Confira o guia da disputa do Campeonato Espanhol 2020/2021: a situação de cada um dos times, os maiores destaques e onde assistir

O Campeonato Espanhol 2020/2021 certamente terá os olhares do mundo da bola, mas não necessariamente com o mesmo prestígio.

As derrotas europeias e principalmente o caso Messi minaram um pouco da confiança na competição. Ainda assim, há diversas narrativas para se cruzar e muito a se disputar na primeira edição da nova década.

Sim, no pelotão de frente Barcelona e Atlético de Madri ainda vivem incertezas com seus argentinos. A pressão, porém, é tão grande depois dos resultados na Liga dos Campeões que não há tempo para se lamentar.

O Real Madrid, pelo contrário, começa a temporada com confiança após o título conquistado. Algo parecido deve acontecer com o Sevilla, depois de fazer história mais uma vez na Liga Europa.

O bloco seguinte tem tudo para mostrar um bom futebol, a partir de Villareal e Real Sociedad, que reforçaram bem as bases das sólidas campanhas de 2019/2020. O Valencia que parece um tanto em queda, perdendo peças, fôlego e investimentos.

O que não deve se alterar são as combativas campanhas de Getafe, Bilbao e Levante. O olho está aberto, no entanto, para o que podem fazer Real Bétis e Celta de Vigo e também para o que são capazes o Real Valladolid, Granada, Osasuna e Alavés.

Dá para ver que tem muito para acontecer na La Liga 2020/2021.Será, do topo ao fundo, uma disputa interessante e com muitas histórias para se acompanhar. Você pode conferir todas elas no Guia que montamos abaixo.

Novas fases para Barça, Atlético e Real Madrid

O topo continua reservado a Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madri. O Campeonato Espanhol até vem crescendo em receitas e diminuindo as distâncias financeiras, mas o poderio financeiro do trio segue ainda muito grande.

É possível, no entanto, que nesta temporada não tenhamos o mesmo domínio de sempre, já que os clubes entram em novas fases nessa nova década.

Koeman, Messi e a crise no Barcelona

O Barça é quem mais deve se transformar, muito pressionado pela histórica derrota para o Bayern de Munique e principalmente pela “trucada” de Lionel Messi, que quase saiu nesta janela de transferências e que não tem a permanência garantida para 2021.

Para transformar as cobranças em resultados, os culés trouxeram Ronald Koeman para o para comando da equipe. Prometendo uma gestão mais firme e a retomada de um Barcelona mais cruyffista, o ex-zagueiro é mais um da linhagem de treinadores holandeses no time da Catalunha.

Trincão na apresentação no Barcelona
Entre os reforços do Barça, o mais promissor é o português Francisco Trincão (Divulgação/FC Barcelona)

Tranquilidade e renovação no Real Madrid

A situação no Real Madrid é muito mais tranquila. O comando de Zidane e a arrancada para a conquista do Campeonato Espanhol de 2019/2020 sobre o Barcelona deixaram o ambiente sereno e confiante.

Por outro lado, a derrota nas oitavas de final Champions League deve acelerar o processo de renovação do elenco. James Rodríguez puxou a barca de saídas e referências como Modric, Kroos e até Benzema — destaque absoluto do título nacional — podem ir perdendo paulatinamente suas vagas cativas.

Até porque no retrovisor jovens como Valverde, Odegaard, Rodrygo e Vinícius Jr pedem passagem.

Odegaard e Modric durante partida entre Real Madrid e Real Sociedad
Odegaard (esq) voltou de empréstimo a pedido de Zidane

“Simeonismo” em cheque no Atleti

No Atlético de Madri, a mudança é mais uma expectativa do que uma realidade.

Em 2019/2020, Simeone, ainda que tendo perdido boa parte de sua espinha dorsal, não foi capaz de implementar o novo futebol desejado pela direção colchonera, muito menos de tirar o melhor de João Félix, a contratação mais cara da história do clube.

Os maus resultados na retomada do Campeonato Espanhol e a eliminação para o RB Leipzig aumentaram a pressão sobre o técnico argentino. Cholo, no entanto, segue prestigiado. Mas deverá conviver com um olhar mais criterioso sobre seu trabalho.

maiores transferências do futebol joao felix
A “recuperação” de João Félix é um dos deveres de Simeone do Atleti

Sevilla, Sociedad e Villareal: o bloco mais promissor

Se tem alguém capaz de dar aquela dor de cabeça ao trio do topo é o bloco Sevilla-Sociedad-Villarreal. Os três têm os projetos mais promissores da La Liga 2020/2021, unindo técnica, competitividade e bons investimentos.

O Sevilla começa a temporada muito fortalecido, reforçado de Ivan Rakitic, repatriado do Barcelona. O sexto título da Europa League deu enorme moral e confiança ao elenco, mas é a invencibilidade na retomada do campeonato passado quem fundamenta a expectativa de uma boa campanha neste ano.

Real Sociedad e Villarreal, por sua vez, são os que fizeram as principais contratações até aqui. David Silva, nos bascos, e Dani Parejo, nos amarelos, reforçam dois grupos que tocaram a competição do ano passado de maneira bastante sólida.

Entre os dois, o Villarreal é quem deve ter maior mudanças dentro de campo. O motivo são as chegadas do técnico Unay Emery, de um estilo mais ofensivo, e do meia japonês Kubo, jovem e talentosíssima promessa emprestada pelo Real Madrid.

Valencia em queda

O Valencia normalmente faz parte do grupo que disputa a quarta colocação de La Liga, porém a realidade parece ser outra.Vivendo um grande instabilidade política, o clube amargou a nona colocação em 2019/2020 e apresentou um futebol bem pouco empolgante.

O time parece perder fôlego, ainda mais com as saídas de Parejo, Ferrán Torres e Rodrigo. Os investimentos também não parecem estar em dia, visto que até agora não houve nenhum reforço para repor as perdas no elenco.

Bilbao e Bétis em busca de regularidade

Bilbao e Bétis, respectivamente 11º e 15º colocados na última edição da La Liga, também indicam um momento de queda, com campanhas muito aquém de suas capacidades.

Mas, sem grandes baixas no elenco e com maior paz nos bastidores, a dupla tem maior espaço e condições para uma retomada. O Bétis até mais que o Bilbao, reforçado dos chilenos Claudio Bravo, no gol, e Manuel Pellegrini, no banco de reservas.

Vá além do futebol:

 O combativo bloco intermediário

No fim das contas, é do bloco intermediário que é possível esperar maior regularidade. Os dois principais expoentes são Getafe e Levante, que praticam um futebol mais físico e burocrático na terra do tiki-taka, comandados por dois longevos treinadores.

Bordalás, do Getafe, está desde 2016 no banco de reservas e olha mais para a parte de cima da tabela do que Paco López, que está desde 2018 no Levante e tem pretensões mais austeras.

De Alavés (do “palmeirense” Deyverson), Eibar, Osasuna e Real Valladolid (presidido pelo “corintiano” Ronaldo), podemos esperar aquela convivência resiliente nas partes mais perigosas da classificação.

Na temporada anterior, os quatro souberam enfrentar o risco do rebaixamento e transitar com tranquilidade entre as boas e más fases.

Ronaldo durante evento do Real Valladolid
Ronaldo estruturou o Valladolid e deve aumentar os investimentos no futuro

O desafio do Granada e a eterna luta do Celta de Vigo

Fecham o bloco dois times com desafios distintos. O Granada, promovido em 2019/2020, ficou na incrível sétima colocação e tenta a difícil tarefa de fazer um desempenho à altura.

O Celta de Vigo, por sua vez, procura fazer jus ao elenco de bons valores como Denis Suárez, Nolito e Iago Aspas e deixar lutar pela vida na elite. O alívio é muito esperado pelo torcedor, que sofreu um bocado nos últimos anos.

Os promovidos do caos da La Liga 2

Cádiz, Hueca e Elche comeram o pão que o diablo amassou para chegarem à La Liga. A segunda divisão espanhola foi um dos casos negativos da volta do futebol europeu após a paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus — ironicamente com diversos casos positivos para covid-19.

Entre partidas que não aconteceram, ameaças de boicote e até do cancelamento da competição, o trio conseguiu o acesso. A ver se a epopeia os preparou para a enorme luta pela permanência na primeira divisão.

Jogadores do Huesca comemoram acesso à primeira divisão
O Huesca foi campeão da La Liga 2

Times do Campeonato Espanhol 2020/2021

  • Real Madrid
  • Barcelona
  • Atlético de Madri
  • Sevilla
  • Real Sociedad
  • Villareall
  • Valencia
  • Athletic Bilbao
  • Real Bétis
  • Getafe
  • Levante
  • Celta de Vigo
  • Granada
  • Valladolid
  • Osasuna
  • Alavés
  • Eibar
  • Cádiz
  • Huesca
  • Elche

Quando começa o Campeonato Espanhol 2020/2021

O calendário do Campeonato Espanhol 2020/2021 começa no dia 12 de setembro de 2020 e vai até o dia 23 de maio de 2021, data da 38ª e última rodada. Na primeira, os jogos de Atlético de Madrid, Barcelona, Real Madrid e Sevilla foram adiados por conta dos compromissos europeus das equipes ao fim da temporada 2019/2020

Onde assistir à La Liga

A La Liga 2020/2021 ainda não tem transmissões asseguradas no Brasil. O contrato com o Grupo Disney, dono dos canais ESPN e Fox Sports, se encerrou ao fim da temporada 2019/2020.

Mas, tendo sido um sucesso de audiência na volta da paralisação do futebol por conta da pandemia, podemos esperar que mais cedo ou mais tarde as questões contratuais se acertem e o Campeonato Espanhol volte ao ar.

Depois de conferir nosso Guia do Campeonato Espanhol 2020/2021, aproveite para ler outros conteúdos sobre futebol:

*Última atualização feita em 10 de setembro de 2020

Comentários

Salvar
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin