Shelda Bedê, nascida em Fortaleza, Ceará, em 1º de janeiro de 1973, é uma das figuras mais icônicas do vôlei de praia mundial.

Conhecida por sua técnica apurada e determinação, Shelda se destacou ao lado de Adriana Behar, formando uma das duplas mais vitoriosas da história do esporte.

Shelda Bedê é um exemplo de resiliência e excelência esportiva. Sua trajetória no vôlei de praia inspirou gerações e consolidou seu nome entre os grandes ícones do esporte mundial.

Mesmo após sua aposentadoria, seu legado continua vivo, influenciando novos atletas e enaltecendo o esporte brasileiro.

Início da carreira de Shelda Bedê

Shelda Kelly Bruno Bedê começou sua trajetória no vôlei aos 12 anos, jogando na quadra pelo Banco do Nordeste de Fortaleza.

Apesar de seu talento, sua baixa estatura dificultou sua continuidade no vôlei de quadra, levando-a a migrar para o vôlei de praia aos 19 anos. Em 1991, Shelda sofreu um grave acidente de carro, onde teve o nervo da mão direita cortado.

Contra as expectativas médicas, que aconselhavam abandonar o esporte, Shelda aprendeu a jogar com a mão esquerda e retornou ao vôlei de praia.

Ascensão no vôlei de praia

Em 1993, Shelda começou a treinar nas areias do Rio de Janeiro. Formou dupla com várias jogadoras, mas foi ao lado de Adriana Behar que encontrou seu maior sucesso.

Elas dominaram o Circuito Mundial de Vôlei de Praia, conquistando sete títulos mundiais entre 1996 e 2004.

Conquistas nacionais e internacionais

No Circuito Brasileiro Banco do Brasil, Shelda e Adriana venceram nove vezes. Internacionalmente, a dupla brilhou ao conquistar o bicampeonato mundial e o ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1999 em Winnipeg.

Nos Jogos Olímpicos, Shelda e Adriana conquistaram duas medalhas de prata: em Sydney 2000 e Atenas 2004, tornando-se a primeira dupla feminina a ganhar medalhas em duas edições consecutivas das Olimpíadas.

Desafios e superações

Shelda e Adriana enfrentaram grandes adversidades ao longo da carreira. Em 2000, elas chegaram como favoritas ao ouro olímpico em Sydney, mas acabaram com a prata após uma final dramática contra as australianas Natalie Cook e Kerri Pottharst.

Em Atenas 2004, a história se repetiu, com Shelda e Adriana perdendo para as americanas Kerri Walsh e Misty May.

Final da carreira e legado de Shelda Bedê

Após a aposentadoria de Adriana Behar em 2007, Shelda Bedê formou uma nova parceria com Ana Paula Henkel. Apesar dos esforços, a dupla não conseguiu se classificar para os Jogos Olímpicos de Pequim 2008.

Shelda anunciou sua aposentadoria em 2010, encerrando uma carreira repleta de títulos e reconhecimento. Ela foi incluída na lista dos “Heróis Olímpicos” do Comitê Olímpico Internacional e eleita a Melhor Jogadora pelo Comitê Olímpico Brasileiro de 1999 a 2001.