Uma grande aposta para o futuro do automobilismo. Assim pode ser descrito o piloto francês Esteban Ocon. Em suma, Esteban José Jean-Pierre Ocon-Khelfane, ou simplesmente Esteban Ocon, é um jovem piloto da Fórmula 1. Assim, tem apenas 25 anos, e pode ser considerado uma grande joia da maior categoria do automobilismo mundial.

Início da carreira

A saber, Esteban Ocon começou a pilotar aos nove anos de idade. Assim, Ocon começou como a maioria dos pilotos, no kart.

Contudo, sempre se destacou entre os demais, tanto nas competições locais da sua cidade, Evreux, como nas competições nacionais.

Portanto, acabou por vencer três campeonatos nacionais e terminando em segundo no WSK Euro Series entre 2006 e 2011.

Em 2012, Ocon fez sua transição para os carros monopostos, competindo pela primeira vez com este tipo de carro na Eurocup Formula Renault 2.0. Então, terminou o campeonato daquele ano da 14ª posição.

Entretanto, subiu ao pódio pela primeira vez no seu circuito local (Circuit Paul Ricard). No ano seguinte, o francês venceu na mesma pista e ficou em 3º no campeonato.

Já em 2014, Esteban Ocon passou a correr pela Fórmula 3 Europeia, aos 18 anos. Assim, já venceu o campeonato no seu ano de estreia.

Vale lembrar que Ocon correu nesta categoria contra nomes como Max Verstappen, Antonio Giovinazzi e Nicholas Latifi (que era seu companheiro de equipe na PREMA Powerteam).

Portanto, foi nesta época que o piloto francês atraiu a atenção de diversas equipes da Fórmula 1, que o queriam na academia de pilotos deles.

Por fim, em 2015, Esteban correu pela GP3 Series (atual Fórmula 3). E em seu ano de estreia, também foi campeão da categoria naquele ano. Além disso, pontuou em todas as corridas do calendário da GP3.

Como resultado de 2014 e 2015, Esteban Ocon passou a ser piloto reserva da Renault (emprestado pela Mercedes), além de que teve a chance de pilotar um carro de Fórmula 1, nos testes de jovens pilotos após o encerramento da corrida de Barcelona de 2015 da F1.

Esteban Ocon na Fórmula 1

Em suma, a carreira de Esteban Ocon na Fórmula 1 começou, de fato, em 2016. Contudo, antes disso, Ocon já estava pilotando carros da categoria.

Ele foi piloto de testes da Lotus em 2014 e substituiu Romain Grosjean no 1º treino livre para o Grande Prêmio de Abu Dhabi daquele ano.

Também foi o piloto de testes da Force India em 2015, ele conduziu o carro da escuderia no teste pós corrida em Barcelona durante esse período.

Manor Racing

Contudo, como dito antes, foi em 2016 que Esteban Ocon entrou no campeonato mundial da Fórmula 1 de forma oficial. E foi apenas na metade da temporada daquele ano.

Devido ao término de contrato de Rio Haryanto, Manor Racing contratou Ocon para substituí-lo nos grande prêmios seguintes, e fazer dupla com Pascal Wehrlein.

Force India

Era esperado que o francês continuasse na Manor para 2017. Todavia, não foi o que aconteceu. Já que a Force India anunciou, ainda em 2016, que Ocon faria parceria com Sergio Perez na temporada seguinte.

Em suma, este contrato com a equipe indiana foi arranjado pela Mercedes (escuderia que investe na carreira de Esteban Ocon desde 2015). Assim, o piloto foi indicado pela equipe alemã para a Force India em troca de um desconto no fornecimento dos motores.

Já na sua 1ª corrida, Esteban Ocon ficou em 10º lugar na Austrália e conquistou seus primeiros pontos na F1. Na mesma temporada, seu melhor resultado foi uma 5ª posição em duas corridas (Barcelona e Cidade do México).

Assim, pontuou na maior parte das corridas, tendo alcançado no mínimo a 10ª posição em 18 das 20 corridas do calendário. Por fim, terminou 2017 na 8ª posição no campeonato mundial de pilotos, e na 4ª posição no campeonato mundial de construtores, com a Force India.

Racing Point

Assim, devido aos resultado extremamente positivos, a escuderia indiana renovou o contrato de Esteban Ocon para a temporada de 2018. Entretanto, a Force India foi comprada por Lawrence Stroll na metade do ano, e a equipe mudou de nome para Racing Point.

Contudo, devido a regras de regulamento, os pontos da equipe e dos pilotos foram zerados na mudança de nome e dono. Portanto, a temporada de 2018 para Esteban Ocon tem duas partes.

Assim, na 1ª metade da temporada de 2018 (GP da Austrália até o GP da Hungria), Ocon pontuou em seis das 12 corridas. Sendo sua melhor posição, um 6º lugar em Mônaco e Spielberg. 

Na 2ª metade da temporada (GP da Bélgica até o GP de Abu Dhabi), Esteban pontuou em apenas quatro das nove corridas. Contudo, começou a ter problemas na categoria a partir daí.

Polêmicas e saída temporária da Fórmula 1

Esteban Ocon se envolveu em duas polêmicas durante a temporada de 2018 da Fórmula 1. Em suma, a primeira aconteceu no GP dos Estados Unidos, onde Ocon terminou em 8º lugar.

Entretanto, foi desclassificado após o término da corrida, por exceder os limites de fluxo de combustível na 1ª volta. Assim, foi sua primeira e única desclassificação na carreira.

Entretanto, a grande polêmica de sua carreira foi no GP do Brasil do mesmo ano. A saber, Ocon foi protagonista do acidente com Max Verstappen, na famosa curva S do Senna (curvas 1, 2 e 3).

Em suma, o holandês liderava a prova com sua Red Bull e o francês era retardatário. A ultrapassagem obrigatória foi feita por Verstappen, porém o piloto da RBR perdeu bastante velocidade na entrada da curva, fazendo com que Ocon ficasse mais rápido.

Assim, na tentativa de Ocon de ultrapassar Verstappen, o francês se chocou com o holandês e fez com que o mesmo perdesse a liderança da prova (na qual não conseguiu recuperar, dando a vitória para Lewis Hamilton). Pelo acidente, Esteban Ocon recebeu uma punição Stop and Go de dez segundos.

E após o final da corrida, durante a pesagem, Verstappen e Ocon se encontraram para conversar sobre o ocorrido. Fato é que o holandês perdeu a cabeça e empurrou Ocon, com uma possível briga física sendo apartada imediatamente. Após isso, os dois pilotos foram chamados para a sala de controle de corrida, e Verstappen foi punido com dois dias de serviço voluntário.

No final do ano, Lawrence Stroll anunciou que Esteban Ocon não continuaria na Racing Point para 2019, sendo substituído pelo filho de Lawrence, Lance Stroll. Portanto, em 2019, Esteban não teve equipe para competir e ficou de fora da Fórmula 1 neste ano.

Renault

Entretanto, nem tudo estava perdido. Já que a Renault anunciou o francês como piloto para a temporada de 2020, substituindo Nico Hulkenberg e fazendo parceria com Daniel Ricciardo.

Esteban Ocon marcou sua volta para a maior categoria do automobilismo bem mais tarde do que o esperado. Já que, com o avanço da pandemia de COVID-19 no ano de 2020, o calendário que estava originalmente previsto para começar em março, na Austrália, começou apenas em julho, na Áustria.

Nesta temporada, Esteban Ocon terminou em 12º lugar no campeonato mundial de pilotos. Assim, tendo pontuado em dez de 16 corridas. Contudo, o grande destaque do piloto francês naquele ano foi seu 1º pódio. Em suma, foi na penúltima corrida do ano, no GP do Sakir (Bahrein), que Esteban Ocon chegou em 2º lugar.

Alpine

No final de 2020, a Renault anunciou que faria uma reformulação total em sua equipe para o ano seguinte. Entre as mudanças, o destaque fica para a mudança de nome para Alpine.

Além disso, a escuderia francesa mudaria suas cores (de amarelo e preto para azul) e traria de volta o bicampeão mundial Fernando Alonso, para ser companheiro de Esteban Ocon.

Então, Ocon teve uma temporada de 2021 completamente diferente da anterior. Agora companheiro de Fernando Alonso, Ocon acabou tendo resultados inferiores ao do bicampeão mundial.

Assim, o francês terminou na 11ª posição no campeonato mundial de pilotos. Tendo pontuado em 14 das 22 corridas. Vale lembrar que foi nesta temporada que Esteban Ocon venceu pela primeira vez na Fórmula 1. Então, Ocon terminou no ponto mais alto do pódio no GP da Hungria.

Ainda na metade da temporada de 2021, teve seu contrato com a Alpine renovado (o contrato atual venceria no dia 31 de dezembro de 2021) por mais três anos. Portanto, tem presença garantida na F1 até 2024.

Curiosidades sobre Esteban Ocon

Em suma, Esteban José Jean-Pierre Ocon-Khelfane nasceu em Évreux, Normandia, França. filho de Sabrine Khelfane e Laurent Ocon. Assim, seu pai é mecânico, dono de uma garagem de autopeças em Évreux. Portanto, foi ele que deu a Esteban seu primeiro kart, aos nove anos.

Considerado um grande prodígio do automobilismo quando entrou na Fórmula 3 Europeia em 2014, Ocon já era apontado como favorito para vencer a categoria. Apesar da categoria naquele ano também contar com a estreia do filho de Jos Verstappen (Max), Ocon superou o holandês e ficou com o título. Contudo, os dois protagonizaram uma grande rivalidade.

Em 2021, Esteban Ocon foi apontado por muitos jornalistas especializados como sucessor de Valtteri Bottas na Mercedes. Devido a seu contrato se encerrar no final daquele ano e pelo seu passado com a escuderia alemã (Ocon pertenceu a academia de pilotos da Mercedes antes de assinar com a Renault/Alpine).

Contudo, os boatos não procederam. Já que a Alpine rapidamente renovou o contrato do piloto por mais três anos. No final das contas, quem sucedeu Bottas na Mercedes foi o inglês George Russell.

Foto Destaque: Divulgação/Alpine