BMX, Ciclismo de Estrada, Ciclismo de Pista e Mountain Bike… Todos os detalhes do ciclismo, fundamentos e benefícios do esporte!

Você sabe a partir de quando subir em uma bicicleta e pedalar deixou de ser uma atividade recreativa ou meio de locomoção para se tornar esporte?

Se quer conhecer mais sobre a história do ciclismo, está no lugar certo.

Inicialmente, o ciclismo tinha competições restritas às estradas. Hoje, já são diversas modalidades, que vão muito além do asfalto.

Aqui, vamos contar todos os detalhes de cada uma dessas provas e como elas funcionam.

Não perca tempo e confira tudo sobre ciclismo!

História do ciclismo

História do ciclismo
História do ciclismo começou com provas de estrada, como acontece no Tour de France

O ciclismo começou a ser praticado como esporte a partir da segunda metade do século 19, na Europa.

Entre todas as modalidades do ciclismo, a primeira a ser disputada foi a de estrada. A primeira competição ocorreu em 31 de maio de 1868, no Parc de Saint-Cloud, em Paris. O britânico James Moore, que chegou em primeiro lugar, é considerado o primeiro ciclista a vencer uma prova.

Nas décadas seguintes, o ciclismo ganhou mais praticantes e foi incluído no programa da primeira edição dos Jogos Olímpicos, em Atenas, em 1896. 

A primeira prova olímpica do ciclismo foi disputada no mesmo trajeto que a tradicional maratona dos primeiros Jogos. Os ciclistas largaram em Atenas, foram até a cidade de Marathon e retornaram à capital grega.

Depois de um período de ausência nas três edições olímpicas seguintes (Paris, St. Louis e Londres), o ciclismo voltou aos Jogos Olímpicos em Estocolmo, em 1912. Desde então, sempre se manteve no programa olímpico.

As mulheres, entretanto, entraram na disputa do esporte somente em Los Angeles, em 1984, com a prova individual de estrada.

Atualmente, há 5 modalidades de ciclismo no programa dos Jogos Olímpicos. A última a ser incluída foi o BMX Freestyle. Anteriormente, havia apenas a disputa do BMX Racing, ou corrida.

Confira, a seguir, todos os detalhes das modalidades do ciclismo!

Modalidades do Ciclismo

  • BMX
  • BMX Freestyle (estilo livre)
  • Ciclismo de estrada
  • Mountain bike 
  • Ciclismo de pista

BMX

Ciclismo BMX
BMX Racing, ou de corrida, está nas Olimpíadas desde 2008

A sigla BMX se refere a Bicycle MotoCross. O esporte é conhecido também como BiciCross.

O BMX surgiu em consequência da admiração de jovens norte-americanos pelo MotoCross. A vontade de imitar as manobras dos ídolos aliada à falta de equipamento fez com que bicicletas fossem utilizadas em pistas de terra.

Em 1981, surgiu a Federação Internacional de BMX. Um ano depois, ocorreu o primeiro Campeonato Mundial da categoria, disputado em Dayton, nos Estados Unidos.

As provas do BMX são disputadas em baterias com 8 atletas cada, até se chegar à final. 

As bicicletas utilizadas pelos competidores possuem rodas com aro 20”, além de uma marcha e um freio. 

A largada é dada de uma plataforma de cerca de 10m de altura e os atletas passam por obstáculos montados na pista até cruzar a linha de chegada.

O BMX é disputado nos Jogos Olímpicos desde a edição de Pequim, em 2008.

BMX Freestyle

BMX Freestyle
BMX Freestyle é uma das novidades dos Jogos Olímpicos de Tóquio

O BMX estilo livre, ou Freestyle, é uma modalidade de ciclismo que passa a fazer parte do programa dos Jogos Olímpicos a partir da edição de Tóquio, em 2020. 

A inclusão foi justificada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) como uma tentativa de atrair o público jovem e trazer um perfil mais urbano às Olimpíadas.

Apesar da sua participação recente nos Jogos Olímpicos, o BMX Freestyle é praticado desde os anos 1970. Foi nessa década também que o esporte chegou ao Brasil. 

Com uma bicicleta de aro 20″, os atletas executam manobras que podem desafiar a gravidade, com giros e saltos no ar.

No BMX Freestyle, há seis modalidades: Street, Mini Ramp, Dirt Jump, Flatland, Vertical e Park.

No BMX Free Style o que difere um estilo do outro é o local e a forma de como são executadas as manobras. Entenda as diferenças:

  • Dirt Jump: é praticado em rampas de terra, com alturas e distâncias variadas. Podem ser rampas únicas, doubles, ou sequenciais, chamadas de trails.
  • Vertical: assim como acontece na modalidade com o mesmo nome no skate, são usadas rampas em formato de “U”, também chamadas de half pipe.
  • Mini Ramp: tem altura e tamanho inferiores ao Vertical. São realizadas manobras de bordas, associadas a manobras de salto e aéreos, geralmente, em rampas de madeira.
  • Street: praticado nas ruas ou em pistas que simulem ruas que tenham corrimões, escadas e rampas, dos mais variados tipos.
  • Flatland: uma apresentação no solo sem rampas ou pulos, considerado o mais livres dos estilos onde cada piloto faz sua session buscando dificuldade e equilíbrio aliados a criatividade.
  • Park: praticado em percursos fechados (skateparks ou bikeparks) onde se encontram diferentes obstáculos, como rampas, bancadas, paredes e corrimões.

Ciclismo de estrada

Ciclismo de estrada
Ciclismo de estrada é a mais antiga de todas as modalidades do ciclismo

Esta modalidade foi a primeira a ser disputada em bicicletas. Atualmente, é dividida entre provas de estrada e provas contrarrelógio.

As bicicletas para as provas de estrada são geralmente feitas com quadro de carbono e outros materiais leves. O peso não chega a 7kg. 

Além disso, o guidão é propositalmente baixo, o que permite ao ciclista uma boa economia de energia, além de uma aerodinâmica mais favorável.

Nas Olimpíadas, as provas de estrada são individuais. Na corrida, quem chegar primeiro será o vencedor. Já na disputa contrarrelógio, vence quem fizer o percurso em menor tempo.

As provas mais tradicionais e conhecidas do esporte, como Tour de France, Giro D’Italia e Volta a Espanha, são disputadas no ciclismo de estrada.

Mountain bike 

Mountain bike
Mountain bike é a modalidade que obriga ciclistas a subirem e descerem montanhas

O ciclismo mountain bike é disputado em Jogos Olímpicos desde 1996, nas Olimpíadas de Atlanta.

Nas Olimpíadas, as provas de mountain bike são disputadas no formato cross-country, com múltiplas voltas. 

O primeiro ciclista a completar todas as voltas e cruzar a linha de chegada vence a corrida. 

Uma prova dura, em média, de uma hora e meia a duas horas, desde a largada até o último ciclista a cruzar a linha de chegada.

A bicicleta do mountain bike tem pneus mais largos do que a de estrada, além de amortecedores traseiros e dianteiros, para diminuir o impacto para os atletas nos terrenos acidentados do percurso. 

O material utilizado, também por conta do impacto, é mais resistente. Todavia, o peso da bicicleta se mantém entre 8kg e 9kg.

Os atletas devem usar um capacete, que é ventilado para manter a temperatura. As roupas são leves e aerodinâmicas, com camisetas de mangas curtas e shorts, e devem facilitar a “respiração” da pele.

Ciclismo de pista

Ciclismo de pista
Ciclismo de pista é disputado em velódromos com pistas de madeira

O Ciclismo de Pista é uma modalidade derivada do ciclismo de estrada, mas realizada em pistas construídas exclusivamente para a sua disputa, os velódromos. 

As bicicletas da pista não possuem freio e contam com apenas uma marcha. Devido a alta velocidade atingida pelos atletas durante as provas, o uso do freio poderia causar acidentes e apresentar grande risco aos competidores. 

Se houver a necessidade de frear, o ciclista precisa pedalar para trás, o que provoca a desaceleração da bicicleta.

Além disso, as bicicletas são projetadas em simuladores e testadas em túneis de vento, e precisam ser leves e rígidas, com quadro menor e mais ágil para as manobras necessárias e roda traseira maior do que a dianteira.

O capacete é desenhado para favorecer a aerodinâmica nas provas de velocidade. Os extremos das pistas são inclinados para que as voltas possam ser completadas sem perda de aceleração. 

No Ciclismo de Pista, são disputados seis formatos de provas: 

  • Velocidade individual: a disputa envolve dois ciclistas. Nas Olimpíadas, a partir das quartas de final, as provas são disputadas em três baterias. Quem chegar na frente em duas delas se classifica.
  • Velocidade por equipes: a prova conta com 3 ciclistas no masculino e 2 no feminino. Cada ciclista deve completar uma volta à frente dos demais e abrir caminho para o próximo. A equipe que cruzar a linha de chegada em primeiro vence. Em etapas eliminatórias e na final, as equipes largam simultaneamente, mas em lados opostos da pista.
  • Keirin: prova de sprint disputada por seis ciclistas simultaneamente. Os ciclistas percorrem 2 km na pista e começam a disputa seguindo uma motocicleta. Ela inicia a uma velocidade de 30 km/h no masculino e de 25km/h no feminino. A velocidade é aumentada até atingir de 50 km/h entre os homens e 45km/h entre as mulheres. Até a motocicleta deixar a pista a 600/700 m do fim, os ciclistas não podem ultrapassá-la. Quando ela deixa a pista, os atletas arrancam até a linha de chegada, atingindo 70km/h. O primeiro a cruzar a linha é o vencedor.
  • Omnium: engloba 6 provas diferentes (scratch, perseguição individual, eliminação, contrarrelógio, flying lap e corrida de pontos). Os atletas precisam ser muito explosivos e manter a explosão por um tempo que seja suficiente para atingir uma alta velocidade e fazer o menor tempo. A intenção é acumular o maior número de pontos nas competições.   
  • Perseguição por equipes: a prova é disputada por duas equipes de 4 corredores, que largam em pontos opostos da pista e percorrem a distância de 4 km. Vence a equipe que alcançar a outra ou obtiver o menor tempo. Uma equipe é considerada alcançada quando a equipe adversária (pelo menos três corredores rolando juntos) atinge uma distância igual ou inferior a um metro. 
  • Madison: prova com sprints intermediários, disputada por duplas. Enquanto um ciclista pedala devagar na parte alta do velódromo, um outro corre o mais rápido possível na parte baixa. Para trocar de posição, o ciclista que estava correndo rápido toca no braço ou mão do outro, que passa a acelerar. A cada 10 voltas a dupla pontua. A maior pontuação determina o vencedor.

Benefícios do ciclismo

benefícios do ciclismo
Benefícios do ciclismo envolvem melhora do sistema cardiovascular e perda de peso

O ciclismo é um esporte que proporciona uma atividade rítmica e cíclica, ideal para desenvolvimento dos sistemas de energia aeróbico e anaeróbico.

Entre seus principais benefícios, estão o desenvolvimento do sistema cardiovascular dos praticantes, a queima de gordura corporal e desenvolvimento de resistência de força muscular de pernas.

Além do ciclismo competitivo, há a possibilidade da prática do ciclismo estático, com o uso de bicicletas ergométricas e em locais fechados. Esse é um exercício aeróbico alternativo, que evita possíveis dificuldades encontradas para a prática do esporte ao ar livre, como o mau tempo ou deslocamento da bicicleta.

O ciclismo em bicicletas ergométricas é recomendado para pessoas que apresentam determinadas lesões de joelhos, quadris, coluna e que não podem caminhar. Também pode ser indicado para grávidas, idosos com osteoporose e obesos, dependendo de recomendação médica.

Independentemente da prática do ciclismo em competições ou apenas como atividade física, o esporte é sempre uma ótima opção de saúde.

Agora que você sabe tudo sobre o ciclismo, aproveite para ficar por dentro de outros esportes:

*Última atualização em 28 de janeiro de 2020

Comentários

Salvar
13 Compart.
Compartilhar5
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin8