou o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de 2011, em Guadalajara, no México.

Contudo, sua estreia nos Jogos Pan-Americanos foi abruptamente interrompida quando, após percorrer 19,950 km na prova, foi eliminado nos últimos 50 metros da marcha de 20 km.

A desclassificação ocorreu em meio a uma decisão arbitrária de recebimento de um terceiro cartão vermelho, enquanto ocupava a 8ª posição.

Na edição seguinte dos Jogos Pan-Americanos, em 2015, Caio foi o único atleta brasileiro a representar o país na modalidade, conquistando a medalha de bronze nos 20 km.

Foi a primeira medalha brasileira na marcha atlética masculina do Pan desde o bronze de Marcelo Palma em Havana 1991.

Em 2019, nos Jogos Pan-Americanos realizados em Lima, Caio alcançou a medalha de prata nos 20 km marcha, ficando apenas 7 segundos atrás do equatoriano Brian Daniel Alvez.

Embora a tão almejada medalha de ouro ainda não tenha sido conquistada, Caio Bonfim voltou ao pódio na marcha atlética 20 km masculina dos Jogos Pan-Americanos 2023 em Santiago, no Chile.

Após o bronze em 2015, em Toronto (Canadá), e a prata em Lima (Peru), em 2019, o brasileiro repetiu a segunda posição.

Com este resultado, ele se tornou o atleta mais vitorioso do Brasil na marcha atlética nos Jogos Pan-Americanos, acumulando três medalhas nas últimas três edições.

Campeonatos Mundiais

No Campeonato Mundial de Atletismo em Londres, Bonfim assegurou a medalha de bronze, a primeira para o atletismo brasileiro nessa modalidade, diminuindo novamente seu próprio recorde brasileiro para 1:19:04.

Em agosto de 2023, o brasileiro Caio Bonfim conquistou a medalha de bronze na prova de 20 km da marcha atlética no Campeonato Mundial de Atletismo em Budapeste, Hungria, estabelecendo um novo recorde brasileiro de 1:17:47.

Esta foi a sétima participação de Caio no Campeonato Mundial, estreando em 2011 em 11º lugar. A partir de 2015, ele consistentemente se classificou entre os dez melhores do mundo em todas as competições que disputou.

Ele alcançou o quarto lugar nas Olimpíadas do Rio 2016 e o bronze no Mundial de 2017. No Mundial do ano anterior, terminou em sexto lugar.

O ano de 2023 para Caio culminou com a única medalha do atletismo brasileiro na última edição do Mundial, em Budapeste, Hungria. O bronze nos 20 km da marcha reforçou mais uma vez o aumento do nível de competitividade do atleta brasiliense, mantendo-o entre os melhores do mundo.

Com a virada do ano, Caio Bonfim iniciou a temporada com mais surpresas: conquistou o bronze na etapa chinesa do Circuito Mundial de Marcha e estabeleceu um novo recorde brasileiro, registrando um impressionante tempo de 1:17:44.

Copa do Brasil de Marcha Atlética

Caio Bonfim, figura proeminente da marcha atlética no Brasil, triunfou em fevereiro deste ano nos 20 km da Copa Brasil de Marcha Atlética, evento que inaugurou a temporada nacional da modalidade em Vitória, Espírito Santo.

A corrida ocorreu em um circuito de um quilômetro na Mata da Praia, e Caio completou a distância em 1:21:26.

Além de ser uma competição em si, o evento serviu como etapa classificatória para o Sul-Americano de Marcha, que ocorrerá no próximo mês em Recife. Caio assegurou o 13º título na categoria adulta desta competição, registrando o tempo de 1:21:26.

Mais conquistas

Qualificado para os Jogos Olímpicos de Paris 2024, Caio Bonfim alcançou mais uma conquista na temporada de 2023.

Após conquistar a medalha de bronze no Mundial de Budapeste (Hungria) e garantir duas medalhas – prata e bronze – nos Jogos Pan-Americanos de Santiago (Chile), o marchador sagrou-se campeão dos 20 km da World Athletics Race Walking Tour.

Este circuito representa as principais competições de marcha atlética do mundo, sendo equiparado à Liga Diamante para as provas de pista e campo.

Marcas pessoais de Caio Bonfim

Evento Marca Local Data
Marcha 20 km 1:17:47 Budapeste, Hungria 19 de agosto de 2023
Marcha 35 km 2:25:14 Eugene, Estados Unidos 24 de julho de 2022
Marcha 50 km 3:47:02 Rio de Janeiro, Brasil 19 deagosto de 2016