Antes de mais nada, Keijo Erik Rosbergou simplesmente Keke Rosberg, é um ex-piloto de automóveis sueco que atuou na Fórmula 1 sendo uma das estrelas da equipe da Williams. Acima de tudo, sua estreia aconteceu no ano de 1978, no GP da África do Sul, pela Theodore. Na ocasião, ele não terminou a prova.

O COMEÇO DA CARREIRA DE KEKE ROSBERG

O competidor teve um início relativamente tarde em sua carreira na Fórmula 1, estreando ao 29 anos após passagens pela Fórmula Vee , Fórmula Super Vee , Can-Am , Fórmula Atlântica , Fórmula Pacífico Fórmula 2. Sua primeira corrida na modalidade foi com a equipe Theodore durante a temporada de 1978.

Imediatamente chamou a atenção do paddock da F1 com uma excelente pilotagem no Troféu Internacional BRDC fora do Campeonato em Silverstone em sua segunda corrida com a equipe, emergindo vitorioso depois que muitos dos grandes nomes foram pegos por uma tremenda chuva.

Rosberg não foi capaz de se qualificar para uma corrida depois e foi contratado por outra equipe não competitiva, ATS. Voltou para Theodore depois que eles adquiriram chassis da equipe Wolf Fórmula 1, mas estes também não eram competitivos e Rosberg voltou para ATS para encerrar a temporada.

Em seguida, ele emergiu com a equipe Wolf , no meio da temporada de 1979. No entanto, a equipe estava tendo dificuldade em se manter solvente e Keke teve problemas para terminar corridas.

Logo, teve que mudar de time novamente quando Wolf deixou a modalidade. Assinou com a Fittipaldi Automotive, que comprou o que restava do time de Walter Wolf. Garantiu seus primeiros resultados com dois pontos na temporada de 1980, incluindo um pódio sensacional na corrida de abertura da temporada em Buenos Aires.

Mas a falta de competitividade do carro Fittipaldi fez com que Rosberg muitas vezes não conseguisse terminar ou se classificar. Em 1981, foi pior porque ele não conseguiu marcar.

A EXPERIÊNCIA NA FÓRMULA 1

A passagem vitoriosa pela Williams

Apesar do ano ruim, a Williams estava interessado em Rosberg, com a aposentadoria do campeão mundial de 1980, Alan Jones. Dado um carro competitivo, teve um ano de muito sucesso. Marcou pontos de forma consistente e conquistou sua primeira vitória no Grande Prêmio da Suíça em Dijon-Prenois no final daquele ano.

A primeira temporada memorável do sueco veio em um ano em que nenhum piloto venceu mais de duas corridas. Com a temporada da Ferrari marcada pela morte de Gilles Villeneuve em Zolder, as lesões de Didier Pironi em Hockenheim e os carros turboalimentados Brabham, lhe rendaram o Campeonato de Pilotos.

O piloto venceu o campeonato com uma diferença de cinco pontos para Didier Pironi, com este último perdendo as últimas quatro corridas do campeonato devido a lesões sofridas no Grande Prêmio da Alemanha.

O campeonato de Rosberg em 1982 provou ser a última vitória no Campeonato Mundial para o antigo motor Cosworth DFV, que havia sido introduzido na F1 pela Lotus em 1967. 

Os anos pós-campeonato de Rosberg seriam prejudicados tanto pelo chassi não competitivo da Williams quanto pelo potente, mas pouco confiável, motor turbo Honda.

O seu último ano de carreira, pela McLaren

Na época, a transferência de Keke para a McLaren na temporada de 1986, parecia um golpe de mestre, já que eles eram o time campeão das duas temporadas anteriores. No entanto, o McLaren 1986 era agora um pouco fraco em comparação com seus rivais.

Como consequência, perdeu para o seu companheiro de equipe, Campeão Mundial de 1985, Alain Prost. Além disso, a queda fatal do amigo íntimo de RosbergElio de Angelis, enquanto testava um Brabham no circuito de Paul Ricard, na França, em maio de 1986, o afetou profundamente e ele se aposentou no final da temporada. Ele mais tarde alegaria que se aposentou “muito cedo

CURIOSIDADES DE KEKE ROSBERG

  • Em 1989, Keke Rosberg voltou ao Spa 24 Horas em uma Ferrari Mondial dirigida pela Moneytron;
  • No ano de 1992, montou a sua própria equipe, a Team Rosberg;
  • Por fim, ainda gerenciou a carreira de seus compatriotas JJ Lehto e o futuro campeão mundial Mika Häkkinen. Além disso, cuidou da carreira de seu filho Nico.

Foto destaque: Reprodução/ F1- Fansite