Conheça a história do Judô e saiba como a arte marcial chegou ao Brasil. Veja também quais são as novas regras e os equipamentos

Você sabia que judô significa caminho suave?

A arte marcial foi criada no Japão no fim do século 19 e se tornou uma das mais populares no Brasil. 

Mais do que um esporte muito praticado por aqui, o judô é uma grande fonte de medalhas.

Desde de 1984, os judocas brasileiros subiram no pódio em todas as edições dos Jogos Olímpicos. Assim, a cada Olimpíada, sempre fica a expectativa de vermos mais medalhas conquistadas.

Enquanto seguimos na torcida para que mais brasileiros saiam vitoriosos do tatame, aproveite para conhecer todos os detalhes da história do judô, as regras da arte marcial e tudo aquilo que envolve os combates!

História do Judô

Jigoro Kano criador do Judô
Jigoro Kano foi o criador do Judô, no fim do século 19, no Japão

O judô foi criado por Jigoro Kano no fim do século 19, no Japão. A partir da análise do ju-jutsu, ele buscou desenvolver uma técnica de combates mais defensivos, em que a força e o equilíbrio do oponente são utilizados contra ele. 

Oficialmente, o surgimento do judô aconteceu em 1882, ano em que Jigoro Kano fundou o Instituto Kodokan. O termo Kodokan se decompõe em ko (palestra, estudo, método), do (caminho ou via) e kan (Instituto).

Kano desenvolveu uma linha filosófica baseada no conceito ippon-shobu (luta pelo ponto perfeito) e um código moral.

Ao reunir estilos de outras lutas em sua criação e não restringir a modalidade a homens com vigor físico, o inventor da arte marcial proporcionou um cenário propício à popularização do judô ao redor do mundo.

Em 1918, foi criado o primeiro clube de judô na Europa, mais precisamente em Londres.

A chegada do judô ao Brasil aconteceu em 1922, quando japoneses migraram para o país. Saiba, a seguir, mais detalhes sobre a história do esporte por aqui!

História do Judô no Brasil

biografia rafaela silva
Medalhista de ouro nos Jogos do Rio, Rafaela Silva alimenta a tradição do esporte no país

A história do judô no Brasil começou sem instituições organizadoras. Somente na década de 1920 e início dos anos 1930 chegaram ao país os imigrantes que passaram a organizar as práticas do judô e kendô no país.

A institucionalização do esporte foi iniciada pela colônia japonesa. Mais tarde, o judô no Brasil ficou sob o controle da Confederação Brasileira de Pugilismo e, posteriormente, houve a criação da Confederação Brasileira de Judô.

A entrada do judô no programa olímpico em 1964, nos Jogos de Tóquio, fomentou a organização de instituições federativas no país. 

A Confederação Brasileira de Judô foi fundada em 18 de março de 1969, sendo reconhecida em 1972, quando o Brasil conquistou a primeira medalha olímpica. 

Logo, o judô se estabeleceu como um dos principais esportes olímpicos do país. Desde 1984, judocas brasileiros conquistaram medalhas em todas as edições dos Jogos Olímpicos.

Vá além das Artes Marciais! Confira também:

Regras do Judô

Regras do Judô
Em lutas de 4 minutos, judocas tentam projetar quedas dos oponentes

Como em qualquer arte marcial, o objetivo do judô é vencer uma luta.

Cada luta no judô dura 4 minutos. O combate pode ser encerrado antes desse tempo se algum atleta alcançar um Ippon (o golpe perfeito).

O combate também é encerrado prematuramente se um dos competidores receber três shidos, como são chamadas as sanções.

Caso a luta termine empatada, há a disputa do Golden Score, em que o judoca que marcar a primeira pontuação será o vencedor.

Desde janeiro de 2018, as pontuações do judô estão restritas ao Waza-ari e ao Ippon. 

Assim como já havia acontecido com o Koka, o Yuko foi extinto. Dessa forma, golpes e imobilizações de 10 segundos que eram creditadas como Yuko passaram a valer como Waza-ari.

O judoca que consegue dois Waza-aris alcança o equivalente ao Ippon e vence a luta.

Se a luta terminar empatada, os shidos (as infrações) não servem como critério de desempate. Assim, a luta vai para o Golden Score.

A disputa do Golden Score somente é decidida por punições se um atleta acumular três Shidos (a punição por falta de combatividade ou atitude antidesportiva). Caso um atleta acumule três shidos, acontece um Hansoku-Make e a luta chega ao fim, com o adversário como vencedor.

Pontuações no Judô

  • Waza-ari
  • Ippon 

Waza-ari

Segunda maior pontuação do judô, o Waza-ari acontece quando o oponente cai de lado ou com metade das costas ou ainda quando é imobilizado por pelo menos 10 segundos. 

Dois Waza-aris equivalem a um Ippon.

Ippon

O “nocaute’ do judô, o Ippon é o golpe perfeito e determina o fim da luta. Acontece quando na projeção, com queda, o oponente cai com as costas por completo no tatame. 

Também ocorre quando são aplicadas imobilizações por 25 segundos ou pela desistência do adversário em casos de chaves de mãos ou pés e estrangulamentos.

Punições do Judô

  • Shido
  • Hansoku-Make

Shido

Shidos são infrações leves de regras são penalizadas com shido. Ele é tratado como um aviso.

Caso um judoca acumule três shidos, ele perderá a luta. 

De acordo com as novas regras do judô, aplicadas desde janeiro de 2018, uma luta não pode ser desempatada por shidos. Caso haja o empate ao fim dos 4 minutos de combate, será disputado o Golden Score.

Assim como nos 4 minutos regulamentares de combate, o Golden Score somente é encerrado por punições se um judoca acumular três shidos, o que configura um Hansoku-Make.

Hansoku-Make 

Uma violação de regras séria resulta em um hansoku-make, o que configura a desqualificação do competidor penalizado. 

Hansoku-make também é dado pela acumulação de três shidos.

Categorias do Judô

Categorias do Judô
Uma lenda do judô, o francês Teddy Riner (d) está na categoria dos pesados

Categorias femininas do Judô

  • Ligeiro: até 48 kg
  • Meio-leve: até 52 kg
  • Leve: até 57 kg
  • Meio-médio: até 63 kg
  • Médio: até 70 kg
  • Meio-pesado: até 78 kg
  • Pesado: mais de 78 kg

Categorias masculinas do Judô

  • Ligeiro: até 60 kg
  • Meio-leve: até 66 kg
  • Leve: até 73 kg
  • Meio-médio: até 81 kg
  • Médio: 90 kg
  • Meio-pesado: até 100 kg
  • Pesado: mais de 100 kg

Graduação por classes do Judô

  • Sub-21 e Sênior: Faixa Roxa, 2º Kyu para o masculino e Faixa Verde, 3 Kyu para o feminino
  • Sub-18: Faixa Verde, 3 Kyu para o masculino e Faixa Amarela, 6º Kyu para o feminino
  • Sub-15: Faixa Amarela, 6º Kyu para o masculino e Faixa Azul, 8º Kyu para o feminino
  • Sub-13: Faixa Azul, 8º Kyu para o masculino e Faiza Cinza, 10º Kyu para o feminino

Equipamentos do Judô

Equipamentos do judô judogi
No judô feminino, atletas são obrigadas a usar camiseta branca sob o judogi

Os judocas devem usar apenas o judogi durante seus combates. Ele pode ser branco ou azul.

O judogi é composto por:

  • 1. Wagi (parte de cima do judogi) 
  • 2. Shitabaki (calça) 
  • 3. Obi (faixa) 
  • 4. Patch (tecido de identificação visual fixado no judogi)

Atletas do judô feminino ainda devem usar uma camisa branca sob o judogi.

A responsabilidade da utilização do judogi de forma correta é dos técnicos e atletas. Se, durante a realização do combate, a equipe de arbitragem constatar alguma irregularidade o atleta será desclassificado da luta por Hansoku-Make.

Para cumprir as regras do judô, o judogi deve seguir alguns parâmetros. Veja quais são eles!

Wagi

O Wagi precisa encobrir completamente as nádegas e possuir, pelo menos, dez (10) centímetros entre a extremidade inferior do mesmo e os joelhos do atleta.

As lapelas – direita e esquerda – do Wagi devem apresentar uma distância na altura do umbigo maior ou igual a 20 centímetros quando cruzadas na altura do umbigo.

A espessura da lapela deve ser menor ou igual a um centímetro. Já a largura da lapela deve ter as medidas por 4 e 5 centímetros.

A distância entre o esterno e o cruzamento das lapelas deverá ser menor que 10 centímetros.

As mangas devem cobrir completamente os braços do judoca, incluindo o punho.

A verificação das mangas deverá ser feita com os braços em linha reta, mãos espalmadas a frente com os polegares unidos e o Sokuteiki deverá deslizar completamente para dentro da manga sem dificuldade.

Shitabaki

A distância entre a barra da Shitabaki e o maléolo lateral (tornozelo) deve ser menor ou igual a 5 centímetros. Além disso, deve existir uma distância de 10 cm a 15 cm do joelho até a Shitabaki.

Obi

A espessura da faixa deve ser de 4 a 5 milímetros. A distância entre o nó e a ponta da obi deve medir de 20 a 30 centímetros. 

A obi não pode ser constituída de material rígido e escorregadio.

Camisa para atletas do judô feminino

As atletas deverão utilizar camisa ou colant na cor branca por baixo do Judogi. 

Esta vestimenta é obrigatória, faz parte do uniforme de competição feminina e precisa seguir as recomendações: 

  • Ser lisa, totalmente branca, sem estampas ou manchas. 
  • Deve possuir mangas curtas e gola redonda; 
  • Não deve conter marcas comerciais.

Patch

Os patches são tecidos de identificação visual, costurados no Judogi. Podem ser o escudo de uma federação, escudo do clube, patrocinadores e/ou publicidade, identificação do estado e evento ou até mesmo do nome do atleta. 

A responsabilidade da fixação dos patches no judogi é do atleta e seu respectivo técnico. 

Quer estar apto para a luta? Então lembre-se de ter seu judogi de acordo com todas as regras!

Agora que você sabe tudo sobre judô, aproveite para conferir outros conteúdos de artes marciais:

*Última atualização em 22 de janeiro de 2020

Comentários

Salvar
11 Compart.
Compartilhar5
Twittar
Compartilhar
WhatsApp
Pin6