Antes de mais nada, John Miles é um ex-piloto de automóveis britânico que atuou na Fórmula 1 sendo uma das estrelas da equipe da Lotus. Acima de tudo, sua estreia aconteceu no ano de 1969, no GP da Grã Bretanha, pela Lotus. Na ocasião, ele não terminou a prova.

O COMEÇO DA CARREIRA

John Jeremy Miles nasceu na Inglaterra. Começou a sua carreira em no automobilismo em 1963 e se tornou o campeão geral no Redex Sports Car Championship ao dirigir um Diva GT com motor dianteiro.

Uma segunda temporada da Diva, desta vez, apoiada por John Willment, também foi um sucesso. Ele então ganhou o Campeonato Autosport de 1966 no Lotus Elan 26R patrocinado pela Willment, com 15 vitórias em 17 corridas.

 Este carro, Elan 26R em particular, nunca foi derrotado até o advento dos concorrentes com motor central, como o Chevron.

No Boxing Day Brands 1966 ele estreou o novo Lotus 47GT e subsequentemente correu com o F3 Lotus 41 de fábrica e chassis longo 41X e GT 47 durante 1967 e 1968 para a equipe de trabalho – vencendo quatro eventos internacionais de F3 em 1968.

A EXPERIÊNCIA NA FÓRMULA 1

Em 1969, Miles teve que desenvolver o carro Lotus 63 4WD, enquanto o campeão mundial Graham Hill e Jochen Rindt se recusaram a dirigir este projeto, considerando-o uma armadilha mortal.

Em cinco GPs, Miles terminou apenas uma vez, em 10º lugar. Nesse meio tempo, o carro foi entregue duas vezes a Mario Andretti, mas ele também não terminou.

John se classificou no meio do grid para o GP do Canadá em Mosport, onde a difícil combinação de curvas rápidas se adaptou ao Lotus 63 com tração nas quatro rodas, que foi um ‘desastre' em pistas sinuosas.

Depois que Graham Hill quebrou as pernas no final de 1969, ele não voltou para a Team Lotus. Assim, a Lotus promoveu Miles como segundo piloto, atrás de Jochen Rindt, na temporada de 1970.

No Grande Prêmio da África do Sul de 1970 , onde um total de cinco carros da Lotus foram inscritos, ele terminou em 5º lugar em um Lotus 49 com Hill atrás dele. Para o GP da Espanha, o novo Lotus 72 foi inscrito, mas o alemão não conseguiu se classificar para a corrida em que Rindt teve que se retirar mais cedo.

Devido a problemas com o 72, o Lotus 49C atualizado foi usado em Mônaco, com Miles dando algumas voltas de treino no 72, e não conseguindo se classificar no 49C. Na Bélgica, Miles correu o 72, enquanto Rindt confiou no antigo 49C, e ambos tiveram que se aposentar.

Em Zandvoort, os 72 finalmente provaram ser competitivos. Miles se classificou e terminou em 7º na corrida. A sua melhor colocação como piloto foi um 5º lugar no GP da África do Sul.

CURIOSIDADES DE JOHN MILES

Um engenheiro mecânico qualificado, Miles mais tarde fez seu próprio nome trabalhando para a divisão de carros de rua da Lotus. Ele escreveu uma coluna, “Miles Behind The Wheel“, para a revista Autocar , dando suas impressões de carros esportivos;

Por fim, em 1985, fundou a ‘Miles Music‘, uma gravadora de jazz, com Peter Watts. Em 1996, o lançamento do CD Tamburello de Peter King ganhou o prêmio BT Jazz CD do ano. Foi inspirado na morte de Ayrton Senna.

Foto destaque: Reprodução/ Autoentusiastas