Originalmente, os Jogos Olímpicos não eram para serem disputados por mulheres. Pierre de Coubertin, idealizador das Olimpíadas modernas era contra a inclusão de eventos femininos.

A ideia teve sucesso em Atenas 1896, quando não houve nenhuma mulher de forma oficial. No entanto, Stamata Revithi, completou a maratona e é compreendida como a primeira mulher a disputar as Olimpíadas, mas de forma não oficial.

Quatro anos depois, foi a vez de Hélène de Pourtalès fazer história. A suíça foi uma das mulheres inscritas na vela, uma das cinco modalidades abertas para as mulheres.

Ela acabou por se tornar a primeira campeã olímpica da história.

Presença feminina nas Olimpíadas

Há diversos registros de jornais gregos que contam a história de Stamata Revithi. Além disso, alguns historiadores afirmam que houve críticas ao Comitê Olímpico por não permitir a participação oficial de uma mulher na primeira maratona olímpica.

Em 1900, com os Jogos Olímpicos sendo em Paris, a situação mudou um pouco. O torneio foi aberto para às mulheres, em cinco modalidades: golfe, tênis, vela, críquete e equitação.

Pierre de Coubertin, idealizador das Olimpíadas modernas já havia criticado a ideia de mulheres no torneio. Após a confirmação de haveria a disputa feminina, o francês voltou a se opor:

Quanto à participação das mulheres nos jogos, continuo contra. Não concordo com essa admissão de mulheres em um número cada vez maior de eventos.

História de Hélène de Pourtalès

Conheça Hélène de Pourtalès: primeira mulher campeã olímpica na era moderna
Hélène de Pourtalès. Reprodução

Nascida em 1868, em Nova York, Hélène de Pourtalès vem de uma família rica dos Estados Unidos. Sua mãe, Mary Barbey, Lorillard quando solteira, era filha de Pierre Lorrillard III, da Lorillard Tobacco Company.

Sua mãe era apaixonada por navegação e, pelo status de sua família, era livre para explorar os seus hobbies na época. Com Hélène crescendo em Bellevue, na Suíça, acompanhou diversas atividades náuticas, se interessando pelo assunto desde jovem. A diferença é que seu interesse era maior para barcos veleiros e não a vapor.

Seu marido, Hermann Alexander, o conde von Pourtalès, era marinheiro, com o casamento acontecendo em abril de 1891. Juntos, participaram de várias competições. O casal morava em Genebra, mas também tinha uma casa em Cannes, participando de regatas na cidade francesa também.

Hélène de Pourtalès nas Olimpíadas

Photo d un bateau de régate du début du 20e siècle.
Barco Lerina, usado por Hélène de Pourtalès e seu marido. Reprodução

Hélène e seu marido se inscreveram para os Jogos Olímpicos. A segunda edição do torneio seria em Paris, acontecendo em 1900. Com a permissão de eventos com mulheres, o casal competiu usando o seu barco Lerina, um veleiro de 20 pés, cerca de 6,1 metros.

Ela foi somente uma das 20 mulheres a participar das Olimpíadas daquele ano. No dia 22 de maio, Hélène e Hermann venceram uma corrida de 19 km, se tornando a primeira mulher a vencer a medalha de ouro na história olímpica.

Na segunda corrida, só ficaram com a prata na segunda corrida, disputada no dia 25 de maio.

Depois da conquista

Un couple dans une voiture du début du 20e siècle.
Hélène de Pourtalès e Hermann em Cannes. Reprodução

Hélène de Pourtalès acabou se tornando reconhecida no meio esportivo. No entanto, havia críticas pela participação feminina, o que acabou a deixando desconhecida para a maioria das pessoas.

Quatro anos depois de Paris 1900, Hermann morreu em casa. Deixando uma herança de cerca de 6 milhões de dólares, a campeã olímpica conseguiu ter uma vida sossegada.

Ela morreu em Genebra, em 1945, com 77 anos. Como o esporte ainda era quase que exclusivo para os homens, Hélène faleceu em total anonimato, apesar de seu grande feito olímpico.

Depois de conhecer mais sobre Hélène de Pourtalès, que tal aprofundar seus conhecimentos sobre as Olimpíadas: