Tais foram os ganhos de desempenho da Aston Martin ao testar o AMR23 no simulador, que o piloto de testes da equipe, o brasileiro Felipe Drugovich, achou que os números estavam errados. Naquele momento eles ainda não estavam surgindo como a segunda equipe mais rápida do grid da Fórmula 1 em 2023.

Na última temporada, a Aston Martin apostou em seu AMR22 enquanto a equipe lançava um carro B-spec no GP da Espanha. Apelidado de ‘Red Bull verde’ devido às suas semelhanças com o RB18, a Aston Martin marcou pontos em todas as corridas, exceto três, com o carro revisado no ano passado.

Continuando com esse conceito no AMR23 desta temporada, a equipe saltou do sétimo lugar no campeonato de construtores em 2022 para o segundo lugar este ano, pelo menos por enquanto, com Fernando Alonso marcando quatro pódios em cinco corridas.

Seu progresso foi uma surpresa para muitos, com o chefe do automobilismo da Mercedes, Toto Wolff, declarando que seu cliente de motor, ‘ganhou dois segundos em meio ano’.

Até a Aston Martin ficou surpresa com seu progresso, com o piloto reserva e de testes, Drugovich, afirmando que chegou a achar que os números estavam errados, quando testou pela primeira vez o carro de 2023 no simulador.

“Eu estava no simulador desde setembro passado e vi as melhorias feitas no carro”, disse Drugovich ao GIVEMESPORT. “No simulador, você nunca tem certeza do quão certo está, então foi uma história engraçada”.

F1: Drugovich fala de sua experiência na Aston Martin e expectativas para o futuro
Icon sport

Nós estávamos vendo os ganhos que fizemos este ano com o meu tempo de volta e pensei: ‘Hum, provavelmente está muito errado!’ Estava mostrando alguns segundos mais rápido para o circuito do Bahrein, então foi bastante impressionante”, afirmou o brasileiro. “É bom ver isso, mas vendo o esforço que a equipe colocou, não fiquei surpreso por termos melhorado, apenas pelo quanto. Eu sabia que a equipe ia melhorar porque tudo pendia para isso, mas os modelos foram uma grande surpresa, e é muito bom ver isso”, acrescentou.

Mantendo seu objetivo de assumir uma vaga de titular na Fórmula 1 na próxima temporada, ou pelo menos em 2025, o campeão da Fórmula 2 em 2022, Drugovich tem a oportunidade de aprender com um dos melhores da história da F1, Fernando Alonso.

É uma oportunidade que Drugovich está aproveitando com o brasileiro dizendo que é ‘muito especial’ observar Alonso em ação, dentro e fora da pista.

Fernando é um mestre no que está fazendo e é muito especial ver tudo o que ele é capaz de fazer dentro e fora da pista, especialmente fora dela, ele é melhor do que você esperaria”, afirmou o brasileiro. “Ele é muito bom nas reuniões da equipe e está sempre prestando atenção em cada detalhe, então é muito bom aprender com isso. É uma honra trabalhar com ele e espero, no futuro, poder correr contra ele”, finalizou Drugovich.