Antes de mais nada, Pedro Rodríguez de la Vega, ou simplesmente Pedro Rodríguez, é um ex-piloto de automóveis mexicano que atuou na Fórmula 1, sendo uma das estrelas da equipe da Cooper. Sua estreia aconteceu no ano de 1963, no GP dos Estados Unidos, pela Lotus. Na ocasião, ele terminou na 10ª colocação.

O começo da carreira

Seu pai impulsionou sua fortuna pessoal para a internacionalização de seus filhos comprando ou alugando carros como OSCA, Porsche ou Ferrari no Mundial de Protótipos. Em 1957, Pedro Rodríguez estreou internacionalmente em um Ferrari 500TR no Nassau, Bahamas.

Em 1958, o piloto tentou registrar-se, junto com seu irmão Ricardo, nas 24 Horas de Le Mans, na França, em uma Ferrari 500 TR-58. As regras impediram naquele momento a corrida de Ricardo, mas Pedro correu com Jose Behra, irmão do famoso Jean Behra.

Ambos os irmãos voltaram para 1959 e correram com uma pequena OSCA 750, embora não pudessem terminar. Assim, Pedro Rodríguez correu por 14 anos consecutivos, até 1971. Em 1968, finalmente venceria a competição a bordo de um Ford GT40 Mk. I, acompanhado pelo belga Lucien Bianchi.

Frequentemente, correu para o ex-piloto e importador da Ferrari nos EUA, a equipe norte-americana (NART) de Luigi Chinetti, com quem manteve um vínculo.

A experiência na Fórmula 1

O mexicano participou de sua primeira corrida em 1963, nos EUA e México, em um Lotus. Três temporadas depois, continuou competindo esporadicamente na Fórmula 1, pelas equipes da Ferrari e Lotus.

Em 1967, em apenas sua 9ª corrida, venceu a abertura da temporada em um Cooper no Grande Prêmio da África do Sul. Correu com a BRM em 1968, a equipe de Reg Parnell-BRM, com o BRM P133. No Grande Prêmio da França, obteve sua única volta mais rápida na F1.

Juntou-se à Ferrari em 1969 e depois retornou à BRM em 1970, com o chassis P-153. No Grande Prêmio da Bélgica de 1970, Pedro Rodríguez ganhou sua segunda corrida com apenas 1,1 segundos de vantagem sobre Chris Amon da March e uma velocidade média de 252,951 km/h, com Jean Pierre Beltoise (Matra) encerrando o pódio.

Pedro Rodríguez ganhou mais um pódio no clássico Grande Prêmio dos EUA, apesar de uma pane de combustível, com um 2º lugar com sua BRM.

Em 1971, correu para BRM com o novo P-160, mas apenas nas primeiras quatro corridas, tendo se classificado em 2º no Grande Prêmio da Holanda de 1971. Terminou em 2º lugar, atrás apenas de Jacky Ickx.

Também ganhou mais duas vezes as 24 Horas de Daytona, para um total de quatro vitórias, abaixo de Hurley Haywood e Scott Pruett que possuem cinco triunfos.

Curiosidades sobre Pedro Rodríguez

  • O primeiro Hairpin do circuito de Daytona foi nomeado em sua honra. O Autódromo Magdalena Mixhuca, na Cidade do México, a casa da Fórmula 1, Champ Car, NASCAR México e outras categorias, foi rebatizado em 1973 como Autódromo Hermanos Rodríguez, em homenagem a ele e seu irmão Ricardo.
  • Em julho de 2006, 35 anos após sua morte, uma placa de bronze foi colocada no local de seu choque em Nuremberg, um conjunto de esforços da fundação de seus amigos e familiares com as autoridades da cidade alemã.

Aproveite para se aprofundar ainda mais no automobilismo com nossos outros conteúdos: