Darlan Romani é jovem e ainda segue na ativa. Ainda assim, já é possível colocá-lo como o maior da história do arremesso de peso do Brasil.

Gozando de uma constante evolução desde sua primeiríssima prova profissional, o brasileiro é absolutamente dominante no cenário nacional. No internacional, é cada vez mais forte.

Você pode conhecer melhor a história e os feitos de Darlan Romani no texto a seguir. Mostramos suas medalhas, seus recordes, suas participações nas Olimpíadas, enfim, tudo sobre um dos maiores atletas do país.

Quem é Darlan Romani?

Imagem de Darlan Romani no Trofeu Brasil
(Wagner Carmo/CBAt)

Darlan Romani é um atleta profissional brasileiro natural de Concórdia, Santa Catarina. Nascido no dia 9 de abril de 1991, compete no alto nível do arremesso de peso desde 2012. Hoje representa o Praia Clube e a Seleção Brasileira de Atletismo.

É o mais prolífico arremessador da história do atletismo do brasileiro, nove vezes consecutivas campeão nacional. Dono do recorde sul-americano e atual detentor da marca (22,61 metros), chegou a liderar o ranking mundial entre janeiro e abril de 2019.

Darlan não tem medalhas olímpicas, mas conquistou o ouro no Pan-Americano de 2019. Na Olimpíada de 2016, alcançou a quinta colocação, já em Tóquio 2020, tendo chances de medalha em Tóquio, ficou com o quarto lugar. A saber, são as duas melhores posições do país na prova em todos os tempos. 

Mas Romani não precisa desse tipo de metais para prova o seu valor. Em 2018, alcançou a marca dos 22 metros, conseguida por somente outros 30 atletas na história do esporte. Foi também um dos personagens da final do Mundial de Atletismo de 2019, a melhor já disputada.

Como Darlan Romani começou no atletismo?

Darlan Romani descobriu o arremesso de peso aos 13 anos, em 2004. Melhor dizendo, foi descoberto por ele. Experimentando a prova durante um festival de atletismo, chamou a atenção de um dos professores Fundação Municipal de Esportes de Concórdia (FMEC).

Biografia de Darlan Romani

Darlan Romani durante o Troféu Brasil de Atletismo
(Wagner Carmo/CBAt)

A escolha pelo arremesso de peso, segundo Darlan, foi burocrática. Pesado desde mais novo, o jovem aspirante não queria pagar pra ver seu desempenho em provas de velocidade. Optou pela força. Ainda bem.

Estimulado pelo irmão mais velho, Vinícius, e contando com a estrutura das Escolinhas Desportivas da FMEC, Darlan pode aprender os fundamentos e se desenvolver mesmo no interior de Concórdia.

Não tardou muito e, aos 16 anos, Darlan Romani já estava representando o Brasil em competições internacionais juvenis. Em 2008 conseguiu seu primeiro grande resultado com o vice do Campeonato Sul-Americano Juvenil. Repetiu a dose em 2009.

Passou a conciliar as competições internacionais de base com as profissionais em solo nacional em 2010. Venceu o torneio de Uberlândia e o regional de São Caetano. Em 2011 foi campeão brasileiro sub-23 e disputou seu primeiro Troféu Brasil de Atletismo. Terminou como 14º.

História de Darlan Romani no arremesso de peso

Imagem de Darlan Romani no Pan de Lima
(Wagner Carmo/Panamerica Press/CBAt)

O ano de 2012 foi  aquele que Darlan Romani deu seu grande salto profissional, já como atleta do Centro de Treinamento Nacional Caixa/SESI de Uberlândia. Começou a temporada batendo o recorde brasileiro em maio, cravando 19,03 m no GP Internacional da CAIXA. Terminou em 4º.

O número durou pouco. Meses depois, Darlan venceu seu primeiro Troféu Brasil de Atletismo ao arremessar para 19,43 metros e bater a sua própria marca. Ainda terminou o ano como campeão Brasileiro e Sul-Americano Sub-23. Foram suas últimas competições de base.

Confira outros conteúdos Esportelândia:

Darlan Romani, o grande nome do arremesso de peso brasileiro

Depois das sucessivas quebras de recorde de 2012, a trajetória de Darlan Romani passou a consagrá-lo como o principal nome do arremesso de peso brasileiro. E como um dos melhores atletas do país.

Nas competições domésticas, o catarinense foi simplesmente dominante. Simplesmente venceu nove vezes consecutivas o Troféu Brasil. Quebrou diversas vezes o próprio recorde nacional e percorreu alguns dos grandes projetos esportivos do esporte nacional.

Depois de passar pelo Orcampi/Unimed e pelo BM&FBovespa, Darlan encontrou a casa perfeita no Clube Pinheiros, em 2016. No mesmo ano, entrou para a história olímpica brasileira.

Participações de Darlan Romani nas Olimpíadas

Imagem de Darlan Romani na Olimpíada do Rio
(Reuters/Kai Pfaffenbach)

Darlan Romani participou de duas edições dos Jogos Olímpicos até aqui, a do Rio de Janeiro, em 2016 e de Tóquio, em 2020. Assim também, já conseguiu índice para Paris 2024, o suficiente para continuar a fazer história.

Em sua primeira olímpiada, o atleta chegou a final ao cravar 21,94 metros e bater o recorde brasileiro no processo. Tornou-se assim o segundo arremessador a brigar por medalha na prova desde Antonio Pereira Lira, em 1936.

Sua melhor marca na finalíssima foi logo a primeira, a de 21,02m. Foi a primeira vez que ele ou qualquer outro brasileiro lançou para mais de 21 metros. A marca foi suficiente para bater o bicampeão olímpico Tomasz Majewski, mas não para subir ao pódio, infelizmente.

Ainda assim, Darlan terminou a Olimpíada de 2016 na 5ª posição, até então a maior já alcançada por um brasileiro na história do arremesso de peso olímpico.

A expectativa de que ele quebrasse outras marcas nos Jogos de Tóquio, em 2021 se concretizaram. Durante o ciclo, Darlan Romani teve vários percalços, contraiu Covid-19, ficou sem como treinar de forma adequada, teve lesões, mas nada disso impediu ele de participar da competição.

Nos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, o brasileiro se classificou para a final depois de atingir a marca de 21m31. Na fase final, o primeiro lançamento de Darlan Romani foi a 21,88m, porém não conseguiu acertar acima de 22 metros nos arremessos posteriores, terminando em 4º lugar. A medalha de bronze foi para Tom Walsh com 22,47m.

Rumo a sua terceira Olímpiada seguida, o catarinense conseguiu índice para os Jogos de Paris 2024. Já como atleta do Praia Clube, Darlan realizou o arremesso no Troféu Brasil de Atletismo 2023, com a marca de 21m58, o mínimo era 21m50.

A marca dos 22 metros e o Mundial de 2019

Ainda que tenha sido histórica a participação de Darlan Romani na Olimpíada do Rio, o melhor estava reservado para o ciclo olímpico seguinte.

Em 2018, o arremesso que lhe assegurou o sétimo título consecutivo do Troféu Brasil também o fez entrar para a história da modalidade. Darlan arremessou para 22 metros, uma marca alcançada por menos de 30 atletas.

Comparado com a barreira dos 10 segundos nas provas de 100 metros rasos, os 22 metros alcançados conferiram maior confiança ao brasileiro. Sua evolução a partir daí é meteórica.

Na Diamond League de 2019, venceu a etapa e Eugene, nos EUA, com um dos 10 melhores arremessos de todos os tempos. Os 22,61 metros são sua melhor marca até hoje e ajudaram o catarinense a ficar na segunda colocação geral da competição — a medalha de prata, portanto.

Mas o ano de 2019 ainda aguardava outro grande momento para Darlan. Em outubro, foi um dos personagens da mais disputada final de Mundial de Atletismo.

Seu principal arremesso em Doha cravou 22,53 metros. Seria o suficiente para lhe dar a medalha de ouro na Olimpíada de 2016 e seria também a melhor marca da competição — não fosse o lançamento do neozelandês Walsh, de 22,90m que já empurrava o brasileiro para a prata.

Não bastasse esse infortúnio oceânico, Darlan ainda foi ultrapassado por outros dois competidores estadunidenses. Kovacs bateu 22,91 e levou o ouro; Crouser fez 22,90 e ficou com a prata. O brasileiro, por sua vez, ficou incrédulo.

Isolado, o resultado é frustrante. No entanto, dentro do contexto da final, do atual nível do esporte e da evolução de Darlan Romani, ele é animador para o futuro. Para o atleta e para toda a modalidade do arremesso de peso.

O ouro no Campeonato Mundial de 2022

Após os acontecimentos do Mundial de 2019, Darlan Romani sentiu o sabor de ser campeão mundial indoor. No dia 19 de março de 2022, o brasileiro conquistou o maior feito de sua carreira, em Belgrado, na Sérvia.

Com a marca de 22m33, sua terceira melhor da carreira, Darlan derrotou Ryan Crouser, atual recordista mundial e campeão olímpico da prova, que não havia perdido nenhuma competição nos últimos três anos. Além disso, o brasileiro triturou seu recorde sul-americano indoor de 21m71 e bateu o recorde do Campeonato Mundial Indoor, mas ficou a 29 cm do recorde mundial indoor.

Medalhas de Darlan Romani

  • Campeonato Mundial Indoor – Medalha de Ouro (2022)
  • Campeonato Continental – Medalha de Ouro (2018)
  • Jogos Pan-Americanos – Medalha de Ouro (2019)
  • Jogos Mundiais Militares – Medalha de Ouro (2015 e 2019)
  • Campeonato Sul-Americano – Medalha de Ouro (2017 e 2019)
  • Campeonato Ibero-Americano – Medalha de Ouro (2016, 2018 e 2022)
  • Troféu Brasil de Atletismo – Medalha de Ouro (2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019, 2021 e 2023)
  • Diamond League – Medalha de Ouro (2019)
  • Campeonato Ibero-Americano – Medalha de Prata (2014)
  • Campeonato Sul-Americano – Medalha de Prata (2013)
  • Campeonato Ibero-Americano – Medalha de Bronze (2012)

Recordes de Darlan Romani

  • Recorde Sul-Americano de Arremesso de Peso (22,61 metros)
  • Recorde Sul-Americano de Arremesso de Peso Indoor (22,53 metros)
  • Melhor Colocação do Brasil na história do Arremesso de Peso Olímpico (4º lugar)
  • Entrou para o ranking dos 10 maiores arremessos da história (2019 – 22,61 metros)

Gostou da história de Darlan Romani? Que tal conferir as biografias de outros atletas olímpicos brasileiros?