Confira a história de Bubba Wallace, único piloto negro da Nascar e líder do movimento contra o racismo na tradicional categoria 

O assassinato de George Floyd por policiais de Minneapolis levou a uma série de protestos contra o racismo nos Estados Unidos. Rapidamente, o movimento Black Lives Matter (em português, Vidas Negras Importam) atingiu o mundo do esporte. Na Nascar, quem chamou a atenção para a luta contra o preconceito racial foi Bubba Wallace.

Se Lewis Hamilton é o único negro da Fórmula 1, Bubba Wallace é o único negro da Nascar. Por influência dele, a categoria baniu a Bandeira Confederada, associada à escravidão e ao racismo. Houve protestos contrários à decisão da Nascar perto do Circuito de Talladega, no Alabama, onde seria disputada uma prova da tradicional competição automobilística.

As controvérsias sobre a luta racial na Nascar foram muito além de manifestações sobre a Bandeira Confederada. Ainda no Circuito de Talladega, Bubba Wallace encontrou uma forca em sua garagem, que seria uma menção ao método era usado pelo grupo racista Ku Klux Klan para matar negros.

O ato gerou uma investigação do FBI, e Bubba Wallace recebeu o apoio dos demais pilotos da Nascar e de outras personalidades do esporte. 

Se você quer conhecer mais sobre a história de Bubba Wallace e todos os detalhes sobre a luta contra o racismo liderada por ele na Nascar, continue conosco! 

Quem é Bubba Wallace?

Bubba Wallace piloto das Nascar luta contra o racismo
Bubba Wallace lidera o movimento Black Lives Matter no automobilismo nos Estados Unidos

Darrell “Bubba” Wallace Jr. é um piloto que compete na Nascar Cup Series, a principal das três categorias da Nascar. Ele nasceu em 8 de outubro de 1993, em Mobile, no estado do Alabama, justamente onde aconteceram atos racistas contra ele, o único piloto negro da modalidade de automobilismo mais popular entre o público norte-americano.

Desde 2017, Bubba Wallace dirige o Chevrolet Camaro ZL1 1LE número 43 da equipe Richard Petty Motorsports. Ele disputou a Xfinity Series e a Gander RV & Outdoors Truck Series, outras duas categorias da Nascar.

Até hoje, sua melhor colocação na Cup Series foi um segundo lugar. Ele passou a exercer um papel de mais destaque na história da Nascar ao liderar o movimento contra o racismo na tradicional categoria.

Conheça mais detalhes da luta de Bubba Wallace pelos direitos dos negros nos Estados Unidos.

Bubba Wallace e a proibição da bandeira confederada na Nascar

Bandeira confederada proibida na Nascar
Manifestantes protestaram contra a proibição da bandeira confederada na Nascar

No início de junho de 2020, Bubba Wallace pediu à Nascar que a associação proibisse o uso da Bandeira Confederada em provas da categoria. A bandeira é ligada por muitos à escravidão e ao racismo nos Estados Unidos.

A Nascar atendeu a solicitação e proibiu que torcedores usem bandeira confederada em qualquer prova organizada por ela. 

“A presença da bandeira confederada contraria nosso compromisso de oferecer um ambiente acolhedor e inclusivo para todos os fãs, nossos competidores e nossa indústria. Portanto, a exibição da bandeira confederada será proibida em todos os eventos e propriedades da Nascar”, informou a associação em 10 de junho.

A decisão da Nascar foi celebrada por Bubba Wallace, que prometeu seguir na luta contra símbolos que tenham associação ao racismo. “Meu próximo passo é me livrar de todas as bandeiras confederadas”, disse.  

A proibição da bandeira, entretanto, não foi bem recebida por toda a comunidade da Nascar. O piloto Ray Ciccarelli manifestou opinião contrária à decisão da Nascar e recebeu ameaças em redes sociais.

“De forma alguma eu estava defendendo a bandeira confederada. Tudo o que eu estava dizendo era o fato de entender os sentimentos dos dois lados em relação à bandeira”, justificou Cicarelli, que foi criticado pelo astro da NBA LeBron James depois de sua posição inicial.

Menos de duas semanas depois do anúncio feito pela Nascar, houve protestos perto do Circuito de Talladega, no Alabama, onde aconteceria uma corrida da categoria.

Os manifestantes desfilaram com a bandeira numa carreata. Houve ainda um sobrevoo de um avião levando a bandeira confederada e uma mensagem pedindo que o governo norte-americano parasse de financiar a Nascar.

Entretanto, a polêmica em relação à bandeira confederada foi apenas um dos episódios que foram muito além do esporte em Talladega.

Investigação do FBI sobre ato racista contra Bubba Wallace

Carro de Bubba Wallace
Bubba Wallace usa mensagens de apoio à luta contra o racismo em seu carro na Nascar

No mesmo dia em que diversas pessoas desfilaram com a bandeira confederada do lado de fora do Circuito de Talladega, o piloto Bubba Wallace sofreu uma ameaça de morte. Em sua garagem, foi colocada uma corda amarrada como uma forca, em clara alusão ao enforcamento, forma cruel como milhares de negros foram assassinados durante o período de segregação racial nos Estados Unidos.

“O desprezível ato de racismo e ódio de hoje me deixa incrivelmente triste e serve como um lembrete doloroso de quanto mais temos que ir como sociedade e quão persistentes devemos ser na luta contra o racismo. Nada é mais importante e não será dissuadido pelas ações repreensíveis daqueles que procuram espalhar o ódio. Como minha mãe me mandou hoje, “eles estão tentando te assustar”. Isso não vai me quebrar. Eu não vou desistir nem vou recuar. Vou continuar orgulhosamente defendendo o que acredito”, afirmou Bubba Wallace.

O episódio levou à abertura de uma investigação pelo FBI, a pedido da Nascar. É importante destacar que o local onde a corda foi colocada somente poderia ser acessado por pessoas que trabalham na Nascar e estão envolvidas com as corridas.

“No final da tarde, a NASCAR foi informada de que uma corda com laço foi encontrado na garagem da equipe 43. Estamos angustiados e indignados e não podemos afirmar com força suficiente o quão seriamente levamos esse ato hediondo. Iniciamos uma investigação imediata e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para identificar a pessoa responsável e eliminá-la do esporte. Não há lugar para o racismo na Nascar, e esse ato apenas fortalece nossa decisão de tornar o esporte aberto e acolhedor a todos”, disse a Nascar em comunicado oficial.

O governador do Alabama, onde Bubba Wallace nasceu, também manifestou repúdio ao ato racista. “Estou chocado ao ouvir sobre o ato vil de ontem contra Bubba Wallace em Talladega. Não há espaço para essa demonstração repugnante de ódio em nosso estado. Racismo e ameaças desta natureza não serão perdoados ou tolerados, e eu me comprometo a auxiliar de todas as formas possíveis de modo a garantir que a pessoa responsável por isso seja pega e punida”, afirmou Kay Ivey.

Curte outros esportes além do automobilismo? Veja também:

Manifestações de apoio a Bubba Wallace

Bubba Wallace Nascar
Bubba Wallace recebeu o apoio dos outros pilotos da Nascar

Enquanto Bubba Wallace liderou um movimento contra o racismo na Nascar depois da morte de George Floyd, diversos esportistas, como LeBron James e Lewis Hamilton, manifestaram apoio ao piloto. 

Na Nascar, pilotos e mecânicos das equipes da categoria escoltaram o carro de Bubba Wallace para a frente do grid antes da corrida no Circuito de Talladega, onde foi encontrada uma forca em sua garagem.

 

Dono da equipe de Bubba Wallace, Richard Petty é sete vezes campeão da Nascar e um dos maiores pilotos da história da categoria — para muitos, o maior de todos os tempos. 

Petty também manifestou seu apoio a Bubba Wallace. “Estou furioso com o ato de alguém por uma corda de forca na garagem da minha equipe. Não há absolutamente nenhum espaço no nosso esporte e na nossa sociedade para o racismo. Esse ato sujo nos serve como lembrete do quão longe ainda temos que ir para erradicar o preconceito racial e isso me estimula a utilizar os recursos da Richard Petty Motorsports para criar mudanças”, disse. 

“Essa pessoa doente que perpetrou este ato deve ser encontrada, exposta e rapidamente e imediatamente expelida da Nascar. Eu acredito do fundo do meu coração que esse ato desprezível não representa os competidores que vejo a cada dia nas garagens da Nascar”, complementou.

Conclusão da investigação do FBI sobre ato contra Bubba Wallace

Apesar das manifestações de apoio ao piloto, a investigação do FBI concluiu que ele não foi ameaçado de morte. Segundo as autoridades, o laço encontrado no estacionamento da garagem de Bubba Wallace, que tinha sido encarado com uma alusão ao enforcamento, já estava no local desde 2019.

“Na segunda-feira, 15 agentes especiais do FBI conduziram inúmeras entrevistas sobre a situação em Talladega Superspeedway. Após uma revisão completa dos fatos e evidências em torno deste evento, concluímos que nenhum crime federal foi cometido”, escreveram o procurador dos EUA Jay E. Town e o agente especial do FBI Johnnie Sharp, em uma declaração conjunta.

O FBI disse que a corda foi naquela garagem antes de ser definido que Bubba Wallace a usaria. Um vídeo, que teve autenticação confirmada pela Nascar, indicou que o laço estava lá em outubro de 2019, de acordo com os investigadores. 

Após a investigação, Bubba Wallace concedeu entrevistas aos principais veículos de imprensa dos Estados Unidos e manifestou alívio. “Quero dizer que estou aliviado que as investigações mostraram que não era tão assustador quanto parecia. Quero agradecer a Nascar, meu time e o FBI por terem agido rapidamente e levado a sério como deveria ser”, comentou.

Bubba Wallace promete seguir na luta contra o racismo no automobilismo. Vale ressaltar que ele é o único piloto negro da Nascar e Lewis Hamilton o único negro da Fórmula 1. Ambos buscam tornar os esportes a motor mais inclusivos.

Depois de conhecer mais sobre Bubba Wallace, aproveite para conferir mais sobre automobilismo:

*Última atualização em 1º de julho de 2020

Comentários

Salvar
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin